Início Viagens 20 locais de visita obrigatória no Gerês

20 locais de visita obrigatória no Gerês

É um dos maiores santuário da vida natural de Portugal e está repleto de encantos por descobrir. Conheça 20 locais de visita obrigatória no Gerês.

18

O que visitar no Gerês? Trata-se de uma das mais belas regiões do país e também uma das melhores preservadas. Deslumbra pela sua beleza, pelas paisagens, rios, cascatas e aldeias preservadas. O Parque Nacional Peneda-Gerês compreende 4 serras (Gerês, Peneda, Soajo e Amarela) mas toda a gente o denomina apenas por “Gerês”.

Considerada uma das regiões mais bonitas de Portugal, o Parque Nacional Peneda Gerês rima com encanto, serenidade e magia. Desde paisagens, cascatas, aldeias e rios, o Gerês dispõe de muitos encantos que merecem ser deslumbrados.

Nunca é demais recordar que o Parque Nacional Peneda Gerês é um dos mais importantes santuários naturais de Portugal. Por isso mesmo, é imprescindível que cada visitante ou turista mantenha o local limpo e tenha respeito pela belíssima natureza do parque. Há muito para ver e fazer no Gerês, mas produzir lixo não é uma dessas coisas, certamente.

1. Quando visitar o Gerês?

A melhor altura para visitar o Gerês são nas estações amenas como a primavera e o outono. No verão a confusão é maior e o calor pode ser imenso e até mesmo desconfortável, principalmente nas montanhas. Já o inverno costuma ser bastante rigoroso devido à neve, chuva e nevoeiro que pode ser desencorajador e até perigoso para a elaboração dos trilhos. 

2. O que visitar no Gerês?

Sendo uma das mais belas regiões portuguesas, a tarefa de selecionar o sítio mais bonito é complicada, por isso, em baixo, encontram-se não apenas um nem dois, como vários dos encantos deste património natural. Lembramos que o número de locais a visitar no Gerês depende, obviamente, do tempo de que dispõe. Por isso mesmo, convém organizar a sua visita em roteiros de 1, 2 ou 3 dias (ou mais). Estes são os melhores sítios para visitar no Gerês.

Mapa dos melhores locais para visitar no Gerês

Sistelo

Sistelo
Sistelo

Conhecida pelo “Tibete Português”, o Sistelo é uma das mais recentes descobertas no Parque Nacional Peneda Gerês. A aldeia, famosa pelos seus socalcos verdejantes, pela sua relação com a água e pelo estilo de vida rural dos seus habitantes viu o número de turistas aumentar exponencialmente depois de implementados os passadiços do Sistelo.

Este percurso, devidamente sinalizado, é um dos grandes motivos para visitar esta região mas não é o único: a gastronomia, a natureza, as tradições e o modo de vida rural da aldeia do Sistelo cativam qualquer aventureiro.

Castro Laboreiro

Castro Laboreiro – Luís Borges

Situada no Parque Nacional Peneda-Gerês, encontra-se a vila Castro Laboreiro que possui uma grande beleza natural e um dos mais ricos patrimónios arquitetónicos e arqueológicos portugueses. Alguns dos mais importantes legados patrimoniais são o antigo Castelo de Castro Laboreiro que foi classificado como monumento nacional, a pré-romântica Igreja Matriz de Santa Maria da Visitação, o Pelourinho Manuelino, várias pontes e moinhos.

Dica: perto de Castro Laboreiro está a ser totalmente recuperada para turismo rural uma antiga aldeia abandonada: a aldeia de Pontes. Vale a pena visitá-la ou alojar-se numa das suas casas típicas.

Mata da Albergaria

Mata da Albergaria
Mata da Albergaria

Considerada um dos ex-libris do Parque Nacional Peneda-Gerês, a Mata da Albergaria foi caraterizada por ser uma das Reservas Biogenéticas do Continente Europeu, dispondo assim de uma grande quantidade espécies. Aqui é possível percorrer o trilho das Sete Pontes que é acompanhado, do inicio ao fim, por cascatas, lagoas e outros encantos naturais da região.

Ponte da Mizarela

Ponte da Mizarela
Ponte da Mizarela

A Ponte da Mizarela, também conhecida como a Ponte do Diabo, está situada sobre o Rio Rabagão e liga as freguesias de Ruivães e de Ferral. Esta guarda uma lenda que defenda que esta ponte foi construída pelo diabo, servindo assim de objeto de culto e superstições entre o povo local.

Brufe

Brufe
Brufe

Há lugares que merecem ser descobertos e valorizados. A Aldeia de Brufe insere-se no Parque Nacional da Peneda-Gerês e encontra-se situada na encosta da Serra Amarela. Esta aldeia leva cada visitante a uma viagem no tempo devido às suas casas de granito e a todo o ambiente genuíno envolvido. Para além da viagem no tempo, Brufe oferece uma maravilhosa vista para o vale do Homem.

Dica: se procura um bom local para comer no Gerês em Brufe pode encontrar o “Abocanhado”, um dos mais famosos restaurantes da região.

Pitões das Júnias

Pitões das Júnias
Pitões das Júnias – Rui Videira

Faz parte da região de Barroso, Trás-os-Montes. A aldeia de Pitões de Júnias parece que parou no tempo e é visitada tanto pelos amantes de natureza, como pelos curiosos.

Nesta aldeia, são vários os pontos que merecem ser conhecidos e deslumbrados como o Miradouro da Cascata, as Caldeiras de Pereira, a Cascata de Pitões de Júnias e o Mosteiro de Santa Maria das Júnias.

Dica: os passadiços de madeira até à Cascata de Pitões das Júnias podem ser muito cansativos mas o passeio vale certamente a pena.

Cascata Fecha de Barjas

Cascata Fecha de Barjas
Cascata Fecha de Barjas

É uma das cascatas mais procuradas pelos visitantes do Gerês, por ser vista como a mais bonita do Parque Nacional. As cascatas de Fecha de Barjas são formadas pela água do Rio Arado e para além de ainda serem um segredo do Gerês, são também uma verdadeira obra-prima da natureza.

Dica: a Cascata de Fecha de Barjas é também conhecida pela Cascata do Tahiti e é uma das preferidas pelos veraneantes para dar um mergulho refrescante.

Soajo

Espigueiros
Espigueiros do Soajo

A aldeia de Soajo, que pertence ao concelho de Arcos de Valdevez, conhecida sobretudo pelo seu enorme conjunto de espigueiros. Estas estruturas de granito ainda hoje são usadas pelos habitantes para guardar o milho.

Outro bom motivo para visitar o Soajo é a sua gastronomia, onde abundam as carnes típicas desta região. A aldeia possui várias unidades de alojamento de turismo rural. Além de percorrer as suas ruas e descobrir os encantos desta aldeia serrana, recomenda-se também a realização de algum dos vários percursos pedestres que por aqui passam e que lhe permitem descobrir toda a essência do Gerês.

Vale de Poldros

Vale de Poldros

Trata-se de uma aldeia peculiar: é utilizada apenas durante o Verão (daí o nome “brandas”) pelos pastores em busca de bons pastos para o seu gado. Nos restantes meses do ano, os pastores descem até às inverneiras, locais mais abrigados do mau tempo.

A aldeia possui várias casas rudimentares de granito, chamadas cardenhas, onde eram guardadas as alfaias agrícolas e, muitas vezes, serviam também de abrigo para eles próprios e para o seu gado. Vale de Poldros ganhou visibilidade nos últimos anos e possui hoje algum dinamismo, apesar de ter apenas um habitante permanente.

Lindoso

Lindoso
Lindoso – Rui Videira

Já teve uma notória importância histórica mas hoje é, sobretudo, mais um dos locais a visitar no Gerês que não pode perder. Pertencente ao concelho de Ponte da Barca, Lindoso conserva ainda o seu castelo, memória viva das batalhas travadas na defesa deste território.

A aldeia, uma das mais bonitas do Gerês, é ainda famosa pelos seus espigueiros e eiras comunitárias. Um cruzeiro, moinhos de água, calçadas medievais e o Castro de Cidadelhe são outros motivos para visitar Lindoso.

Nossa Senhora da Peneda

Cascata e Santuário da Peneda
Cascata e Santuário da Peneda – António Cunha

Construído nos finais do século XVIII, a julgar pela data inscrita na coluna existente ao cimo da escadaria de acesso, acredita-se que neste local tenha existido uma pequena ermida construída para lembrar a aparição da Senhora da Peneda, cujo culto foi crescendo e motivou a construção do santuário.

Um dos grandes motivos para visitar o Santuário da Peneda, além da devoção religiosa, é poder observar a sua imponente cascata. Se a quiser observar na sua plenitude, convém visitar este local alguns dias depois de cair bastante chuva.

Miradouro da Pedra Bela

Miradouro da Pedra Bela
Miradouro da Pedra Bela (Bruno Cruz)

Trata-se de um pequeno balcão rochoso com 829 metros de altitude onde se pode contar com uma vista única sobre o Rio Cávado e as altas montanhas que o rodeiam. O miradouro da Pedra Bela é um dos sítios com passagem obrigatória para quem visita o Gerês.

Fafião

Fafião
Fafião

Tem uma acentuada caraterística serrana e um rio que muitos dizem ser secreto. Trata-se da aldeia e do rio de Fafião. No coração do Parque Nacional Peneda-Gerês, as paisagens que envolvem Fafião são de cortar a respiração e dignas de uma passagem quase obrigatória.

Dica: Fafião é conhecida pela sua história ligada ao lobo. Procure aprender um pouco mais sobre as tradições da aldeia.

Vilarinho das Furnas

Vilarinho das Furnas
Vilarinho das Furnas

Era uma antiga aldeia que com a subida das águas do Rio, deixou de existir. Vilarinho das Furnas localiza-se em pleno Parque Nacional Peneda-Gerês e atrai uma série de turistas atraídos pelo mistério e história do local submerso difícil de batizar historicamente a sua origem.

Cascata do Arado

Cascata do Arado
Cascata do Arado – Carina Gomes

É uma das mais famosas cascatas do Gerês e atrai milhares de banhistas durante o Verão que aqui se deslocam em busca de um mergulho refrescante. Localizada no Rio Arado, perto do Miradouro da Pedra Bela, o acesso é feito por uma estrada florestal.

A cascata do Arado localiza-se a uma altitude de 900 metros e cria uma sucessão de cascatas deslumbrante por entre as rochas. Nunca é demais recordar, aos mais aventureiros, que o piso pode ser escorregadio e que se trata de um local isolado, onde a ajuda é difícil de chegar em caso de acidente.

Dica: pode encontrar mais informações sobre as mais bonitas cascatas do Gerês neste link.

Vila do Gerês

Termas do Gerês
Termas do Gerês

Se procura um local com variedade ofertas de alojamento no Gerês, este é um dos melhores sítios. A Vila do Gerês possui um tamanho considerável e, por isso mesmo, uma boa oferta de alojamento e de restaurantes. Pode constituir uma boa base caso decida passar mais do que um dia a visitar o Gerês.

Vilar de Veiga

Vilar de Veiga
Vilar de Veiga – Gerês

A Albufeira da Caniçada é o principal motivo para visitar Vilar de Veiga, uma freguesia de Terras de Bouro. Aliás, aqui estão localizadas algumas das melhores praias fluviais do Gerês. Dada a sua proximidade a atrações como a Cascata do Arado ou o Miradouro da Pedra Bela, Vilar de Veiga pode ser uma boa opção para servir de base caso pretenda visitar o Gerês durante alguns dias.

Geira Romana

Geira Romana
Geira Romana

Se a sua ideia para melhor conhecer e visitar o Gerês é realizar um percurso pedestre, então a Geira Romana pode ser uma das melhores opções. Como o próprio nome indica, trata-se de um caminho construído pelos romanos e que ligava Braga a Astorga. Hoje em dia, é uma excelente forma de conhecer o Parque Nacional Peneda Gerês.

Dica: ao longo da Geira Romana pode encontrar algumas lagoas, cascatas e albufeiras onde se pode refrescar. Por isso… leve o fato de banho consigo!

São Bento da Porta Aberta

Santuário do São Bento da Porta Aberta
Santuário do São Bento da Porta Aberta

Trata-se do segundo maior santuário do país, em tamanho e em número de visitas, somente atrás do santuário de Fátima. O Santuário de São Bento da Porta Aberta atrai milhares de peregrinos todos os anos.

Rodeado por uma flora e fauna abundantes e com vistas para a albufeira da Caniçada, o santuário é um local que inspira serenidade em comunhão com a natureza circundante.

Lamas de Mouro

Lamas de Mouro
Lamas de Mouro

É uma das portas do Parque Nacional Peneda Gerês e é conhecida pelo seu parque de campismo. Lamas de Mouro faz parte de Melgaço e está vocacionada para a realização de diversas atividades desportivas e recreativas, sempre em comunhão com a natureza do Gerês. Além de poder acampar, pode também dar um mergulho, conhecer mais um pouco da biologia e geologia do Gerês.

3. O que fazer no Gerês

Se é daqueles que não se contenta com um passeio de carro pelas estradas do Parque Nacional Peneda Gerês… Se um mergulho nas cascatas não é suficiente… Ou se procura apenas o que fazer no Gerês com crianças, saiba que as atividades existentes no Parque são muitas, variadas e adaptadas a cada gosto.

Há muito para fazer no Gerês: trilhos pedestres, desportos aquáticos, passeios a cavalo… São sobretudo atividades que o irão fazer desfrutar da belíssima natureza deste imenso parque nacional.

Trilhos Pedestres no Gerês

O Gerês dispõe de diversos trilhos pedestres para conhecer este local maravilhoso, digno de um cenário dos livros de histórias para os mais novos.

No concelho de Melgaço, é possível conhecer a aldeia Castro Laboreiro e os caminhos centenários que os pastores percorriam com o intuito de oferecer melhores condições aos seus rebanhos.  Ao longo destes caminhos, estão presentes algumas pontes centenárias, bosques, ribeiras entre muitas outras paisagens do Gerês. O trilho circular Castro Laboreiro tem 17 km de distância e a dificuldade é moderada, tendo como inicio e fim de percurso na vila.

O trilho Pé de Cabril tem como um dos pontos principais o pico com a altitude máxima de 1236 metros. A exigência do percurso é mediana e para alguns, chega a ser difícil. Tem inicio na Mata de Albergaria, mais precisamente junto à Portela de Leonte e termina na Aldeia do Gerês, tendo 11 km de distância. Não é fácil subir até ao topo do Pé de Cabril mas é algo que vale a pena, devido à vista proporcionada.

O trilho das 7 lagoas – Xertelo é aquele que lhe dá a conhecer um dos muitos paraísos do Gerês. É um percurso circular que começa e acaba na pequena aldeia de Xertelo. A sua dificuldade é moderada e conta com 12 km (ida e volta). Ao longo do trilho, as pessoas são brindadas com paisagens de cortar a respiração e o ponto alto, é, como é claro, as sete lagoas que em tempo quente, convidam a dar uns mergulhos nas suas águas.

7 lagoas
7 lagoas

O trilho da Cascata do Arado ao Poço Azul vai conduzir as pessoas a um dos segredos mais bem guardado do Parque Nacional Peneda-Gerês. Trata-se do Poço Azul que se encontra bem escondido num recanto entre toda a natureza envolvente.

O trilho não está, de todo, marcado por indicações, mas não isto não deve ser algo que demova a aventurar-se neste percurso. Para além disto, o caminho é relativamente fácil para aqueles que tem experiência em caminhadas de montanha. O ponto de partida e de chegada é perto da Cascata do Arado e trata-se de um percurso que conta com 11 km (ida e volta) e a sua dificuldade técnica é moderada.

Dica: se pretende escolher um bom trilho para realizar no Gerês, tem mais opções neste link.

Atividades no Gerês

Para além de trilhos, o Parque Nacional Peneda-Gerês dispõe de várias atividades para todos aqueles que gostam de se aventurar pela natureza. Algumas destas são o arborismo destinado para adultos e crianças, os passeios a cavalo, o paddle, o kayak e os passeios de barco a motor, de lanchas e boias.

Quando se fala nesta região, é inevitável não falar na mágica água do Gerês que também merece ser destacada pelas suas caraterísticas terapêuticas. Para quem visita a região, é quase imprescindível a exploração e usufruto dos circuitos de águas em termas e spas.

4. Visitar o Gerês no Inverno

A grande maioria das pessoas visita o Gerês durante a Primavera ou o Verão. Nestes meses, é possível desfrutar de um mergulho nas suas cascatas e lagoas ou realizar várias atividades ao ar livre. No entanto, se pretende visitar o Gerês durante o Inverno, há também muito para fazer no Gerês.

Desde logo, pode optar por sentir o aconchego de uma lareira numa casa de pedra alugando um dos muitos turismos rurais no Parque Nacional Peneda Gerês. Caso procure as melhores opções para o Inverno, o Soajo lidera destacado, mas não coloque de parte Lindoso, Pitões das Júnias, Castro Laboreiro e Sistelo.

Se pretende conhecer um pouco das tradições e da cultura do povo que habita estas paragens, recomendamos uma visita às inverneiras (locais onde os pastores guardam o gado durante o Inverno). Existem vários exemplos de inverneiras mas, alguns dos mais interessantes, localizam-se no Sistelo, em Castro Laboreiro e em alguns locais da freguesia de Gavieira (Rouças, Tibo e Igreja).

Rouças
Rouças – Rui Videira

Se pretende desfrutar da neve durante o frio Inverno do Gerês são muitos os locais onde o pode fazer. No entanto, aqueles que oferecem mais conforto são o Soajo, Pitões das Júnias, Lindoso e Castro Laboreiro.

5. Onde comer e dormir no Gerês

A Casa do Preto é um restaurante e hotel situado em Pitões das Júnias, que se encontra envolvido pelo verde da serra ou até mesmo pela neve. Este restaurante oferece à mesa os melhores produtos que esta terra proporciona, tendo o cozido à portuguesa como especialidade. O hotel dispõe de uma decoração minimalista com pormenores relacionados com o ambiente envolvente e de uma vista para a singular Serra do Gerês é incrível. Os responsáveis tentam garantir que por cada pessoa que por ali passa, a tradição e memória permanece.

A Casa dos Braganças está integrada no Parque Nacional da Peneda-Gerês e localizada em Torém, no concelho de Montalegre. Trata-se de um hotel com capacidade máxima de doze quartos em que o conforto e a tradição são os aspetos essenciais para receber os hóspedes que ali são acolhidos. A paisagem de montanhas e vales envolvente é rica em diferentes espécies de animais e vegetais como de uma grande diversidade de culturas.

Águas do Gerês – é assim que se chama o hotel, termas & spa que é considerado uma das sete maravilhas de Portugal, situado em pleno coração do Parque Nacional da Peneda-Gerês. Além disto, o Hotel Águas do Gerês dá acesso a outras atividades de lazer, ao Parque das Termas e dispõe também de um restaurante com pratos de base tradicional e ao mesmo tempo, modernos.

Uma visita ao Parque Nacional Peneda-Gerês é uma experiência que pode encher os pulmões de ar fresco e a alma de encanto. Natureza e biodiversidade é o que não falta no Gerês que é uma vila repleta de tesouros que merecem ser conhecidos. Parta pelos caminhos até esta região que é um autêntico paraíso.

18 COMENTÁRIOS

  1. Boa tarde,

    Vi a vossa reportagem sobre o Gerês e os locais importantes a visitar ou a não perder como dizem.
    É sempre muito bom quando se fala em regiões do interior do país e falam bem delas e mais ainda da magnifica Serra do Gerês, o Pulmão de Portugal.
    Mas nem tudo é positivo, por exemplo: o santuário de São Bento da Porta Aberta não fica na aldeia de rio Caldo mas sim na aldeia da Seara, freguesia de Rio Caldo, penso que são coisas bem diferentes; uma outra coisa é a questão dos outros locais, quando se fala no Gerês é bom saber no que se está a falar, se é na Serra do Gerês, se na Vila do Gerês ou se é no Parque Nacional da Peneda Gerês;
    uma outra questão, a cascata do Arado não fica a 900 metros de altitude mas bem menos.
    Não queria ser muito exigente com outras questões, mas já agora fica um pouco feio usar fotografias irrealistas com a alteração que lhe foram introduzidas.

    Os melhores Cumprimentos

    Sérgio Gonçalves

    wwww.insidegeres.blogspot.com

    • Amigo, na época em que vivemos, não interessam esses detalhes. O que interessa são os likes no instagram das fotos todas cheias de efeitos e hashtags da moda 😉
      Agora fora de brincadeiras, ainda bem que há alguém que aponte o dedo a este fraco jornalismo de hoje em dia.

      Um bem haja,
      Bernardo Pizarro

  2. Boa tarde,não admira que muitas pessoas que viajam por Arcos de Valdevez, Ponte da Barca e Melaço julguem estar no Gerês, poi não é devido á sua falta de cultura mas sim devido à má informação que dispõem em varios sites da internet.
    Este é mais um desses sites pois se vocês se querem rererir ao que mostram nas imagens, deveria dizer que estes locais pertencem ao Parque Nacional Peneda Gerês, a não ser que se queiram referir apenas ao Gerês, que sendo assim acho muito mal usarem imagens de locais que nao pertencem ao Gerês mas sim ao Parque Nacional Penada Gerês.
    Não sei se é falta de cultura ou de informação, mas sei que o Gerês continua a ser mais conhecida que os outros locais devido à ma informação fornecida por vós e nao só.

  3. Gerês?????
    Peneda…Castro Laboreiro… Melgaço, Ponte da Barca e Arcos de Valdevez são Gerês?
    O Parque Nacional que tem o sub-nome de Peneda-Gerês incliu vários municípios e Serras que ficam no território compreendido entre a Serra da Peneda e a do Gerês… Chamar Gerês a todo esse território é como chamar Almada ao Porto. Se não sabe de Geografia limite-se a designação Geral: Parque NAcional!

  4. O Geres é enorme. Gostei de Brufe , das casas em pedra, e do Soajo. Também saber das divergências quanto a uma raça canina que chamam de Castro Laboreiro e afinal, o bicho é de Soajo e chamam-lhe de Sabujo.

  5. Quando se fala em Gerês, engloba tudo: Vila do Gerês, Serra do Gerês e Peneda do Gerês. E os pormenores não fazem diferença alguma. A malta quer é desfrutar da linda paisagem do gerês, da serra à peneda tudo é gerês.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here