Início Viagens Os 10 melhores trilhos do Gerês

Os 10 melhores trilhos do Gerês

Dezenas de percursos pedestres e uma natureza deslumbrante, assim é este pequeno paraíso no norte de Portugal. Descubra os 10 melhores trilhos do Gerês.

2
melhores trilhos do Gerês
Parque Nacional Peneda Gerês

Se é fã de caminhadas e de percursos pedestres na Natureza, o Parque Nacional Peneda Gerês é um dos melhores destinos em Portugal para si. Popularmente chamado apenas de “Gerês”, o parque engloba, na realidade, 4 serras: Gerês, Amarela, Soajo e Peneda.

Recordamos, como sempre que os trilhos do Gerês exigem preparação física e cuidados vários. Roupa adequada, água em abundância, comida e alguns medicamentos básicos são essenciais.

Deve ainda respeitar a sinalização do Parque e respeitar as autoridades. Venha connosco descobrir os 10 melhores trilhos do Gerês.

1. PR Castro Laboreiro

cascatas mais bonitas de Portugal
Cascata de Castro Laboreiro

Localização: freguesia de Castro Laboreiro, concelho de Melgaço.

Ponto de partida e chegada: Cruzamento à entrada de Castro Laboreiro

Extensão: 5,8 km.

Duração: cerca de 2h20.

Dificuldade: média.

Pontos: Castro Laboreiro (cemitério) – Branda da Portela – vale do rio Laboreiro – Castro Laboreiro.

Apoios: sinalizado segundo as normas internacionais. Folheto nesta página e na Porta de Lamas de Mouro.

Breve descrição

O percurso desenvolve-se na encosta que liga Castro Laboreiro ao planalto, dando-nos uma ideia geral das soluções engenhosas encontradas pelas populações na ocupação daquele território.

A área de Castro Laboreiro é das zonas, do Entre Douro e Minho, em que os efeitos da introdução do milho, nos séc. XVI e XVII, menos se fizeram sentir, mantendo-se aqui formas de ocupação e exploração do território que se encontram extintas ou em decadência nas regiões vizinhas.

Folheto: PR Castro Laboreiro

2. PR2 N Peneda

percursos pedestres no Gerês
Rouças – Gavieira

Localização: Peneda, freguesia da Gavieira, concelho de Arcos de Valdevez.

Ponto de partida e chegada: parque de estacionamento da Peneda.

Extensão: 8,2 km.

Duração: cerca de 4 h.

Dificuldade: média.

Pontos: parque de estacionamento da Peneda – Colado da Fonte – Portas – Bouça dos Homens – Penameda Pequena – Pântano – Meadinha – Peneda e regresso ao local de partida.

Apoios: sinalizado segundo as normas internacionais. Folheto disponível, também, no sítio da ADERE-PG.

Breve descrição

O percurso permite visitar os povoados da Peneda e da branda da Bouça dos Homens, ascender à Penameda e ao pântano da Chã do Monte (que outrora servia uma minihidríca para produzir energia para a Peneda).

Permite ainda conhecer a Fraga da Meadinha, muito procurada como local de escalada, e o Santuário da Senhora da Peneda, local de procissões e romarias.

Folheto: PR2 N Peneda

3. Travessia das Serras da Peneda e do Soajo

Sistelo
Sistelo

Localização: complexo montanhoso das Serras da Peneda e do Soajo.

Ponto de partida e chegada: Porta do PNPG no Mezio.

Extensão: 77 km.

Duração: cerca de 4 dias.

Dificuldade: média.

Pontos: este percurso desenvolve-se em 3 etapas, num total de 77 km, estimando-se que sejam necessários 4 dias para o realizar – etapas:

1 – Porta do PNPG (Mezio) – Bostelinhos – Fojo da Cabrita – Avelar – Lordelo – Sistelo;

2 – Sistelo – Padrão – Porta Cova – Branda do Furado – Branda de Real – Branda de S. Bento do Cando – Pântano – Santuário da Sra. da Peneda;

3 – Santuário da Sra. da Peneda – Baleiral – Tibo – Mistura das Águas – Várzea – Paradela – Soajo – Vilar de Suente – Porta do PNPG (Mezio).

Apoios: sinalizado segundo as normas internacionais. Folheto em “Relacionados”, à esquerda desta página, e na Porta do PNPG, no Mezio.

Breve descrição

O percurso atravessa o complexo montanhoso das Serras da Peneda e do Soajo, ao longo do qual se pode observar o trabalho engenhoso de armar os solos em socalcos agrícolas, bem como todo um conjunto de estruturas de apoio à atividade agropastoril. Também permite passar por diversos habitats que albergam uma vasta riqueza florística e faunística.

Folheto: PR Travessia das Serras da Peneda e do Soajo

4. Megalitismo de Castro Laboreiro

Castro Laboreiro - Luís Borges
Castro Laboreiro – Luís Borges

Localização: freguesia de Castro Laboreiro, concelho de Melgaço.

Ponto de partida e chegada: Rodeiro, freguesia de Castro Laboreiro.

Extensão: 13,1 km.

Duração: cerca de 4h30min.

Dificuldade: fácil.

Cota máxima alcançada: 1.271m.

Pontos: Rodeiro – Necrópole megalítica do Planalto de Castro Laboreiro.

Apoios: sinalizado segundo as normas internacionais. Folheto disponível nesta página, na Porta do PNPG em Lamas de Mouro e no sítio da ADERE-PG.

Breve descrição

Trilho do Megalitismo do Planalto de Castro Laboreiro, no Parque Nacional da Peneda-Gerês, oferece ao visitante um percurso por uma das maiores necrópoles megalíticas da Península Ibérica, testemunho de uma ocupação humana que remonta à pré-história.

Partindo da branda do Rodeiro, aglomerado populacional que lhe é mais próximo, o trilho conduz o visitante pelos vários núcleos megalíticos desta necrópole, permitindo-lhe simultaneamente conhecer o Planalto de Castro Laboreiro. São visitados os monumentos Alto da Mansão do Guerreiro, Alto do Buscal, Lama do Rego e Alto da Portela do Pau.

Folheto: Megalitismo de Castro Laboreiro

5. PR Cidade da Calcedónia

Covide
Covide

Localização: freguesia de Covide (Lugar do Calvário), concelho de Terras de Bouro

Ponto de partida e chegada:  Lugar do Calvário, freguesia de Covide.

Extensão: 7 km.

Duração: cerca de 4h:30min.

Dificuldade: elevada.

Cota máxima alcançada: 999 m (no Cabeço da Calcedónia).

Pontos: Lugar do Calvário – Covide – Tonel – Castro da Calcedónia – Poço Azul – Covide – Lugar do Calvário.
Apoios: sinalizado segundo as normas internacionais. Folheto disponível nesta página, na Porta do PNPG em Campo do Gerês, no Município de Terras de Bouro e respetivos Postos de Turismo e no sítio da ADERE-PG.

Breve descrição

Um dos principais pontos de interesse deste trilho é o penedo da Calcedónia, muito conhecido pela grande fenda que o atravessa de um lado ao outro levando-nos ao seu topo. Poucos sabem, contudo, que junto dele se abrigava uma povoação da Idade do Ferro, mais tarde ocupada pelos romanos. 

Existem ainda alguns vestígios da muralha do castro e, mais raramente, encontram-se fragmentos de cerâmica dessa época. Foram também encontrados alguns fragmentos de telha que nos indicam a presença dos romanos.

Folheto: PR Cidade da Calcedónia

6. PR São Bento

Covide

Localização: freguesias de Rio Caldo e Covide, concelho de Terras de Bouro.

Ponto de partida e chegada: Lugar de Seara, freguesia de Rio Caldo

Extensão: 11 km.

Duração: cerca de 5 h.

Dificuldade: média a elevada.

Pontos: Lugar de Seara – Furna – praia fluvial – fojo do lobo – Basílica de S. Bento – Lugar de Seara.

Apoios: sinalizado segundo as normas internacionais. Folheto nesta página, na Porta do PNPG em Campo do Gerês, no Município de Terras de Bouro e respetivos Postos de Turismo ou no sítio da ADERE-PG.

Breve descrição

O trilho desenvolve-se ao longo da encosta Sudoeste do vale do rio Caldo e tem como principais atractivos os antigos fornos de fabrico de carvão (denominados furnas), as pegadas de Santa Eufémia (marcas num bloco granítico que nos remetem para as tradições e mitologias da freguesia de rio Caldo) e a basílica de São Bento da Porta Aberta, local de culto e de grandes peregrinações (uma das maiores do norte de Portugal).

Pode ainda conhecer-se o núcleo rural de Seara. Este percurso pedestre foi afectado pelos incêndios florestais do verão de 2010. A sua sinalização não foi danificada, embora ainda possa existir o impacto visual negativo de uma área ardida.

Folheto: PR São Bento

7. PR Pitões das Júnias

Cascata de Pitões das Júnias
Cascata de Pitões das Júnias

Localização: freguesia de Pitões das Júnias, concelho de Montalegre.

Acesso: Anjo – Encruzilhada – Mosteiro de Santa Maria de Pitões das Júnias – Levada de água – Miradouro da Cascata – Pitões das Júnias – Anjo.

Ponto de partida e chegada: Anjo.

Extensão: 3,5 km.

Duração: cerca de 1h:30min.

Dificuldade: média.

Apoios: sinalizado segundo as normas internacionais. Folheto disponível nesta página, no PNPG, na ADERE-PG e nas Portas do PNPG.

Breve descrição

Permite um contacto privilegiado com a grandiosidade da Serra do Gerês que se vê no horizonte. Possibilita, ainda, conhecer aspectos singulares da arquitectura rural, em particular as originais soluções de apoio à agricultura, como os prados de lima ou as Levadas de água e, no plano histórico e religioso, o singular Mosteiro de Santa Maria das Júnias.

Ao longo do percurso, podem-se também observar diversos aspectos da importante fauna e flora do Parque Nacional da Peneda-Gerês.

Folheto: PR Pitões das Júnias

8. PR Fojo da Portela da Fairra

Parada - Oureiro
Parada – Oureiro

Localização: Lugar de Parada, freguesia de Outeiro, concelho de Montalegre.

Acesso: Lugar de Parada (freguesia de Outeiro) – Parada – fojo do lobo – Lugar de Parada.

Ponto de partida e chegada: Lugar de Parada, freguesia de Outeiro. De momento não dispõe de placa de início, apenas marcas de caminho certo.

Extensão: 6 km.

Duração: cerca de 3 h.

Dificuldade: fácil.

Apoios: sinalizado segundo as normas internacionais. Folheto nesta página.

Breve descrição

Este percurso permite conhecer a típica aldeia de Parada, na freguesia de Outeiro, observar várias construções de importância arqueológica e etnográfica, nomeadamente algumas fontes e moinhos, um fojo de lobo de cabrita (recinto amplo cercado por um muro de pedra, no interior do qual era deixada uma rês que atraía o lobo que aí era, depois, capturado pela população) e uma silha (construção dentro da qual se colocavam os cortiços das abelhas para os proteger do urso-pardo).

Permite ainda descobrir os bosques de carvalho-negral Quercus pyrenaica e de carvalho-alvarinho ou roble Quercus robur do Beredo e do Campesinho.

Folheto: Fojo da Portela da Fairra

9. PR5 Águia do Sarilhão

Vilarinho das Furnas
Vilarinho das Furnas

Localização: freguesia de Campo do Gerês, concelho de Terras de Bouro.

Ponto de partida / chegada:  Museu Etnográfico de Vilarinho da Furna / Porta do Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG) em Campo do Gerês.

Extensão: 9 km.

Duração: cerca de 3 h.

Dificuldade: média.

Apoios: sinalizado segundo as normas internacionais. Folheto disponível nesta página, na Porta do PNPG em Campo do Gerês, no Município de Terras de Bouro e respetivos Postos de Turismo ou no sítio da ADERE-PG.

Breve descrição

Este percurso pedestre percorre um vale aplanado, ocupado pelo ribeiro de Roda, desde o Museu de Vilarinho das Furnas até à margem esquerda da albufeira de Vilarinho das Furnas. 

Ao longo do percurso passamos por áreas de mato e pinhal, de vegetação ribeirinha, de medronhal Arbutus unedo e de carvalhal Quercus spp. Avistamos a fraga do Sarilhão, onde a águia-real construía os seus ninhos, e caminhamos um pouco na via romana (Geira), tendo a oportunidade de observar um núcleo de marcos miliários. 

Podemos ainda admirar vários elementos da arquitectura tradicional que a povoação de Campo do Gerês ainda preserva, principalmente habitações e espigueiros. Os espigueiros são construções onde se guardam as espigas de milho.

Folheto: PR5 Águia do Sarrilhão

10. PR Moinhos de Parada

locais para visitar no Norte de Portugal
Lindoso

Localização: freguesia de Lindoso, concelho de Ponte da Barca.

Ponto de partida e chegada: Lugar de Parada, freguesia de Lindoso.

Extensão: 7 km.

Duração: cerca de 4h:30min.

Dificuldade: média.

Pontos: Parada – Lajes – Cova da Revelha – Moinhos do Porto do Inferno – Outeiro do Sapo – Moinhos do Diabrete – Chão da Cabeça – Parada.

Apoios: sinalizado segundo as normas internacionais. Folheto nesta página, no PNPG, na ADERE-PG e nas Portas do PNPG.

Breve descrição

Este percurso pedestre conduz-nos à descoberta da povoação de Parada, na freguesia de Lindoso. Nas margens do rio Lima encontramos velhos moinhos (hoje, na sua maioria, abandonados), símbolos da arquitectura tradicional e engenhosas obras de engenharia hidráulica.

Não são apenas os moinhos os pontos de interesse deste percurso, mas toda a paisagem envolvente, transformada pelas populações humanas, através da pastorícia e agricultura, e que, sabiamente, utilizaram os recursos naturais disponíveis.

Folheto: PR Moinhos da Parada

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here