Início Viagens O 2º bairro mais antigo da Europa fica em Lisboa

O 2º bairro mais antigo da Europa fica em Lisboa

É o segundo bairro mais antigo da Europa e fica em Lisboa. Trata-se de uma das zonas mais típicas e genuínas da capital portuguesa. De que bairro falamos?

2119
0
Alfama
Alfama

 

Este bairro medieval (que já foi uma judiaria e uma comunidade piscatória) é o bairro mais antigo da Europa, depois de El Pópulo em Cádis. É uma pequena aldeia ou medina no meio da capital, e uma relíquia dos tempos anteriores ao grande terramoto de 1755. Escapou à catástrofe graças aos seus sólidos alicerces na colina mais alta da cidade, que se estende até ao bairro da Graça. É um bairro para se perder por becos e largos, deixando-se guiar pelos sentidos: vendo estendais nas varandas e fantásticas vistas do Tejo, cheirando peixe a assar na esquina, ouvindo os sons do Fado do interior de um restaurante típico, saboreando pratos tradicionais e tocando em magníficos painéis de azulejos. Este é o bairro mais pitoresco de Lisboa e a verdadeira alma da cidade.

Alfama
Alfama

Roupas penduradas nas sacadas. O canto melódico de um cantor de fado ecoando pelas ruas. Azulejos coloridos decorando as fachadas de sobrados. Alfama, bairro localizado entre o Castelo de São Jorge e o Rio Tejo, talvez seja a parte mais encantadora de Lisboa.

Alfama
Alfama

Alfama é o centro histórico de Lisboa. O bairro foi o único a não ser destruído por um terremoto que devastou a cidade em 1755. Embora os romanos e os visigodos tenham deixados suas marcas, foram os mouros que ocuparam o bairro a partir do ano 711. Um exemplo típico da influência moura são as ruas estreitas com sobrados caiados. O nome Alfama provavelmente vem de uma palavra árabe que significa “banho” e se referia às fontes termais da região. O bairro é um incrível labirinto de ruas estreitas e praças com palmeiras. Em cada esquina e por trás de cada porta há uma surpresa.

Alfama
Alfama

Durante o domínio muçulmano, poder-se-ia falar de uma Alfama do Alto, mais aristocrática, situada dentro da Cerca Moura, na parte oriental da actual freguesia da Sé, que comunicaria pela Porta de Alfama ou de São Pedro (na actual rua de São João da Praça) com uma Alfama do Mar, arrabalde popular.

Com o domínio cristão a designação Alfama foi-se alargando mais para leste, dentro dos limites da Cerca Nova ou Cerca Fernandina, passando para lá do Chafariz de Dentro.

Alfama
Alfama

Este bairro foi outrora o mais agradável da cidade. As origens do declínio surgiram na Idade Média, quando os residentes ricos se mudaram para o oeste, deixando o bairro para uma população de pescadores e marinheiros.

Os prédios resistiram ao terramoto de 1755. Apesar de já não existirem casas mouriscas, o bairro conserva um pouco do ambiente, do casbá com as suas ruelas, escadarias e roupa a secar nas janelas. As áreas mais arruinadas estão a ser restauradas e a vida desenvolve-se em volta das pequenas mercearias e tabernas.

Alfama
Alfama

A razão de ser do nome Alfama é confirmado pela carta geológica do concelho de Lisboa, que mostra um grupo de nascentes minero-medicinais associadas a uma falha geológica que corta as camadas do Miocénico. Ao longo da história, estas nascentes foram encanadas para alimentação de chafarizes.

Graças a este conjunto de nascentes com um caudal significativo, Alfama era, antes da construção do Aqueduto das Águas Livres, a zona de Lisboa com menos problemas de falta de água. As águas de Alfama ou Águas Orientais foram introduzidas em 1868 na rede de abastecimento público de Lisboa com a construção no local do antigo Chafariz da Praia de uma cisterna que recolhia a água e de uma estação elevatória movida a vapor que a elevava até ao recém-construído reservatório da Verónica (1862). O Museu do Fado está actualmente instalado sobre a cisterna, a qual pode ser visitada.

Alfama
Alfama

Essas águas com temperaturas que nalguns casos se situam acima dos 20°C, e que chegaram mesmo a ser classificadas, em finais do século XIX, como águas minero-medicinais, foram exploradas pelo menos desde o século XVII como banhos públicos ou alcaçarias, que se mantiveram em actividade até às primeiras décadas do século XX.

Na sequência de obras, foi posta a descoberto a nascente do antigo Tanque das Lavadeiras de Alfama. As pretensas propriedades curativas dessas águas granjearam fama à nascente, designada Fonte das Ratas, a qual atingiu o pico de afluência no início dos anos 60 do século XX, imediatamente antes do seu encerramento por contaminação.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here