Início História Quem está sepultado no Panteão Nacional?

Quem está sepultado no Panteão Nacional?

Quem está sepultado no Panteão Nacional? Desde escritores a políticos, desde futebolistas a músicos e poetas. Descubra os maiores de Portugal.

60118
0
Panteão Nacional
Panteão Nacional

Foi fundado no século XVI, mas foi reconstruído em 1681 – obras que duraram trezentos anos a serem concluídas. Antiga igreja de Santa Engrácia, faz parte da paisagem de Lisboa com vista para o Tejo e a cidade, na actual freguesia de São Vicente de Fora.

Panteão Nacional – Joe Price

Desde 1966 que, além de lugar de culto e de arquitectura portuguesa, é também o último repouso das figuras que mais se destacaram na História portuguesa, desde políticos a artistas que contribuíram para levar o nome de Portugal além fronteira – foi nesse ano que foi elevado a Panteão Nacional.

Panteão Nacional
Panteão Nacional

O nome mais recente a juntar-se às figuras ilustres é o do jogador de futebol Eusébio da Silva Ferreira, que faleceu em Janeiro de 2014. Um ano depois da sua morte, o Parlamento aprovou por unanimidade a transladação do corpo para o Panteão. Nesta galeria pode ficar a conhecer a quem se junta um dos mais conhecidos atletas portugueses.

1. Almeida Garret

Foi um dos escritores  e dramaturgos portugueses mais importantes do século XIX e um dos maiores impulsionadores do teatro nacional. A construção Teatro Nacional de D. Maria II foi uma sugestão sua. Nascido no Porto, faleceu em 1854 já na cidade de Lisboa.

2. João de Deus

Poeta e pedagogo, escreveu a Cartilha Maternal em 1876, pela qual ficou conhecido. Colaborou em vários jornais e revistas e publicou vários poetas em nome próprio. Natural do Algarve, faleceu em 1896.

3. Manuel de Arriaga

Manuel de Arriaga foi o primeiro Presidente eleito da República Portuguesa, entre 1911 e 1915. Antes disso, já tinha sido figura proeminente na revolução republicana em Portugal. Acabou por falecer em 1917, amargurado por não ter evitado a demissão do seu Governo.

4. Sidónio Pais

Professor universitário e militar, Sidónio Pais foi eleito Presidente da República em 1918. Anteriormente, já tinha sido Ministro das Finanças, Ministro de Portugal em Berlim e um grande contestatário do Governo da altura. Foi no seu mandato que o sufrágio universal foi decretado. Faleceu em 1918.

5. Guerra Junqueiro

Influenciado por escritores como Vítor Hugo e Voltaire, é uma das figuras da literatura lírica e satírica portuguesa. Chegou a ser Ministro de Portugal na Suiça, mas foi na escrita que ficou conhecido. Faleceu em 1923.

6. Teófilo Braga

Sucedeu a Manuel de Arriaga como Presidente da República e foi também uma figura importante no republicanismo português. A partir do final de 1918 dedicou-se à escrita, tendo publicado vários trabalhos em que falava da origem das tradições portuguesas. Faleceu em 1924.

7. Óscar Carmona

Foi um membros do movimento militar de 28 de maio, que culminou no derrubar da I República, se bem que nunca teve nenhuma ligação partidária. Em 1928 é eleito Presidente da República, cargo que manteve até à sua morte, em 1951 – é o Presidente que mais anos esteve no poder.

8. Aquilino Ribeiro

Faleceu em 1963, mas só em 2007 o seu corpo foi transladado para o Panteão Nacional. É um dos grandes escritores portugueses e o primeiro presidente da Associação Portuguesa de Escritores.

9. Humberto Delgado

Foi apelidado de General Sem Medo e assumiu publicamente que, caso fosse eleito chefe de Governo em 1958, demitira António de Oliveira Salazar. Protagonizou uma aguerrida campanha política contra o então Primeiro Ministro, acabando por perder. Foi assassinado pela PIDE em 1965.

10. Amália Rodrigues

Ainda hoje é considerada uma das maiores e mais importantes fadistas portuguesas. Actuou um pouco por todo o mundo e levou o Fado aos quatro cantos da Terra. Participou também em peças de teatro e alguns filmes, escreveu as suas letras e foi alvo de várias homenagens. Faleceu em 1999 e desde 2001 que o seu corpo repousa no Panteão Nacional.

11. Sophia de Mello Breyner Andresen

Poetisa, foi a primeira portuguesa a vencer o Prémio Rainha Sofia de Poesia Ibero-Americana, o que levou a que o seu espólio fosse editado em castelhano. Escreveu contos, poemas, histórias infantis e foi figura marcante no panorama literário português. Foi também a mais recente personalidade a ser transladada para o Panteão Nacional, em 2014, 10 anos depois do seu falecimento.

NOTA:

No Panteão, encontram-se ainda cenotáfios — arcas tumulares de homenagem sem corpo – evocando as figuras de Luís de Camões, do infante D. Henrique, de D. Afonso de Albuquerque, Vasco da Gama e Pedro Álvares Cabral.

Mais artigos

Lisboa, menina e moça

  Segundo a lenda, Lisboa foi originalmente construída sobre sete colinas e estende-se ao longo do rio Tejo numa paisagem ondulada repleta de edifícios Arte...

Mais recentes

Os 16 melhores locais para visitar na Turquia

  Com suas praias de tirar o fôlego, uma gastronomia riquíssima e uma história milenar repleta de influências de outras culturas e com uma mistura...

REDES SOCIAIS

181,249FãsCurtir
275SeguidoresSeguir
759SeguidoresSeguir

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here