Início Viagens Peneda Gerês: 8 fantásticas cascatas e lagoas naturais para descobrir neste Verão

Peneda Gerês: 8 fantásticas cascatas e lagoas naturais para descobrir neste Verão

É um dos últimos santuários naturais de Portugal e destino de eleição para as férias dos portugueses. Descubra 8 lagoas e cascatas naturais no Gerês.

0
Cascata Fecha de Barjas
Cascata Fecha de Barjas

O Parque Nacional da Peneda Gerês é um dos últimos santuários naturais de Portugal. Situado bem a norte do país, já na fronteira com Espanha, é um cenário agreste mas paradisíaco, onde a população convive lado a lado com a natureza, mantendo hábitos de vida ancestrais que contribuem para a preservação do meio ambiente. O Parque Nacional da Peneda Gerês compreende 4 serras: Peneda, Gerês, Amarela e Soajo. É por entre os vales e montes destas serras que pode encontrar pequenos e deslumbrantes locais onde passar uns dias agradáveis nos dias mais quentes.

Falamos de cascatas e lagoas naturais, algumas quase secretas, conhecidas apenas pelos habitantes e por alguns aventureiros. A Peneda Gerês é ainda um óptimo local para praticar montanhismo, aproveitando os vários percursos pedestres oficiais que atravessam o parque. Após uma boa caminhada nesses percursos, refresque-se nestas cascatas e lagoas naturais e recupere as suas energias!

 

1. Cascata de Leonte

A Cascata de Leonte é uma queda de água (cascata) localizada nas proximidades de Caldas do Gerês, freguesia de Vilar da Veiga, concelho de Terras de Bouro e distrito de Braga, em portuguesa. Esta queda de água encontra-se localizada a 2 km da Portela do Homem junto à ponte e as suas águas provêm do ainda incipiente rio Homem dentro do Parque Nacional da Peneda-Gerês.

Cascata de Leonte

Forma-se com o despenhar das águas do alto de uma penedia de rocha granítica. Depois da queda as águas dão forma a uma serena lagoa bastante utilizada nas épocas de veraneio. Para se chegar a esta cascata é preciso chegar até ao local da Portela do Homem, sendo que o caminho a partir daqui se encontra assinalado.

 

2. Cascata de Fecha de Barjas

As Cascatas de Fecha de Barjas, por vezes designadas Cascatas do Taiti (designação errada) são uma queda de água(cascata) localizada nas Caldas do Gerês, freguesia de Vilar da Veiga, concelho de Terras de Bouro e distrito de Braga, em Portugal.

Cascata de Fecha de Barjas

É uma cascata de alta montanha cujas águas são provenientes do Rio Arado e onde só se pode chegar por caminhos pedestres dada a grande dificuldades de acesso ao local visto os caminhos serem muito sinuosos e agrestes. Esta queda de água termina numa calma e serena lagoa com margens de areia e águas cristalinas que representa um refúgio para o difícil caminho.

 

3. Cascata do Arado

A Cascata do Arado é uma queda de água (cascata) fluvial localizada no Rio Arado, perto da aldeia da Ermida, freguesia de Vilar da Veiga, concelho de Terras de Bouro e distrito de Braga, em Portugal.

Cascata do Arado
Cascata do Arado – Carina Gomes

Esta cascata caracteriza-se por se localizar num curso de água de alta montanha, no rio Arado em que o desnível do terreno é vencido por uma sucessão de cascatas que terminam num lago de águas cristalinas nas proximidades da aldeia da Ermida, localizada a leste das Termas do Gerês. O caminho para esta cascata faz-se a partir da aldeia da Ermida, por uma estrada florestal rodeada de vegetação abundante até ao cruzamento desta com o entroncamento que vai para o sítio de Pedra Bela. A partir deste local falta cerca de 1,5 km até à ponte sobre o rio Arado.

 

4. Cascata de Pitões das Júnias

A Cascata de Pitões das Júnias é uma queda de água (cascata) localizada quase no fim da aldeia e freguesia de Pitões das Júnias, concelho de Montalegre, Distrito de Vila Real, em Portugal. As águas desta cascata são provenientes das águas do ribeiro de Pitões que devido aos desníveis do terreno se desenvolve por vários patamares, sendo que o primeiro tem cerca de 30 metros de altura e desagua num lago delimitado por afloramentos graníticos.

Cascata de Pitões das Júnias
Cascata de Pitões das Júnias

Esta cascata é uma das muitas cascatas da região do Barroso e vai animar vários rios que nascem na Serra do Gerês. Nas proximidades desta cascata existe uma ponte de madeira e também um carvalho centenário, que ao longo dos séculos tem sido alvo de várias lendas locais, como a de um duende aí viver.

 

5. Cascata da Peneda

A Cascata da Peneda é uma queda de água (cascata) que se localiza na Serra da Peneda, Parque Nacional da Peneda-Gerês, freguesia de Gavieira, concelho de Arcos de Valdevez e distrito de Viana do Castelo, em Portugal. Esta cascata é visível de grande distância devido à espuma branca que as suas águas fazem na queda. De longe parece apenas um pequeno fio de água que desliza serenamente sobre as rochas do Parque Nacional da Peneda-Gerês, mas nas proximidades da cascata é possível ver-se todo o seu esplendor: a ribeira corre com fúria e envolta em grande ruído, apresentado a queda-de-água um desnível de 30 metros de altura.

Cascata e Santuário da Peneda
Cascata e Santuário da Peneda – António Cunha

As águas da cascata caem precisamente nas traseiras dos antigos dormitórios dos peregrinos do Santuário de Nossa Senhora da Peneda (reconvertidos desde 2005 num hotel), passam por baixo do edifício e do largo fronteiro, indo juntar-se ao rio da Peneda que corre ali perto. Rezam as lendas que envolvem o Santuário de Nossa Senhora da Peneda que é Nossa Senhora da Peneda quem olha por estas cascatas e por todo este mágico espaço inserido no cerne do Alto Minho.

 

6. Poço Azul

Afluente do rio Vouga, a ribeira da Landeira é a responsável por banhar este poço com as suas águas de transparência sem igual e puras dando um toque azulado ao poço. Apesar de a água ali se encontrar fria é impossível resistir a um mergulho nesta paisagem. A água corre pelas rochas graníticas que há mais de mil anos são erodidas por esta. A queda de água forma o local ideal para os seus mergulhos uma vez que se parece com uma piscina. Pode ainda observar o melro-d’água que se alimenta dos macroinvertebrados que ali se encontram.

Poço Azul

Apesar de ser bastante procurado, o Poço Azul ainda é uma das pérolas do Gerês devido ao seu acesso. Só através de trilhos é que se lá chega e são aproximadamente 8 quilómetros para cada lado. Nem todos o chegam a encontrar mas quem consegue depara-se com um cenário de paz e silêncio. Os amantes da natureza podem passar um dia em harmonia contando com o apoio de um parque de merendas e vários bancos.

 

7. Cascata de Pincães

Na localidade de Pincães, situa-se a cinematográfica Cascata de Pincães. A partir do estacionamento do largo da vila, o percurso é feito por uma trilha de aproximadamente 15 minutos de caminhada (esforço físico médio).

Cascata de Pincães
Cascata de Pincães

Nos meses de primavera/verão, a incidência de luz solar nesta cascata tem seu melhor horário entre as 11:00 e as 13:00 – momento ideal para banhos e fotografias sem a interferências de sombras. A queda de água e o poço raso e cristalino da Cascata de Pincães, é um dos cartões-postais mais bonitos do Gerês. Imperdível!

 

8. Cascata de Cela Cavalos

Cascata formidável onde os peixinhos nos vêm morder as pernas e onde a paz abunda. De fácil acesso basta que cheguemos à aldeia de Cela (localizada a poucos Kms da Paradela), atravessa-se a aldeia e estaciona-se junto da capela, sítio de onde se tem uma vista única sobra o vale e rio.

Cascata de Cela Cavalos
Cascata de Cela Cavalos (António Cunha)

É daí, que começa a melhor parte, mochila às costas e anda-se cerca de meia hora, quase sempre a descer e com uma vista fantástica até que se começa a ouvir o som de água. Anda-se mais um pouco até atravessar uma ponte que repousa à sombra de uma grande árvore… assim que a ponte é atravessada, basta que passemos as árvores do nosso lado direito e damos de frente com a beleza e a imponência desta bela cascata que nos reserva muito agradáveis surpresas assim que a começamos a subir.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here