Início Viagens Loriga: a vila que tem orgulho em ser a Suiça portuguesa

Loriga: a vila que tem orgulho em ser a Suiça portuguesa

É conhecida como a Suiça Portuguesa por causa da sua paisagem e os seus habitantes têm fama de hospitaleiros e acolhedores. Descubra a vila de Loriga.

14325
4
Loriga
Loriga - Rui Videira

 

Uma estrada serpenteante e magnifica para o turismo, bem lançada em audaciosas curvas pelas encostas da serra onde a engenharia moderna pôs todos os seus recursos, leva‐o a Loriga onde ao chegar contemplará embevecido o casario branco para, de imediato, lhe dar a impressão de que assenta sobre um trono onde a Natureza parece ser soberana num verdadeiro reino de esplendor. Estes montes que a circundam e lhe ornam a fronte, oferecem aos visitantes surpreendentes paisagens, ao mesmo tempo o abismando na miragem dos cerros íngremes, cortados a pique, ou na ondulação caprichosa de vales e montes, onde a água cristalina brota e desliza, como cantando numa rumorejante melancolia por todo o lado e, as suas ribeiras, de braços abertos essas águas recebem para oferecerem aos rios e estes as levarem ao mar.

Loriga

Loriga é uma das terras serranas mais formosas, bem digna da visita dos turistas, onde, entre os mais diversos predicados naturais e artísticos, decerto encontrará também o descanso e a paz de que necessita. A gente desta Vila é hospitaleira, simpática e, acima de tudo, amiga desse seu torrão. A evidenciá‐lo, encontram‐se dispersos pelas ruas da vila marcos fontanários e outras recordações que atestam bem o vincado amor desse seu povo à terra natal.

Loriga
Loriga

Loriga é, pois, como uma noiva revestida de encantos. Ataviada com as suas melhores galas, rainha destas gigantescas montanhas que a circundam tem, como diadema, uma coroa que se eleva quase a arranhar os céus, como que sorrindo ao abrir seus braços e parecendo dizer para os seus filhos espalhados pelo mundo:

‐ Sede Benvindos!…

Loriga parece saber da saudade que esses seus filhos albergam em seus corações e não é demais, uma vez cada ano, senti‐los à sua volta, viver com eles dias felizes, sentir os seus anseios, e depois, repartir sua bênção aos que partem e aos que ficam. Mas não é só aos seus filhos que quer acarinhar, é também aos povos vizinhos e amigos, forasteiros e turistas, que ela deseja receber no mesmo abraço de saudade e amizade. Nesta beleza de socalcos verdejantes, lindos de verdade que mais parece um trono à Virgem, encontrará o visitante este panorama que o fará exclamar:

‐ Belo!… Sim belo!..

…ficando para sempre gravado na retina do seu olhar, para não mais se apagar. Visite Loriga e decerto vai gostar dela como nós. E, na hora da partida, esta Vila se exultará de comoção e lhe dirá:

‐ Eu vos saúdo, hoje, amanhã e depois.

Se pretender passar umas férias de verdadeiro descanso, principalmente para aqueles que vivem e trabalham na buliçosa vida citadina pois, segundo alguns as cidades cansam e envelhecem, parece nada haver melhor do que passar esses dias numa vila ou aldeia serrana, onde decerto encontrará a paz e a tranquilidade que tanto necessita para, ao mesmo tempo, rejuvenescer do desgaste que possa ter após um ano de trabalho.

Loriga
Loriga

Ao escolher Loriga, situada nas faldas da Serra da Estrela, irá encontrar uma localidade virada para o futuro, com todas as infra‐estruturas necessárias, situada no meio de altos montes como que a protegendo de supostas forças descomunais, onde a vida decorre como acalmia e onde nada parecer acontecer. Percorrendo estradas serpenteadas que o levam a Loriga, à medida que dela se vai aproximando, poderá admirar a abrupta fisionomia das montanhas ornamentadas com alguma vegetação que escolheram a vida martirizante das grandes altitudes para, de imediato, lhe dar a sensação que começa a viver já de perto com as maravilhas que Deus criou na terra.

Loriga
Loriga

Quando ao virar uma das muitas encosta que teve de encontrar, vislumbrará a Vila de Loriga, assente num pequeno planalto, como que um trono à Virgem, abraçado por duas ribeiras de onde saem uma quantidade imensa de courelas parecendo degraus verdejantes que sobem até à localidade propriamente dita para, nesse momento, um bem estar lhe começar a percorrer o corpo, como que a dizer‐lhe, que para passar as suas férias escolheu o local certo.

Loriga
Loriga

Faça por conhecer a Vila, passeando pelas suas ruas todas elas pavimentadas a granito e que, apesar de estreitas, são típicas, limpas e verdadeiramente acolhedoras, e será certo que ficará fascinado com a abundância das águas límpidas e frescas que caem nas fontes e que correm pelos regos das ruas que, vindo do alto da serra, passam primeiro pela povoação para a refrescar, para voltarem às ribeiras e delas aos rios que as levam para o mar.

 

História de Loriga

Loriga é uma vila e freguesia portuguesa do concelho de Seia, distrito da Guarda. É conhecida como a “Suíça Portuguesa” devido à sua extraordinária paisagem e localização geográfica. Rodeada por montanhas, das quais se destacam a Penha dos Abutres (1828m de altitude) e a Penha do Gato (1771m), é abraçada por dois cursos de água: a Ribeira de Loriga ou “Courelas ou “Nave”, e a Ribeira de S.Bento. A Ribeira de Loriga, é um dos maiores afluentes do Rio Alva.

Loriga
Loriga

Os socalcos e sua complexa rede de irrigação são um dos grandes ex-libris de Loriga, uma obra construída ao longo de centenas de anos e que transformou um vale rochoso num vale fértil. É uma obra que ainda hoje marca a paisagem, fazendo parte do património histórico da vila e é demonstrativa do génio dos seus habitantes.

Loriga
Loriga

Crê-se que o nome veio da localização estratégica da povoação, do seu protagonismo e dos seus habitantes nos montes Hermínios (actual Serra da Estrela) na resistência lusitana, o que levou os romanos a porem-lhe o nome de Lorica, designação geral para couraça guerreira romana; deste nome derivou Loriga, designação iniciada pelos Visigodos, que tem o mesmo significado.

Loriga
Loriga

Loriga tinha a categoria de sede de concelho desde o século XII, tendo recebido forais em 1136 (João Rhânia, senhorio das Terras de Loriga durante cerca de duas décadas, no reinado de D. Afonso Henriques), 1249 (D. Afonso III), 1474 (D. Afonso V) e 1514 (D. Manuel I). Apoiou os Miguelistas contra os Liberais na guerra civil portuguesa. Deixou de ser sede de concelho em 1855 após a aplicação do plano de ordenação territorial levada a cabo durante o século XIX, curiosamente o mesmo plano que deu origem aos Distritos.

Loriga
Loriga

O sismo de 1755 provocou enormes estragos na vila, tendo arruinado também a residência paroquial e aberto algumas fendas nas robustas e espessas paredes do edifício da Câmara Municipal construído no século XIII. Um emissário do Marquês de Pombal esteve em Loriga a avaliar os estragos mas, ao contrário do que aconteceu com a Covilhã (outra localidade serrana muito afectada), não chegou do governo de Lisboa qualquer auxílio.

Fonte parcial: feelingportugal.com

 

4 COMENTÁRIOS

  1. […] Loriga é conhecida como a “Suíça Portuguesa” devido à sua extraordinária paisagem e localização geográfica. Rodeada por montanhas, das quais se destacam a Penha dos Abutres (1828m de altitude) e a Penha do Gato (1771m), é abraçada por dois cursos de água: a Ribeira de Loriga ou “Courelas ou “Nave”, e a Ribeira de S. Bento. A Ribeira de Loriga, é um dos maiores afluentes do Rio Alva. […]

  2. Obrigado por divulgarem a minha muito querida terra natal e extratos da minha pesquisa e da minha obra sobre a história de Loriga. Bem ajam!

  3. Obrigado por divulgarem a minha muito querida terra natal e extratos da minha pesquisa e da minha obra sobre a história da vila de Loriga. Bem ajam e um grande abraço!

  4. Obrigado por divulgarem a minha muito querida terra natal e extratos da minha pesquisa e da minha obra sobre a história da vila de Loriga. Bem hajam e um grande abraço!
    Este sou mesmo eu. – Nota para quem usa inúmeros pseudónimos, muitos para a coleção, que inclusive também usam o meu nome, e que têm o hábito de andarem a fazer asneiras na Wikipédia:
    Parem de fazer vandalismo e os vândalos são os que, com motivos mesquinhos e nada nobres, insistem em colocar erros e mentiras de forma deliberada, e fazem tudo para impedir que outros os corrijam. Hipocritamente, dizem que os dados históricos que eu coloquei no artigo sobre Loriga que criei na Wikipedia, e que continuam disponíveis também em inúmeros outros sites, incluíndo este, não fui eu que os pesquisei e dizem que tenho baixas habilitações…
    Acerca da pesquisa já desafiei os vândalos e quem estes promovem de forma ilegítima, e que há muito tempo têm essa conversa da treta, a provarem a origem dos dados históricos que estão no artigo na Wikipédia. Esse desafio já foi lançado há anos e até agora nada, obviamente todos podem esperar sentados porque só quem fez a pesquisa é que pode dizer onde obteve os dados. Também não deixa de ser hilariante e contraditório que alguns dos vândalos e quem eles apoiam, coloquem em causa esses mesmos dados históricos ao mesmo tempo que afirmam terem sido pesquisados por outros e não por mim. Decidam-se de uma vez por todas, se os dados são credíveis e a pesquisa não é minha quem a fez revele as fontes dos dados históricos, ou então se não são credíveis apaguem-nos. Deixem de fazer figuras tristes, deixem de prejudicar a imagem de Loriga e dos loriguenses, e quanto a baixas habilitações, e não falo apenas no sentido literário, há muito que ficou patente quem as tem.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here