Início História Kristang: 500 anos depois ainda se fala português e se dança o...

Kristang: 500 anos depois ainda se fala português e se dança o Vira na Malásia

Na distante Malásia, há um povo descendente dos portugueses, os Kristang, que teimam em manter vivas as suas raízes. Descubra a sua história.

10007
2
PARTILHE
kristang
kristang

Kristang: 500 anos depois ainda se fala português e se dança o Vira na Malásia

Os portugueses chegaram há quinhentos anos a Malaca. A diáspora lusitana subsiste, com inusitado fulgor e entusiasmo, num pequeno bairro piscatório malaio, onde se luta pela manutenção da cultura portuguesa. Hoje e sempre.

Malaca

Em Malaca (Melaka, i.e., “O Estado Histórico”), o terceiro mais pequeno Estado da Malásia, existe um povo conhecido por Kristang (“cristão”), que descende dos portugueses e que sobrevive desde o século XVI como uma pequena comunidade de cerca de 5000 pessoas.

idiomas de origem portuguesa
Malaca

Uma sensação estranha apodera-se de quem acabara de percorrer meio globo para tomar o pulso a este coração lusitano, encravado num corpo muçulmano. Os últimos raios da época seca são coados por uma névoa persistente, a cidade espraia-se plana, convergindo para o afamado estreito de Malaca.

Portugueses de Malaca

Na linha do horizonte, várias dezenas de navios sulcam as fronteiras dos gigantes Pacífico e Índico mas nem um deles se abeira do porto já cadáver, outrora atulhado de esplendor, agora singelo abrigo de pequenos barcos pesqueiros dos descendentes dos navegadores lusos.

Bairro Português de Malaca

A história é antiga: Malaca foi conquistada há exactamente quinhentos anos por Afonso de Albuquerque, em 1511, e administrada por Portugal durante 130 anos, até à chegada dos holandeses, em 1641. Nessa altura, a comunidade portuguesa refugiou-se na selva, em lugares inacessíveis, fugindo da perseguição religiosa imposta pelos holandeses.

Portugueses de Malaca

Por lá sobreviveram até à chegada dos ingleses, que se assenhorearam do comércio, em 1805. Os britânicos viram na comunidade portuguesa, que dominava a língua e estava inserida nos costumes locais, uma boa forma de ligação com os autóctones, levando a comunidade a sair da clandestinidade.

Crianças portuguesas de Malaca

A numerosa colónia luso-descendente não abdicou da identidade cultural. Meio milénio após a chegada lusa e 370 anos após a sua partida, todos continuam a afirmar-se, orgulhosamente, portugueses, sem nunca terem pisado solo nacional. A cultura popular portuguesa transmite-se de pais para filhos, por via oral. Contam-se histórias, ensinam-se costumes e tradições, transmite-se «o portugis antigo», que falavam os primeiros colonos, corrompido por séculos de transmissão oral sem um único registo escrito ou resquício de ensino oficial.

O fado é cantado e o Vira do Minho bailado por gente jovem. Talvez com mais emoção e com um outro sentir.

Ao calcorrear aquelas ruas de casas regularmente baixas, com um pequeno jardim defronte, quase poderíamos deixar-nos enganar pelos chinelos à porta, costume bem malaio. Mas, à entrada, lá estão as imagens religiosas, cruzes e crucifixos, pequenos altares, símbolos de uma religiosidade fervorosa que para aquela comunidade não se distingue do ser português, e é o que os diferencia numa Malásia sobretudo muçulmana, mas também hindu e budista.

Bairro Português de Malaca

O bairro português de Malaca é uma torre de babel lusitana, com descendentes directos dos navegadores, escravos, portugueses de Goa, de África do Sul, de Macau ou de Moçambique. De mercenários.

Crianças portuguesas de Malaca

Nos anos 1960, o bairro assistiu a uma considerável expansão, com mais famílias portuguesas a optarem por assentar e a desenvolverem o Kampumg Portugis. Foram ficando e casando entre a comunidade.

Malaca

A garantia de que se manterá português é dada pelo próprio governo malaio que legislou nesse sentido: as casas apenas podem ser vendidas a famílias portuguesas, pelo que a toponímia não mudará. Recebe-nos a rua principal – D’Albuquerque. Depois, Sequeira, Teixeira, Aranjo, Eredia, até que descobrimos um escritor: Emmanuel Godinho Eredia, de quem foi publicada, em 1615, uma história de Malaca.

Crianças portuguesas de Malaca

De toda uma nação sem fronteiras mas unida por uma identidade muito própria. Todos diferentes, mas todos iguais num sentir que comove. A derradeira nostalgia está confinada a um bairro, de ruas simétricas, derradeiro baluarte de uma férrea vontade de preservar um legado, simultaneamente poderoso e frágil: a Comunidade Portuguesa de Malaca.

Malaca

O apelo chega, pois, com desassossego. Os falantes do kristang (cristão-português] – a última variedade de crioulo português dotada de vitalidade no Sudeste Asiático – estão a diminuir até que um dia a voz emudecerá.

Para sempre, porque o som do «papiá kristang di Malaca» é um som de saudade.

Poema de Malaca

Keng teng fortuna ficah na Malaka,
Nang kereh partih bai otru tera.
Pra ki tudu jenti teng amizadi,
Kontu partih logo ficah saudadi.
Ó Malaka, tera di San Francisku,
Nten otru tera ki yo kereh.
Ó Malaka undi teng sempri fresku,
Yo kereh ficah atih moreh.

Tradução em português:

Quem tem fortuna fica em Malaca,
Não quer partir para outra terra.
Por aqui toda a gente tem amizade,
Quando partir logo fica a saudade.
Ó Malaca, terra de São Francisco,
Não há outra terra que eu quero.
Ó Malaca, onde tem sempre ar fresco,
Eu quero ficar até morrer.

Mais artigos

Portugal: 24 aldeias que deve visitar pelo menos 1 vez na...

Portugal: 24 aldeias que deve visitar pelo menos 1 vez na vida Não são uma, nem duas, nem dez... São 24 aldeias para visitar em...

Mais recentes

As 8 praias mais bonitas de Portimão

As 8 praias mais bonitas de Portimão Areias finas e brancas, águas cristalinas e 300 dias de Sol por ano. Quer melhores motivos para visitar as...

REDES SOCIAIS

138,999FãsGostar
223SeguidoresSeguir
621SeguidoresSeguir

2 Comentários

  1. O Português foi a 1ª Lingua Global do Mundo nos séculos 16 e principios do 17 (XVI e XVII). Quando os holandeses mais tarde chegaram ao Oriente tiveram que aprender português para poderem comunicar com outros povos que já tinham sido visitados pelos portugueses. Mais tarde o Espanhol passou a Lingua Global tendo sido substituído pelo Francês depois da Revolução Francesa em 1789. Mais recentemente o Inglês passou a ser a Lingua Global principal.

Deixe seu Comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here