Início História Pátio do carrasco: o local onde morava o habitante mais odiado de...

Pátio do carrasco: o local onde morava o habitante mais odiado de Lisboa

Aqui viveu e morreu o último carrasco de Portugal mas a sua história pode ser diferente da que conhecíamos. Descubra o Pátio do Carrasco, em plena Lisboa.

3114
2
PARTILHE
Pátio do carrasco
Pátio do carrasco

Pátio do carrasco: o local onde morava o habitante mais odiado de Lisboa

Em Lisboa, e imediatamente à frente do Largo do Limoeiro, junto à antiga Cadeia encontramos o Pátio do Carrasco, estranhamente funesto e degradado. Por aqui terá vivido temporariamente Luís António Alves dos Santos (1806–1873), «o Negro», marcado pela casualidade histórica de ter sido o último carrasco de Portugal.

Pátio do carrasco
Pátio do carrasco

Dizem que haveria ali um túnel subterrâneo por onde Luís caminhava até à prisão do Limoeiro, mesmo ao lado. No local onde estaria essa passagem, ainda hoje se ouvem gritos.

Os moradores pensam que são do próprio Luís, atormentado pelas mortes que causou e que fizeram dele «o último carrasco de Portugal», com um salário de 4.100 réis e direito a referência num livro de Camilo Castelo Branco.

Pátio do carrasco
Pátio do carrasco

Mas é aqui que a história se torna difícil de entender: é possível que Luís Alves nunca tenha executado ninguém. Da única vez que foi encarregue de o fazer, em Tavira, deu ao seu imediato o dinheiro que tinha consigo, para que o substituísse. Como na época os carrascos usavam capuz, era possível trocarem de lugar sem que ninguém se apercebesse.

Nascido na aldeia de Capeludos de Aguiar, concelho de Vila Pouca de Aguiar, Luís Negro protagoniza uma vida atribulada, cheia de equívocos e ódios que a própria História tarda em explicar. Arriscar na construção de alguns fragmentos sócio-biográficos é a tarefa a que nos propusemos.

Pátio do carrasco
Pátio do carrasco

Nado numa geração necessariamente ligada à terra, onde nunca se conhecera um delinquente, o jovem Luís nunca imaginaria um destino tão agonizante para a sua alma. Paradoxalmente, foi bem cedo que entrou por caminhos sinuosos, feitos de armadilhas e falácias, que o conduziram inevitavelmente à negritude. Adjectivo que, aliás, fará dele uma referência para a história de Portugal.

Aos dez anos inaugura o rol de peripécias numa fuga para Lisboa, vende laranjas para sobreviver, mas ao fim de alguns meses volta com saudades dos seus. Neste curto espaço os pais vão da consternação à alegria do regresso do filho pródigo.

Pátio do carrasco
Pátio do carrasco

Curiosamente, LN quando tinha que enforcar, pagava a quem substituísse! “As minha mãos estão puras, tenho-as immaculadas da forca…” Cobarde, por não cumprir os seus deveres de funcionário do Magistério Público? Ou humanista por não se degradar ao ponto de executar padecentes já que ele era manifestamente contra a pena capital?

Pátio do carrasco
Pátio do carrasco

Será que Luís grita atormentado pelas mortes que causou na juventude? O carrasco lutou ao lado dos absolutistas, no século XIX, e confessou ter matado dois homens em legítima defesa. Morreu aos 67 anos, com um ataque de asma, já depois da abolição da pena de morte em Portugal.

Mais artigos

massacre de colmeal

História desconhecida de Portugal: o massacre de Colmeal

História desconhecida de Portugal: o massacre de Colmeal O princípio do fim da aldeia do Colmeal, que daria origem à destruição da aldeia, às expulsão...

Mais recentes

Como somos vistos lá fora: Há um povo que não gosta...

Como somos vistos lá fora: Há um povo que não gosta de portugueses Sabe onde fica o Uzbequistão e porque razão os seus habitantes não...

REDES SOCIAIS

155,239FãsGostar
245SeguidoresSeguir
667SeguidoresSeguir

2 Comentários

Deixe seu Comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here