Início História Couto Misto: o país que existiu durante 800 anos entre Portugal e...

Couto Misto: o país que existiu durante 800 anos entre Portugal e Espanha

Embora a grande maioria das pessoas desconheça, existiu um pequeno país durante 800 anos encravado entre Portugal e Espanha. Conheça o Couto Misto.

33
couto misto

Trata-se de um episódio comum à história de Portugal e de Espanha, nomeadamente a nossa vizinha Galiza, que praticamente nenhum português conhece e que merece ser muito mais divulgado. Muito do que se conhece sobre este território raiano. O Couto Misto (Couto Mixto em Galego), suas normas, usos e costumes, provém dos relatórios diplomáticos produzidos à época das negociações do Tratado de Lisboa (1864).

couto misto
Tourém

O Couto Misto foi um microestado independente de facto encravado entre Espanha e Portugal, com existência entre o século X e 1868. Embora se desconheça a origem de sua instituição, ligada desde a Baixa Idade Média ao Castelo da Piconha, posteriormente vinculado à poderosa Casa de Bragança, constituía-se numa pequena área fronteiriça de cerca de 27 km² com organização própria, que não estava ligada nem à Coroa de Portugal e nem à da Espanha.

tourem55
Tourém

Entre os direitos e privilégios deste pequeno território encontravam-se o de asilo para os foragidos da justiça portuguesa ou espanhola, o de não dar soldados nem para um reino nem para o outro, o de isenção de impostos, o de liberdade de comércio (como o sal, objecto de estanco até 1868), a liberdade de cultivos como o do tabaco, e outros.

Até à assinatura e entrada em vigor do Tratado de Lisboa (1864), em 1868, cada habitante do Couto elegia livremente a nacionalidade espanhola ou portuguesa.

Coutomixto4
Couto Misto

A partir do Tratado, os seus domínios passaram para a soberania da Espanha, integrados nos Concelhos de Calvos de Randín (aldeias de Santiago e Rubiás ou Ruivães) e Baltar (aldeia de Meaus ou Meãos). Em contrapartida, passavam para a soberania de Portugal os chamados “povos promíscuos“, até então divididos pela linha da raia, actuais Soutelinho da Raia, Cambedo e Lama de Arcos (Chaves).

Couto_Misto

O território do Couto Misto ainda incluía uma pequena faixa desabitada que hoje integra o município português de Montalegre. Os habitantes do Couto Misto não se encontravam obrigados a uma ou outra nacionalidade, podendo inclinar-se, dependendo de razões geográficas, familiares ou tradicionais, por uma, por outra, ou por nenhuma.

couto1 (1)

O momento em que tradicionalmente se exercia essa opção era no dia das bodas: os que optavam por Portugal bebiam um cálice de vinho pela honra e à saúde do rei português, inscrevendo a letra “P”, de Portugal, à porta do domicílio conjugal; aqueles que optavam pela Espanha, brindavam à honra e saúde do rei espanhol, inscrevendo a letra “G”, de Galiza, em seu domicílio.

Cambedo da Raia – Fernando Ribeiro

A prática foi substituída pela inscrição de outras simbologias, a partir de meados do século XIX, quando as autoridades de ambos os países começaram a questionar os privilégios do Couto.

Concretamente, os seus habitantes não estavam obrigados a utilizar documentos de identidade pessoais, não estando sujeitos aos efeitos jurídicos de uma nacionalidade: eram considerados como “mistos”.

Meaus (1)

Como território independente de facto, os habitantes do Couto Misto detinham vários privilégios, como a isenção de serviço militar e de impostos, e podiam conceder asilo a estrangeiros ou opor-se ao acesso a forças militares estrangeiras.

33 COMENTÁRIOS

  1. Muito interessante esse resgate histórico do “Couto Mixto”. Embora desconhecesse essa história, acredito ter ligações de sangue com essa gente, pois minha bisavó descendia de uma família de sobrenome “do Couto”.

    • Conheço um bocadinho ainda à pouco tempo lá estive com a minha família, mais propriamente em Tourém, adoramos muito.

    • Boa noite Francisco!
      Sim, nós sabemos. A foto foi colocada propositadamente no artigo porque a resolução do problema do couto misto entre Portugal e Espanha implicou a passagem da totalidade da aldeia de Lamadarcos para Portugal, quando outrora, como bem disse, a aldeia era dividida ao meio entre os dois países.
      Muito obrigado pelo seu contributo!

      • Por favor, legendar sempre! Interessantíssimo! Portugal ficou hoje um pouco mais rico na conservação sua Historia! Nem como a Galiza!

  2. Desconhecia por completo esta linda parte da nossa gloriosa história.
    Eu que só leio livros de história, sinto-me um analfabeto ao tomar conhecimento deste rico naco histórico.
    Parabéns ao blogue. Vou já incluí-lo nos meus favoritos !!!

    Ah…e obrigado por ser leitor do Portugal Glorioso.

  3. A Espanha “nasceu” com o casamento de Isabel de Castela com Fernando de Aragão.Como é possível existir um estado com 800 anos entre Portugal e Espanha?????!!!!

    • Dis a historia que a rainha teve um atentado e fugiu para essa terra e ficou ate se estrutura novamente quando volto ao trono deu essa independencia a e nao tributo para ambos os paises

  4. Gostei de saber um pouco mais de história e em especial sobre “Couto Misto”. Um espaço entre Portugal e Espanha.

  5. Bom dia VxMag!

    O face alerta-me para o facto de 374 pessoas gostarem do meu comentário sobre Tourém na vossa excelente e útil Página de divulgação histórica. Gostaria de retribuir com um modesto texto focando o papel de Tourém e outras povoações portuguesas do Barroso durante a Guerra Civil de Espanha, na ajuda solidária a foragidos e guerrilheiros antifranquistas, mas receio que o espaço a utilizar, embora sintetizado, exceda os limites adequados à vossa Página. Que fazer?

    • Boa tarde Manuel!

      Teremos todo o gosto em contar com a sua colaboração. Pode enviar a sua contribuição para o nosso mail: info@vortexmag.net. Não se preocupe com o tamanho do texto. Se for muito grande, nos paginamos e fica mais fácil de ler.

      Muito obrigado!

    • Caro Manuel Granada,

      Interessadíssimo no seu Texto s/ Guerra Civil de Espanha, pergunto: onde o poderei ler na íntegra?
      Agradeço.
      Melhores Cumprimentos
      Arnaldo A R Riosw Vasques (meus antepassados Paternos eram do Couto Mixto)

  6. Estou muito curiosa para ler mais sobre o Couto Mixto afinal minhas origens estão encravadas ai neste paraíso.
    Por favor, preciso encontrar informações sobre a Aldeia de São João de Amorim, a batalha de Nava e o que diz as histórias de que Hilário de Amorim veio para Ponte de Lima e casou-se com a filha de Garcia Lopes Calheiro. Mas ate onde tenho o 1º Garcia começa em 15….e penso que este casamento ocorreu por volta de 1200.

  7. Importantes estudos que foron impresos en livros, foron realizados polo excomisário de polícia espanhola García Mañá. Tambén hai perto de 25 anos a televisión de galicia fixo documentais sobor do Couto Mixto. Uns exemplos de datos é que a quase totalidade do território do couto, foi para Espanha e á populaçao livremente en plebiscito, escolheu a cidadanía portuguesa

  8. Também tenho interesse em saber mais sobre o “Couto Mixto”, minha avó nasceu nessa região e tinha no sobrenome “Do Couto”. Ela contava que ia a pé, vender pão na Espanha. Onde posso obter mais informaçoes a respeito ? Gosto muito das matérias que publicam, obrigado por compartilharem!

  9. Debería estudiarse para valorizar a sua importancia ínter e transfonteiriza, todavía hoxe ríxense por xuices nomeados polos veciños e son rotativos, desde Galicia estanse facendo traballos e estudios ao respecto, incluso hay encontros de traballo e estudio anuais programados, apertas

  10. O Couto Misto não será resquícios do reino de Leão tal como o planalto Mirandês. Qual era a lingua falada nesse pequeno território?
    Para mim a região de Trás-os-Montes tem mais influência leonesa e é onde se fala melhor o português de Portugal.

  11. Sou uma Pìres do Couto, achei muito interessante esta história País Couto Misto , gostaria de saber sobre a familia Pires originaria nesta região

  12. Meus 8.ºs avós,Domingas gonçalves e D.Luis Pereira eram do Lugar de Piconha !!-Isto pelos idos de 1660,mais ou menos…Como eu gostava de saber mais alguma coisa dessa antiga gente!…Infelizmente ,acho impossível,a não ser que…D.Luis Pereira fosse fidalgo,o que não deve ser o caso.

    • Verdade! Depois da divisão em 1864 deu-se a saída de parte dos moradores. Uma outra causa foi o alistamento que a Espanha obrigou por causa da Guerra em Cuba, que intentava ser independente. Abraço.

  13. Os meus antepassados paternos são originários do Couto Mixto (Santiago de Rubiás) de apelido RIOS VASQUES.
    Gostaria de saber sobre a família RIOS VASQUES oriunda da região.

    • Finalmente, consegui descortinar, no Archivo do Obispado de Ourenes, onde já investiguei várias vezes, a origem do meu apelido RIOS VASQUES (DEL RIO VAZQUEZ, assim começou, de DEL RIO + ELISA VAZQUEZ (trisavó materna)).

      Devo parte desta descoberta, que já remonta aos anos 1700, à Antropóloga, Investigadora e Professora Universitária, da FCSH-NOVA, Paula Godinho. Foi minha Professora em Antropologia e mto lhe agradeço. É uma especialista do COUTO MIXTO!

  14. Muito rico. Aprendi mais um pouco sobre minha origem. Vou copiar meus primos para que eles deem conhecimento a seus filhos e netos.

  15. Muitíssimo interessante o artigo abordando essa localidade. Meus bisavós (Barbara e Antônio Augusto Gonçalves, teriam vivido e partido dessa região rumo ao Brasil por volta de 1904.

    O único resquício que me resta acerca da origem/passagem desse ramo de meus familiares, consta manuscrito num velho “bilhete” desbotado onde constam, salvo engano, os termos: “Couto” e “Cavissais da Velha”…

    Um dia ainda atenderei o clamor de meu coração rumo ao contato com minha ancestralidade por essas terras que, amo, admiro e nutro curiosa e intrigante “saudade” ainda que nelas não tenha pisado…

    Saudações e carinho aqui d’um primo “Brasileiro”.

  16. Meu Caro, muito me agradou a sua mensagem. Estive, antes da Pandemia, no Arquivo do Bispado de Ourense tentando achar mais familiares meus. O meu apelido RIOS VASQUES, do lado paterno, tem origem no Couto Mixto. Já consegui ir atrás, até aos anos 1700, descobrir as minhas origens mais ancestrais. Tudo começou com a vinda para Alcanhões (Santarém – Portugal) do meu Bisavõ Constantino Rios Vasques, nascido em Santiago de Rubiás, que aqui casou em meados de 1900. Contocom a ajuda preciosa da Prof. Doutora Paula Godinho, Antropóloga da Univ. Nova de Lisboa, especialista do Couto Mixto. Vá mamdando mais novidades. Abraço Amigo do Arnaldo Rios Vasques.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here