Início Viagens Queiriga: uma gruta secreta com uma lagoa azul em Portugal

Queiriga: uma gruta secreta com uma lagoa azul em Portugal

Já ouviu falar das grutas das minas de Queiriga? Situadas em Vila Nova de Paiva, são um paraíso completamente ainda por descobrir em Portugal. Descubra-o!

28724
0
Minas de Queiriga
Minas de Queiriga (Rodolfo Ferreira)

 

As minas de Queiriga situam-se no concelho de Vila Nova de Paiva e são um autêntico tesouro por descobrir. São desconhecidas pela maioria das pessoas mas, aos poucos, há cada vez mais aventureiros que aqui se deslocam para contemplar as grutas formadas aquando da exploração mineira desta zona. São sobretudo os amantes do Geocaching, uma espécie de jogo de caça ao tesouro, que aqui se deslocam à procura das caixinhas secretas escondidas nestes túneis e, são os praticantes deste jogo que são aos poucos dão a conhecer este pequeno paraíso ao resto das pessoas.

Minas de Queiriga
Minas de Queiriga (Paulo Chaves)

A freguesia de Queiriga é composta pelas povoações de Queiriga, Lousadela, Minas de Lagares e Quinta das Valas. Dista 6 km da sede do Concelho ficando a sul, entre a margem esquerda do rio Paiva e a margem direita do rio Vouga, numa área de 35 km². Na primeira metade do séc. XX manteve intensa actividade mineira. As gerações na diáspora, maioritariamente por terras gaulesas, representam cinco vezes o número da população residente.

Minas de Queiriga
Minas de Queiriga (Paulo Chaves)

As minas da Queiriga, ou minas de Lagares, foram uma exploração mineira com um apogeu na década de 40 chegando a empregar 500 operários, entre os quais várias dezenas de técnicos estrangeiros, principalmente britânicos, que na época era essenciais já que em Portugal escasseava a mão de obra qualificada nesta área.

Minas de Queiriga
Minas de Queiriga (Luís Alves)

Desde então – meados do século passado -, Queiriga sofreu poucas alterações, permanecendo o limite norte da aldeia demarcado pelas casas outrora ocupadas pelos britânicos e actualmente recuperadas pelos locais para habitação permanente. A arquitectura e a disposição de algumas das habitações ainda mantêm as características originais, tais como a caixa-de-ar acessível entre o solo e o rés-do-chão, somente um piso por onde se distribuem todos os compartimentos, duas grandes águas na cobertura e generosos alpendres na fachada principal.

Minas de Queiriga
Minas de Queiriga

Na época, um empreendimento mineiro como este já empregava um bom punhado de pessoas que formavam uma pequena comunidade composta por indivíduos de várias nacionalidades, pois segundo foi referido, eram também contratados técnicos belgas e franceses, especializados em engenharia de minas.

Minas de Queiriga
Minas de Queiriga (Luís Alves)

É neste aspecto, que o papel social desempenhado pelo centro comunitário assume grande relevância. No pequeno edifício onde funcionava o centro, as pessoas encontravam-se nos tempos livres para fruirem do convívio e do nicho cultural que aí se criara, sobretudo devido ao espaço interior que permitia

Minas de Queiriga
Minas de Queiriga (Décio Sousa)

Actualmente desactivadas, estão a ser objecto de um estudo de exploração turística por parte da Câmara de Vila Nova de Paiva e da empresa concessionária. Os principais minérios extraídos eram: a Cassiterite (óxido de estanho) e a Wolframite (volfrâmio). Estas minas são particularmente interessantes pela forma pouco habitual de desmonte da rocha: não sendo a céu aberto, também não são em galerias. O desmonte foi feito criando grandes espaços sustentados por colunas naturais. Além disso, a busca do filão levou a que o desmonte tenha um desnível muito acentuado.

NOTA: um agradecimento muito especial ao Rodolfo Ferreira pela sugestão de artigo e pela foto (mais fotos do Rodolfo aqui: https://500px.com/rodolfoferreira). Outro agradecimento ao Paulo Chaves, autor de 2 das outras fotos (mais fotos do Paulo Chaves aqui: Paulo Chaves Fotografia).

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here