Início Viagens 12 locais de visita obrigatória em Ponte de Lima

12 locais de visita obrigatória em Ponte de Lima

É considerada como sendo a vila mais antiga de Portugal e tem muito para descobrir. Estes são os melhores locais para visitar em Ponte de Lima.

0

9. Centro de Interpretação e Promoção do Vinho Verde

Instalado num imóvel classificado como de Interesse Público – a Casa Torreada dos Barbosa Aranha – em pleno Centro Histórico de Ponte de Lima, o Centro de Interpretação e Promoção do Vinho Verde pretende contribuir para a promoção do Vinho Verde através da investigação e divulgação do seu lastro patrimonial, bem como para o desenvolvimento e afirmação do enoturismo na Região dos Vinhos Verdes.

Centro de Interpretação e Promoção do Vinho Verde

A este espaço está associada uma dinâmica regional, para a qual contribuem vários parceiros, entre os quais a Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes. O edifício dispõe, para além da área de exposição permanente, de uma sala de negócios e de uma sala de provas, contando ainda com serviços de apoio às rotas e itinerários turísticos associados ao vinho.

 

10. Chafariz de Ponte de Lima

A importância da água, mesmo numa região onde a mesma, felizmente, abunda, de que é prova o verde da paisagem que nos caracteriza, sempre foi respeitada e a prová-lo estão os chafarizes, outrora locais de abastecimento e hoje de aformoseamento, bem como as fontes que serviam as populações antes dos sistemas de abastecimento domiciliário de água serem implementados. O Chafariz Nobre do Largo de Camões ficou concluído em 1603, depois de, em 1578, ter sido lançada uma finta (imposto) sobre alguns bens de consumo, nomeadamente o tão precioso sal, cuja receita serviu para erigir aquilo que hoje apreciamos como um monumento.

Chafariz de Ponte de Lima
Chafariz de Ponte de Lima

Foi construído no actual Largo Dr. António Magalhães, na altura uma das principais portas de entrada na muralha da vila, donde foi transferido para o Largo de Camões em 1929. O seu risco renascentista e execução são correntemente atribuídos ao famoso Mestre limiano João Lopes, o Moço. Por ser tão importante a água potável, tem junto uma inscrição onde se lê as coimas sobre o seu conspurco. Se o prevaricador fosse apanhado a primeira vez, passava três dias na cadeia. Se fosse apanhado mais que uma, a pena era em dobro.

 

11. Avenida dos Plátanos

Zona pedestre com plátanos centenários, plantados em 1901, que proporcionam à vila de Ponte de Lima um local preferencial no verão, devido à frescura que a sua sombra proporciona. No outono, o contraste das cores quentes faz com que a sua beleza permaneça e convida a um passeio sobre o belíssimo tapete de folhas caídas, numa paisagem inspiradora de escritores e poetas. Foi alvo de uma obra de requalificação do pavimento, canteiros e mobiliário urbano, que terminou em Junho de 2013.

Avenida dos Plátanos
Avenida dos Plátanos (Luís Valadares)

Namorando o Lethes, os plátanos foram crescendo, livremente, sem que o homem pusesse limites ao seu desenvolvimento e, hoje, esta majestosa constelação vegetal, com o selo de “interesse público” desde 1940, que se espalha por mais de 400 metros de cumprimento — contendo 83 preciosos exemplares, com uma altura superior a 30 metros — apresenta-se a todos nós, ao longo das quatro estações do ano, vestida com as mais esplêndidas e ardentes imagens cénicas, numa sinfonia inaudita de matizes, cambiantes e tonalidades cromáticas, transmitindo-nos um bucolismo místico e onírico.

 

12. Santuário do Senhor do Socorro

O Santuário do Senhor do Socorro, foco de uma afamada romaria, fica situado na freguesia de Labruja, concelho de Ponte de Lima. O recinto do Santuário apresenta-se rodeado por um muro coroado de fogaréus, escadas e escadaria com figuras bíblicas e anjos. O Templo, construído em 1773, tem uma só nave, capela-mor com lanternim e fachada rococó com duas torres. O Santuário possui um conjunto arquitectónico que exprime o gosto cenográfico que no século XVIII caracterizou tal género de edificações.

Santuário do Senhor do Socorro

A data de 1773 inscrita na portada oferece-nos um elemento cronológico a ter em conta, relativo à época principal da construção do templo. Mas as obras continuaram, sem dúvida, por bastantes anos mais sobretudo no exterior do santuário. O amplo adro fronteiro à igreja, murado a toda a volta, apresenta uma entrada de certa ênfase, dominada por larga escadaria precedida de estátuas de anjos tocando trombetas. Varandas de balaústres, animadas por fogaréus, acompanham o lanço dos degraus. E nos muros que ladeiam a escadaria dispõem-se, em linha, estátuas alegóricas de pedra, entremeadas de vasos e fogaréus.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here