Início Viagens 12 locais de visita obrigatória em Ponte de Lima

12 locais de visita obrigatória em Ponte de Lima

É considerada como sendo a vila mais antiga de Portugal e tem muito para descobrir. Estes são os melhores locais para visitar em Ponte de Lima.

0

5. Torre da Cadeia Velha e Torre de São Paulo

Classificadas como Imóveis de Interesse Público, assim como o pano de muralha que as une, a Torre da Cadeia Velha e a Torre de S. Paulo (que também já teve o nome de Torre da Expectação e de Torre do Postigo) são os testemunhos mais notórios do que resta da velha muralha de Ponte de Lima, a qual, para além da estrutura amuralhada, era composta por torres e portas, conjunto edificado no reinado de D. Pedro I, no século XIV.

Torre da Cadeia Velha
Torre da Cadeia Velha (os Rikinhus)

Conforme a epígrafe que documenta a obra, escrita em letra gótica, colocada em destaque junto à Igreja de Santo António da Torre Velha, onde outrora se erguia a Torre Velha, a britagem da pedra começou a 8 de Março e o seu assentamento foi iniciado a 6 de Julho de 1359. A Torre da Cadeia Velha, adaptada a prisão no século XVI (D. Manuel I), alberga actualmente a Loja de Turismo e acolhe exposições temporárias. O visitante mais atento, num passeio pelo casco histórico, não deixará de encontrar vestígios das torres e das muralhas e as marcas respectivas, colocadas no pavimento, a evocar a estrutura monumental desaparecida.

 

6. Lagoas de Bertiandos e São Pedro de Arcos

É sabido que o silêncio total, hoje em dia, é muito difícil de alcançar. Mas quando ele é quebrado, apenas, por um chilrear de uma ave, ou pelo vento que toca nas folhas de árvores, a sensação de paz, é inegavelmente sentida. E é essa sensação que a Área Protegida da Lagoa de Bertiandos e S. Pedro de Arcos, em Ponte de Lima, nos convida a ter. O espaço natural é um santuário de espécies protegidas que o escolhem para habitar ou para residir nos ritmos da hibernação. Por caminhos de terra, pontes em madeira construídas sobre as zonas de água e de terreno húmido, o reencontro entre o homem e a natureza, encontra, em Ponte de Lima, um local de eleição.

Lagoas de Bertiandos

Percorrem-se cenários únicos a pé ou de bicicleta que podem ser requisitadas no centro de interpretação ali existente. No caminho, com um pouco de sorte, poderão ver-se os animais mais tímidos que preferem o anonimato das árvores e das águas, como as lontras ou ainda o pica-pau, que para, além de se esconder, parece brincar com os visitantes com o seu chilrear que mais parece um riso.No posto de recepção pode obter informações sobre as espécies, bem como visitar exposições e trabalhos de crianças de escolas do concelho de Ponte de Lima; pois a sensibilização ambiental é uma das apostas.

 

7. Igreja Matriz de Ponte de Lima

A Igreja Matriz de Ponte de Lima mantém-se fiel ao traço românico do Norte, apesar de ter sido erguida numa altura em que o gótico conhecia larga expansão. A igreja foi terminada em meados do século XV, e, mais tarde, já no reinado de D. Manuel I, foi concluída a sua torre. Esta não foi a primeira matriz de Ponte de Lima, antes funcionava numa Ermida da Irmandade do Espírito Santo.

Igreja Matriz de Ponte de Lima

Com o desenvolvimento da vila limiana, tornou-se necessário construir uma igreja de maiores dimensões. No seu interior, sob um tecto de madeira, mostra numerosas estátuas de diversas épocas, e a capela de Nossa Senhora da Conceição, de estilo manuelino, onde se exibem dois altares barrocos. A abcissa direita está precedida por um arco renascentista de 1589.

 

8. Museu dos Terceiros

O Museu dos Terceiros encontra-se instalado em duas casas religiosas associadas à Ordem Franciscana: o extinto Convento de Santo António dos Capuchos e o edifício da Ordem Terceira de São Francisco. A parte remanescente do convento, fundado em finais do século XV pelo alcaide de Ponte de Lima, D. Leonel de Lima, é formada pela igreja, capela da Senhora da Graça e pela sacristia.

Museu dos Terceiros
Museu dos Terceiros

A igreja conventual apresenta alguns vestígios do período inicial mas recebeu importantes modificações entre os séculos XVII e XIX, sobretudo a nível do recheio. A Igreja da Ordem Terceira, edificada entre 1745-1747, foi recheada nas décadas seguintes com retábulos, púlpitos e sanefas de desenho rococó. Mais tarde, nos inícios do século XIX, foram acrescentados o cadeiral e o órgão de tubos, ambos de feição neoclássica. O museu foi constituído na década de 70 do século XX, com a criação do Instituto Limiano – Museu dos Terceiros. Em 2002 a Autarquia e o referido Instituto celebraram um protocolo para o restauro e gestão conjunta do espaço. Reabriu ao público em 2008, sendo uma referência na arte sacra do norte do país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here