Início História Portugal esquecido: 12 monumentos em ruínas

Portugal esquecido: 12 monumentos em ruínas

Fazem parte da nossa história mas foram abandonados. Porque denunciar o que está mal é importante... Portugal esquecido: 12 monumentos em ruínas.

104187
9
PARTILHE
monumentos em ruínas
Solar dos Malafaias

Portugal esquecido: 12 monumentos em ruínas

Um país que não honra a sua História e o seu passado é um país que esquece os seus antepassados e que não se prepara para o presente e para o futuro. Honrar e preservar os nossos monumentos é valorizar aquilo que já fomos, é perceber aquilo que somos e ter mais capacidade para perceber aquilo que podemos ser. Por todo o país existem monumentos em ruínas que precisam de recuperação urgente. Apesar de ter sido feito algum trabalho nos últimos anos, há ainda muito por recuperar. Descubra 12 monumentos portugueses em ruínas.

Convento de Nossa Senhora do Desterro em Monchique

Fundado em 1631 por Pero da Silva (que posteriormente foi vice-rei da Índia), o Convento de Nossa Senhora do Desterro, de arquitectura Manuelina, encontra-se hoje em Ruínas, rodeado de arvoredo, com um magnífico panorama sobre Monchique, conservando ainda parte do seu grande encanto e beleza. Segundo a lenda, dois navegantes em perigo terão feito uma promessa em pleno mar alto de construírem uma igreja no primeiro lugar da terra de Portugal que avistassem do mar.

Convento de Nossa Senhora do Desterro

A lenda afirma também que o fundador trouxera consigo da Índia uma pequena imagem da Nossa Senhora, em marfim, imagem que, depois da sua morte, os frades veneravam como relíquia, até que, para a salvar do vendaval de 1834, um deles a escondeu debaixo do hábito e foi pedir a uma senhora, que a recolhesse. Em 1632 o Convento foi entregue à Ordem Terceira de S. Francisco, tendo sofrido severas danificações no grande terramoto de 1755. Propriedade da Câmara Municipal de Monchique, tem como projecto a construção de uma unidade hoteleira no Convento, mantendo para tal a sua traça original.

Convento de Monfurado em Montemor-o-Novo

Conhecido como Convento dos Monges ou convento de Nossa Senhora do Castelo das Covas de Monfurado, situa-se na Serra do Monfurado, no concelho de Montemor-o-Novo. Foi fundado no século XVIII, por um grupo de eremitas que se abrigava no “monte furado”. Os abrigos que estes utilizavam eram minas romanas que se localizam nas proximidades do actual monumento.

Convento de Monfurado

Tal como todos os outros conventos masculinos, foi extinto em 1834, tendo passado para as mãos de privados. Ainda hoje mantém ainda grande parte da estrutura conventual original. As casas que o circundam terão sido habitadas até pelo menos aos anos 80 do século XX.

Pavilhões do Parque situados no Parque D. Carlos I nas Caldas da Rainha

Projectados nos finais do século XIX por Rodrigo Berquó para serem o novo hospital D. Carlos I. Berquó queria fazer das Caldas da Rainha uma verdadeira estância termal europeia, contudo, os “pavilhões do parque” não chegaram a cumprir essa função. Durante mais de 100 anos serviram para albergar um quartel militar, uma esquadra da polícia e uma escola secundária.

Parque D. Carlos I

Actualmente estão desactivados e apresentam já alguns vestígios da passagem do tempo. Este complexo edificado, de arquitectura singular, enquadrado pelo Hospital Termal das Caldas da Rainha, o lindíssimo Parque D. Carlos I (jardim romântico construído na mesma altura para apoiar as termas) e a Mata Rainha D. Leonor, é considerado um dos principais ex-libris da cidade.

Quinta e Palacete da Ponte da Pedra em Leça do Balio

Perto da antiga estrada romana que ligava a cidade do Porto (Cale) a Braga (Bracara Augusta) situa-se uma propriedade de campo secular que se estende até à margem do rio Leça, que é atravessado justamente pela velha ponte de pedra medieval de fundação romana mais conhecida por Ponte da Pedra, que daria o nome à quinta. Mesmo que se presuma que a propriedade de campo possa ser muito mais antiga – tal como são muitas quintas existentes nos arredores do Porto – o palacete que a caracteriza data do século XVIII e foi conhecido durante décadas pelos habitantes de Leça de Balio por Palacete Oitocentista.

Palacete da Ponte da Pedra
Palacete da Ponte da Pedra

É certo que mereceu maior atenção durante o século XIX, pois foi ampliado e funcionou como residencial durante essa altura e tornou-se o local predilecto de Camilo Castelo Branco para passar férias no Porto, uma vez que dispunha de praia fluvial e aprazíveis jardins ideais para o repouso ou para a inspiração de um escritor tão dedicado. Também se consta que neste palacete se chegou a instalar o rei D. Miguel durante a guerra que travou com o seu irmão D. Pedro IV. Mais tarde, no início do século XX, a proprietária da Quinta da Ponte da Pedra doou-a ao Estado Português por não possuir herdeiros e o local veio a servir de albergue das pessoas idosas. Essa condição de albergue continuou até à revolução de 25 de Abril de 1974, quando os idosos foram recolhidos no Lar do Monte dos Burgos e o palacete ficou disponível para acomodar famílias retornadas das ex-colónias.

9 Comentários

  1. Very very nice. having lived in Australia all my life it’s nice to see that I have something to look forward to one day.

  2. I wouldl love to buy one of those buildings shoud the Government of Portugal agrees to sell them. I would restore the interior and preserve the exterior! They are all so beutiful! It is a pity to let them continue to ruin to eventually come to inexistence!
    Cheers!

  3. Hello,
    Thank you for featuring such magnificent and antique buildings in Portugal! I am an American of Portuguese descent; I live in Seattle, Washington; I am a fine-artist.
    Is the Convent of Nossa Senhora do Desterro a property of the Portuguese Government or is it a private estate? Can it be sold? Please, if possible, I would appreciate it greatly if one could put me in direct contact with the appropriate party for more information about those 12 historic properties in ruin!
    Sincerely,

  4. Manuela Varela haverá algum americano que esteja interessado em comprar «« A LInha do Tua »»a mais bela ferrovia que eu conheço fica situada no nordeste Transmontano e que está desativada ?

  5. I am a very conservative persone, and I believe no patrimony from no country should be sold to no one.
    This belong to the country, to them people, are them history and them ruts.
    Of course: it brake my heart to see such history abandoned an in ruins.
    It would be wonderful if an invester recovery those building’s for a business as such :
    Sports center, restaurant, hotel, health clinic, retirement home or any other suitable for the area needs..

  6. Sugestão : parem as autarquias de aprovar novas urbanizações, pois há já construção de habitação a mais e lancem um plano de recuperação di território, demolindo o que não tem valor e reedificando o que tem significado para as raízes das comunidades locais.

Deixe seu Comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here