Início Gastronomia Peixes magros: quais são os melhores e os mais saudáveis

Peixes magros: quais são os melhores e os mais saudáveis

São uma das opções mais saudáveis para incluir na sua dieta. Descubra quais são os melhores peixes magros e como cozinhá-los.

0
peixes magros
Bacalhau

O peixe sempre foi reconhecido como um dos alimentos mais saudáveis da natureza. Além de ser versátil, é rico em proteínas e vitaminas e baixo em calorias. É, por isso, uma alternativa saudável a outras fontes de proteína, especialmente a carne vermelha.

Chamamos gorduras de boa qualidade às insaturadas e aos ácidos gordos essenciais ómega 3 e ómega 6, ambos muito presentes no peixe. Os primeiros reduzem o risco de doenças cardiovasculares. Os segundos intervêm na coagulação do sangue e no controlo dos processos inflamatórios.

Os peixes magros são os de mais fácil digestão, mas menos ricos em vitaminas e também em calorias. Apenas armazenam a gordura no fígado.

Apesar de terem um nível inferior de ácidos gordos ómega 3, apenas 200mg conseguem ter um papel anti-inflamatório mais eficaz que o peixe gordo ou as cápsulas de óleo de peixe, o que reforça a importância de outros constituintes presentes nos peixes magros.

Como identificar um bom peixe magro?

Tendo em conta a rápida deterioração do pescado, é necessário observar atentamente o aspecto do peixe:

Odor: A maresia.

Corpo: Firme e brilhante.

Olhos: Salientes, a córnea transparente e a pupila negra e brilhante.

Pele: Brilhante e com as escamas bem agarradas. A cor da pele deve ser viva, homogénea e com alguns reflexos. O muco-camada gelatinosa que cobre a pele, deve ser aquoso e transparente.

Membrana: Adere completamente à carne. Quando o peixe não está próprio para consumo, separa-se da carne.

Guelras: Brilhantes, bastante vermelhas e sem muco. Com a perda da frescura, estas ficarão amarelas e ganham muco.

Quais são os peixes magros?

Bacalhau: peixe de mar de carne branca que se tem de proceder ao dessalgamento. Pode também ser consumido fresco ou fumado.

Badejo: de carne magra, muito fina e branca. Consome-se muitas vezes como se fosse bacalhau fresco.

Carapau: peixe de mar muito frequente na alimentação portuguesa, frito ou grelhado. Quando atinge maiores dimensões, tem o nome de chicharro e a sua carne perde a delicadeza.

Carpa: peixe de rio de carne magra que se presta em inúmeras preparações culinárias.

Corvina: peixe de mar de grandes dimensões. A sua carne é levemente rija e seca. Serve-se sobretudo guisado ou cozido.

Dourada: embora magra, a sua carne é provida de um enorme poder nutritivo. Pertencem a esta família, embora de qualidade inferior, o sargo, o pargo e as bogas.

Garoupa: de carne magra e branca, cozinha-se de maneira idêntica à pescada. A carne de garoupa é, no entanto, mais rija e menos saborosa.

Goraz: de carne branca e seca, cozinha-se como o prago, o robalo e a dourada.

Linguado: de carne branca, magra, muito delicada e de fácil digestão. Permite uma enorme quantidade de receitas e preparações gastronómicas.

Lúcio: a carne é branca e magra e de fácil digestão. Não deve ser consumido nos meses de Fevereiro a Abril. Pode ser preparado de diversas maneiras: cozido, grelhado ou assado no forno.

Peixe-espada: de carne branca, magra e muito delicada, é muito saboroso quando fresco. Serve-se quase sempre frito ou grelhado.

Pescada: este peixe possui um elevado nível dietético, pois a sua carne é magra, branca e de sabor muito delicado.

Pregado: a sua carne é branca, magra e muito saborosa. É semelhante ao rodovalho.

Robalo: a sua carne é branca, magra, muito saborosa e muito consistente, aguentando bem a cozedura. Cozido, grelhado ou assado, o seu gosto, muito acentuado, é digno das preparações mais requintadas.

Salmonete: a sua carne, de gosto muito particular, é seca, magra e muito firme. É aconselhado que às suas preparações seja adicionado o fígado inteiro ou desfeito no molho que o acompanhar.

Tainha: também conhecida por mugem ou fataça, é muito apreciada frita ou cozida.

Tamboril: o seu aspecto repelente, não prenuncia o seu saboroso paladar. É peixe de mar de carne magra, muito delicada e nutritiva.

Truta: é muito frequente no nosso país, de carne magra e muito delicada, prepara-se de várias maneiras.

Como cozinhar os peixes magros e gordos?

Peixes magros: mariná-los antes ou untar com uma gordura, de modo a ficar mais suculento;

Assar: sardinha, robalo, sargo, pargo, peixe vermelho, entre outros;

Estufar: peixes mais magros e de sabor não muito forte, para que o sabor de todos os peixes possa ser saboreado;

Fritar: peixes mais achatados como a solha. A adição de pão ralado irá fazer com que a fritura crie uma crosta protectora e a carne fique mais macia e húmida;

Grelhar: peixes gordos e grandes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here