Início Viagens Mosteiro da Batalha

Mosteiro da Batalha

Monumento nacional, integra a Lista do Património da Humanidade definida pela UNESCO, desde 1983. Descubra o fabuloso e deslumbrante Mosteiro da Batalha.

14346
0
monumentos mais bonitos de Portugal
Mosteiro da Batalha

Foram precisos 185 anos para erguer este grandioso monumento do Gótico Português. O Mosteiro de Santa Maria da Vitória, conhecido como Mosteiro da Batalha, é uma obra prima da Humanidade. Assim o diz a UNESCO, na sua classificação. Nuno Álvares Pereira ganhou Aljubarrota, os portugueses garantiram a independência de Castela e a humanidade herdou uma invulgar obra de arquitectura.

Mosteiro da Batalha
Mosteiro da Batalha

A história deste mosteiro começa a escrever-se no dia 14 de Agosto de 1385, em pleno campo de batalha. Estamos a sair do interregno, D. João I acabara de ser aclamado rei e, desta vitória sobre os castelhanos depende o futuro da dinastia de Avis e a soberania de Portugal. Muito estava pois, em jogo. O rei devota-se à Virgem Maria, prometendo construir um monumento em sua honra se saísse vitorioso do confronto. Os portugueses derrotam o inimigo, D. João I agradece e cumpre a promessa.

Mosteiro da Batalha
Mosteiro da Batalha

Santa Maria da Vitória é o nome do mosteiro que há de nascer ali perto do local onde se travou o decisivo combate. As obras começam logo no ano seguinte, em 1386, e vão durar até 1517. Todo o século XV é dominado por esta imensa construção em que predomina o Gótico e onde surge a primeira manifestação do Manuelino, a acrescentar decoração ao Claustro Real.

Mosteiro da Batalha
Mosteiro da Batalha

O Mosteiro da Batalha é mandado construir pelo Rei D.João I em honra à Virgem Maria após a vitoria sobre o inimigo castelhano em 1385. D. João I doou o Mosteiro aos dominicanos em 1388, em pleno Cisma da Igreja católica, ano esse em que foi também instituída canonicamente a vigararia portuguesa da Ordem Dominicana. A primeira comunidade deveria rondar os doze frades tendo tido por primeiro prior a Fr. Lourenço Lampreia.

batalha
Mosteiro da Batalha

O Gótico Flamejante usado nesta grande obra é intencional por parte de D.João I filho bastardo de D.Pedro, como manifestação da nova Dinastia de Avis e do poder Real, usando este “novo” estilo como imagem de marca. Tanto em França como em Inglaterra ele foi usado até os finais do séc XV. O projecto inicial do Mosteiro da Batalha é de Afonso Domingues, tendo sido terminado pelo Mestre Huguet, que trouxe a influencia do Gótico Flamejjante. As suas abóbodas estreladas da Capela do Fundador e da Sala do Capítulo foram soluções arrojadas. Esta obra serviu de escola para muitos artistas portugueses que aqui aprenderam e desenvolveram as suas artes, principalmente a dos vitrais.

Mosteiro da Batalha
Mosteiro da Batalha – Giorgio Vitali

O Mosteiro da Batalha ainda teria várias intervenções durante o reinado de D.Manuel, que infelizmente ficaram por terminar (Capelas Imperfeitas) pela transferencia de prioridades para a construção do Mosteiro dos Jerónimos, já na época da expansão marítima de Portugal. O primeiro mestre deste enorme estaleiro foi Afonso Domingues, falecido em 1402, e do qual se conhece muito pouco.

Mosteiro da Batalha
Mosteiro da Batalha – Dimitry Shaikyn

Na verdade a igreja batalhina, não obstante a sua escala, corresponde a um modelo de edifício construído em Portugal no século xiv, designadamente na igreja de Santa Clara-a-Velha, em Coimbra, e na cabeceira da Sé de Lisboa, e que poderíamos designar por «Gótico Clássico». Aparentemente, este mestre foi o responsável pela construção dos muros da igreja e das alas nascente e norte do claustro, bem como do abobadamento das naves laterais e das capelas laterais da capela-mor e ainda pela edificação do portal sul da igreja e do portal de acesso à Sala do Capítulo.

Nota-se um conservadorismo das suas soluções técnicas e dos emolduramentos empregues, é ainda «um mestre preso à nossa arquitectura dos finais do século – e que não conhece soluções flamejantes». A partir de 1402 a situação altera-se, uma vez que o segundo mestre deste estaleiro foi Huguet, um estrangeiro que introduz na obra uma linguagem distinta, o Tardo-Gótico Flamejante, transformando os modelos dos abobadamentos e dos emolduramentos, e criando enormes janelas que, a partir dos anos de 1430, começariam a ser ocupadas com vitrais coloridos, o que constituiu, também, uma enorme transformação da estética dos edifícios religiosos portugueses.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here