Início Cultura Quantas palavras existem na Língua Portuguesa?

Quantas palavras existem na Língua Portuguesa?

Quantas palavras existem na Língua Portuguesa? E quantas dessas palavras é que efectivamente conhecemos e utilizamos no nosso dia-a-dia?

3237
0
língua portuguesa
Língua Portuguesa

 

Já alguma vez teve curiosidade em saber quantas palavras existem na Língua Portuguesa? A língua portuguesa não tem uma entidade reguladora (não, a Academia Brasileira de Letras e a Academia das Ciências de Lisboa não têm prerrogativas reguladoras oficiais – prova disso é o fato de os Vocabulários Ortográficos de ambas serem ignorados – e em muitos casos contrariados – pelo Vocabulário Ortográfico Comum que se está a elaborar, e que será, este sim, oficial, mencionado que está no texto legal do Acordo Ortográfico de 1990).

Já a língua espanhola – que é a segunda língua mais falada no mundo – tem sua instituição reguladora oficial: a Real Academia Espanhola coordena as Academias da Língua Espanhola de todos os países hispanófonos, que, juntas, publicam periodicamente o dicionário “oficial” da língua espanhola – cuja versão mais recente, informa com orgulho a Academia, acaba de chegar a um número “recorde” de 93 mil palavras definidas (“verbetes”).

Parece pouco? E é: o Dicionário Larousse da Língua Francesa define hoje 135 mil verbetes, e o Dicionário Oxford do Inglês, o maior dicionário da língua inglesa, traz 290 mil verbetes.

Mesmo os maiores dicionários atuais dessas grandes línguas não superam, porém, o Grande Dicionário da Língua Portuguesa do brasileiro Antonio de Moraes Silva, cuja décima edição, publicada entre os anos de 1948 e 1958, de responsabilidade do português José Pedro Machado, trazia 306 949 verbetes.

A tradição lexicógrafa da língua portuguesa oferece-nos ainda – a brasileiros, portugueses e a todos os lusófonos – muitos motivos para sentirmo-nos orgulhosos:

  • Pouco depois de 1700, a língua portuguesa já tinha o seu primeiro dicionário monolíngue: o de Bluteau (posteriormente, de Bluteau e Moraes), com 43 644 verbetes;
  • Enquanto a segunda língua mais falada do mundo, o espanhol, até hoje não produziu um dicionário que chegasse a 100 mil verbetes, a língua portuguesa já tinha, um século atrás, três dicionários com mais de 100 mil verbetes: o já mencionado Dicionário de Moraes; o de Caldas Aulete; e o de Candido de Figueiredo – este último com exactos 128 521 verbetes na edição de 1913;
  • A esses três se somaria, em 1939, o “Grande e Novíssimo Dicionário da Língua Portuguesa”, de Laudelino Freire, com 208 104 palavras;
  • Entre as obras actualizadas, há hoje oito dicionários de português actualizados com mais de 100 mil palavras: o Priberam, o da Porto Editora e o da Texto Editores, em Portugal; o Estraviz, na Galiza; e, no Brasil: o Aurélio, o Michaelis, o Houaiss e o Aulete actualizado.
  • Apesar do nome, deve-se mencionar, ainda, a Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, que, publicada originalmente entre 1936 e 1960, definia-se como em parte “um dicionário da língua comum de portugueses e brasileiros”, com mais de 250 mil entradas lexicais.
  • O primeiro Dicionário da Academia Brasileira de Letras, publicado em 1967, trazia, em cinco volumes, 72 mil verbetes. Elaborado com grande esmero pelo grande filólogo Antenor Nascentes, a obra fora por ele entregue à Academia em 1943, mas ficou mais de 20 anos na gaveta até ser publicada; diferentemente de todos os dicionários brasileiros actuais, trazia as pronúncias figuradas de todas as palavras.

A segunda edição desse Dicionário da Academia Brasileira de Letras, revisada e aumentada, foi impressa, em seis volumes ilustrados, em 1976 – que traziam um total de 88 818 verbetes.

Em Portugal, depois de duas tentativas frustradas (em que não se passara da letra “A”) nos séculos anteriores, foi lançado em 2001 o primeiro Dicionário (completo) da Academia das Ciências de Lisboa, com 70 mil entradas. Embora aparentemente “pequeno”, é volumoso (são dois grandes tomos) e seguiu uma metodologia científica para a escolha de suas entradas, servindo-se de um corpus – um levantamento profissional de todas as palavras efectivamente mais usadas em Portugal. No Brasil, o primeiro dicionário feito com base em um corpus seria lançado no ano seguinte, em 2002: em seu “Dicionário de usos do português do Brasil”, Francisco da Silva Borba, da UNESP, trazia 62 800 entradas.

Ainda em Portugal, há o Dicionário Universal da Língua Portuguesa da Texto Editores, com 95 320 palavras na edição de 2006; o Grande Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, que afirma ter 120 mil entradas; e o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, que, disponível gratuitamente na Internet, já conta com mais de 115 mil palavras e dá o mesmo tratamento que ao português europeu ao português brasileiro.

Também gratuitamente na Internet estão disponíveis os 211 732 verbetes do Dicionário Aulete, incluindo verbetes antigos e actualizados (até 2009).

A primeira edição (de 2001, no Brasil; de 2003, em Portugal) do Dicionário Houaiss definia 193 274 palavras (embora dissesse, na introdução, ter mais de 228 mil).

A 2ª edição do brasileiro dicionário Aurélio (a última em vida do famoso autor), publicada em 1987, continha exactas 115 243 palavras. Na sua actual (quinta) edição, o Aurélio define 143 387 palavras, incluindo, como o Priberam, tanto as variantes brasileiras quanto as lusitanas das palavras com dupla grafia.

A supracitada 10ª edição do Dicionário de Moraes (1948), com as suas não superadas 306 949 palavras, ainda é, portanto, o maior dicionário de português já feito.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here