Início Cultura 5 lendas e histórias misteriosas de Coimbra

5 lendas e histórias misteriosas de Coimbra

Cidade dos estudantes e dos amores de Pedro e Inês, está repleta de histórias e curiosidades para descobrir. Conheça 5 lendas de Coimbra.

1614
0
Universidade de Coimbra
Universidade de Coimbra

A cidade dos estudantes, Coimbra, possui algumas das mais curiosas histórias e lendas de Portugal muito graças à imaginação fértil das várias gerações de universitários que por lá passaram. Coimbra está, sem dúvida, associada à lendária história de amor de Pedro e Inês e, inevitavelmente, às mil e uma histórias que surgiram em torno dessa paixão.

Mas a cidade está também repleta de pequenas curiosidades relacionadas com a vida estudantil, desde a famosa Cabra da Universidade às Escadas Monumentais, etc. Descubra algumas das mais curiosas histórias, mistérios e lendas de Coimbra.

 

1. Escadas Monumentais e as “bolas” de D. Dinis

As Escadas Monumentais possuem 5 lances de 25 degraus cada, assim sendo, são 125 degraus no total. Uma das lendas mais conhecidas é a que “…as escadas têm 5 partes, correspondente ao numero de anos dos antigos cursos, o numero de vezes que tropeçares é o número das cadeiras a que se reprova em cada ano…”. Depois do que acabas de saber, temos a certeza que vais ter mais cuidado quando aqui passares!!

A outra lenda diz respeito às duas bolas que estão no topo dessas escadas, as chamadas bolas de D.Dinis. “Segundo uma “lenda”, são as “bolas” do D. Dinis, o rei que fundou a Universidade, e vão cair no dia em que uma estudante se forme ainda virgem.”

 

2. A Velha Cabra

“…nessa torre tem um sino, que foi apelidado de “Cabra” , responsável por acordar os estudantes todas as manhãs às sete da madruga, daí o nome. Porém, se olharmos de lado para a torre, ela parece um mocho…” Já tinhas reparado?

 

3. Lenda da cidade de Coimbra

“Diz essa lenda que em tempos houve na cidade uma princesa que era muito amada por um esforçado cavaleiro. Este tinha tentado por todos os meios ao seu alcance casar com ela, mas os pais da jovem não consentiram, porque nenhum feito até então realizado era considerado suficientemente honroso e merecedor da princesa!

O moço estava já a desesperar quando, de súbito, um pavor enorme tomou conta da cidade: apareceu, vinda dos céus, uma terrível e grande serpente que ameaçava destruir tudo o que encontrasse à sua frente. Conta a lenda que o povo chamava à serpente Coluber, sem contudo nos deixar dito porquê.

A princesa, ansiando que o cavaleiro – que sabia corajoso como poucos – mostrasse o seu valor aos pais, inventou um estratagema para tornar possível a aproximação do rapaz. Pediu aos pais que mandassem anunciar na cidade que ela casaria com o cavaleiro que matasse a serpente.

Os soberanos aceitaram a aposta e os arautos anunciaram por todo o lado a vontade da princesa. Muitos foram os cavaleiros que se apresentaram. Contudo, só o enamorado da princesa teve coragem suficiente de se aproximar da toca de Coluber.

Desmontou do cavalo e acendeu à boca da gruta uma fogueira. Com o manto fez entrar todo o fumo que pôde, para obrigar a serpente a sair, e de facto, pouco tempo depois, o monstro saia meio sufocado.

De espada em punho, o cavaleiro tentou cortar-lhe a cabeça, mas falhou, ao mesmo tempo que o instinto de defesa da serpente despertava. Deu-se então uma luta fantástica, em que o cavaleiro esteve por várias vezes a pontos de sucumbir apertado pelos anéis de Coluber.

Num golpe de sorte e perícia, porém, conseguiu cortar a cabeça da serpente, quando estava já a atingir o desespero. Os pais da jovem cumpriram o prometido e foi assim que o cavaleiro matador de Coluber conseguiu a mão da sua amada princesa.

Acrescenta a lenda que, no local onde a serpente foi morta, fundou-se uma povoação a que deram o nome de Columber Briga, que significa «Batalha da Cobra».”

 

4. Lenda De Cindazunda

Após ter destruído Conímbriga, Ataces, rei dos Alanos, dedicou-se à fundação de uma nova cidade na margem direita do rio Mondego. Estava Ataces embrenhado a dirigir a edificação dessa nova Coimbra, no local da romana Aeminium, quando surgiu o rei suevo Hermenerico com o seu exército, sedento de vingança pelas derrotas sofridas. Tão sangrento foi o combate entre os dois exércitos que as águas do Mondego se tingiram de vermelho.

Hermenerico é forçada a retirar-se para norte, mas Ataces foi em sua perseguição e o rei suevo vê-se obrigado a capitular. Oferece a Ataces a mão da sua filha, a bela princesa Cindazunda, que desde logo se enamorou perante a beleza da jovem.

Regressados a Coimbra para os esponsais, o rei dos Alanos decide perpetuar o seu casamento dando a Coimbra um brasão comemorativo do acontecimento. Nele, a princesa Cindazunda surge coroada de uma taça que simboliza o seu casamento com Ataces. Ladeiam a taça um leão, timbre de Ataces e um dragão, timbre de Hermenerico. Esta imagem ainda faz parte do brasão de Coimbra dos nossos dias.

 

5. Lenda do Pagem

Como é sabido um dos bairros conimbricenses é Santa Clara que fica na margem esquerda do Mondego. É uma zona onde existem muitos fornos de cal, já extintos. Contudo, e em outros tempos, como nos diz a lenda, há um forno que é de todos o maior e sobre o qual é contada uma história.

O pagem da Rainha Santa Isabel teria que passar por esse forno e dizer umas palavras de ordem, as quais serviriam para que fosse agarrado e queimado no dito forno. Ele era uma pessoa de confiança, era aio da Rainha Santa, mas o rei Dom Dinis pretendia que ele fosse morto.

Acontece que o aio do rei foi a esse forno, mas avisou os forneiros dizendo que por lá haveria de passar o aio da Rainha Santa, que deveria dizer certas e determinadas palavras e logo que acabasse de proferi-las, deviam agarrá-lo e queimá-lo. Mas acontece que o aio da Rainha em vez de se dirigir directamente a Santa Clara e passar pelo forno, passou pelo Mosteiro de Santa Clara e foi orar.

Demorou algum tempo. Neste entretanto, o aio de Dom Dinis tinha ido no encalço dele, mas deixou de o ver. Quando se aproximou do forno e gozando com os homens do forno, balbucionou as palavras da ordem que o outro aio havia de ter dito. Como eles o não conheciam, agarraram-no e queimaram-no. Alguns minutos passados apareceu o pagem da Rainha Santa que disse as mesmas palavras.

Constatou que eles o queriam agarrar; por sua vez, os forneiros verificaram que se haviam enganado queimando o pagem ou aio de Dom Dinis no lugar do aio da Rainha Santa. A lenda atribui este facto a um milagre, mais um dos muitos que a Rainha Santa fez.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here