Início Viagens Guia completo para férias em Cabo Verde (o que visitar e o...

Guia completo para férias em Cabo Verde (o que visitar e o que fazer)

Começa a afirmar-se como um dos melhores destinos de África. Descubra os melhores locais para visitar em Cabo Verde com este guia repleto de dicas.

10809
0
Cabo Verde
Cabo Verde

O arquipélago de Cabo Verde é um destino cada vez mais na moda em Portugal e no estrangeiro. Este pequeno país africano, banhado pelo Atlântico, atrai cada vez mais turistas graças à hospitalidade do seu povo. Cabo Verde é mais ocidentalizado do que o resto do continente africano e as instalações para os viajantes são, em geral, melhores. Mesmo assim, Cabo Verde é, e sempre será, um típico destino africano: a música fantástica e cheia de alma e os mercados movimentados em todas as cidades são sinais claros de que você não está longe da costa africana.

Cabo Verde
Cabo Verde

Cada ilha possui um conjunto diferente de atracções e razões para visitar e cada uma delas é diferente da outra. Mas, afinal de contas, qual é a melhor ilha para visitar em Cabo Verde? Depende daquilo que procura. A primeira resposta seria a Ilha do Sal mas, caso pretenda conhecer o país mais a fundo, recomendamos que viaje também para algumas das outras ilhas.

Cabo Verde
Cabo Verde

Cabo Verde possui a capacidade de encantar diferentes tipos de turistas: os que procuram praia, os que procuram paisagens diferentes, os que procuram uma genuína cultura africana e os que procuram um ambiente totalmente diferente da civilização ocidental. Mas como Cabo Verde é um destino pouco comum, convém primeiro responder a algumas perguntas antes de planear a sua viagem.

 

1. Qual é a melhor altura para visitar Cabo Verde?

As ilhas são quentes e ensolaradas durante todo o ano e, por isso, para muitos visitantes sem nenhum interesse especial, não importa realmente quando ir. Para os praticantes de windsurf, os melhores meses são Janeiro e Fevereiro, enquanto os mergulhadores encontrarão as águas mais calmas e a visibilidade máxima de Junho a Dezembro; os amantes da praia podem desejar evitar os meses de inverno com muito vento. Para os caminhantes, as ilhas montanhosas são significativamente mais bonitas durante e logo após a estação chuvosa de Julho a Dezembro, embora as inundações possam impedir algumas subidas no monte Santo Antão. A maior precipitação é geralmente em Agosto e Setembro.

Cabo Verde
Cabo Verde

Para aqueles que estão preocupados com o calor, o pico é em Setembro (com uma temperatura média diária de 30 ° C), sendo a época mais fria em Janeiro (média de 24 ° C). Para aqueles que desejam ver as tartarugas em nidificação a temporada é de Junho a Outubro, com um pico em meados de Julho e Agosto. Os filhotes de tartaruga nascem de meados de Agosto até ao final de Novembro. Os observadores de baleias encontrarão as melhores oportunidades em Março e Abril, principalmente fora da Boavista. Os fotógrafos devem evitar de Dezembro a Março, quando os ventos excessivos entorpecem a luz e deixam depósitos de areia.

Os turistas com um orçamento mais apertado podem encontrar hotéis mais baratos de Abril a Junho e em Outubro, e definitivamente devem evitar o Natal e o Carnaval. Os que buscam umas férias mais tranquilas e com menos gente devem evitar os meses de Julho e Agosto, quando Cabo Verde está repleto de turistas europeus e famílias emigradas a fazer férias de Verão na sua terra natal. Além do Natal e Carnaval, todo o período de Novembro a Março é considerado como sendo de temporada alta.

 

2. É necessário tomar alguma vacina antes da viagem?

Vacinas obrigatórias: nenhuma. Vacinas recomendadas: Hepatite A e Febre Tifóide. Certificado internacional de vacinação para a Febre Amarela: não obrigatório, apenas será necessário para viajantes com idade superior a um ano, provenientes ou em trânsito no aeroporto de uma zona de risco de transmissão de Febre Amarela.

 

3. É necessário visto para Cabo Verde?

A isenção de vistos para cidadãos europeus está prevista para o próximo ano (2019). Mas enquanto a medida não entra em vigor, saiba que existem três tipos de visto para visitar Cabo Verde: entrada única (mais frequente), múltiplas entradas e turismo colectivo. O visto simples para uma entrada é utilizável durante 180 dias, e permite ficar 30 dias consecutivos em território de Cabo Verde. Este visto custa 45€. O visto múltiplas entradas é utilizável durante 1 ano, e permite permanecer 90 dias consecutivos ou interpolados em território cabo-verdiano. O visto multi-entradas custa 86,30€.

Cabo Verde
Cabo Verde

O visto de turismo colectivo (mínimo de 6 pessoas) pode ser requerido por grupos de pessoas que viajam juntas, e regressam juntas no mesmo dia. Este tipo de visto tem uma validade de 30 dias a contar da data de emissão, e permite ficar em Cabo Verde até 30 dias. É necessário fornecer uma lista dos viajantes e fotocópias dos passaportes. A emissão do visto colectivo custa 33,10€ por pessoa.

Para solicitar o visto, necessita do passaporte, de uma fotografia tipo passe e de preencher um formulário, que pode ser obtido aqui. A Embaixada de Cabo Verde está localizada na Avenida do Restelo, 33, em Lisboa. Os pedidos de vistos são feitos na Secção Consular de segunda a sexta-feira das 9h às 14h. Os vistos demoram três dias úteis a serem entregues pelos serviços consulares. O levantamento do visto é efectuado durante os dias úteis entre as 12h e as 14h.

 

4. Que cuidados de saúde deve ter durante a viagem?

Em 2015 foram diagnosticados, pelas autoridades locais, nas ilhas de Santiago, Fogo e Maio, casos de vírus Zika, não se tendo registado casos em de 2016. Recomenda-se no entanto, o uso frequente de repelentes de insectos bem como utilização de vestuário adequado para diminuir a exposição corporal à picada de mosquito do género Aedes.

Cabo Verde
Cabo Verde

Medidas de precaução geral a tomar: beber somente água engarrafada e sem gelo. Evitar o consumo de vegetais crus (ex. saladas) e de alimentos confeccionados com ovos crus ou mal cozidos. Para além dos medicamentos que normalmente necessitem, os viajantes devem vir munidos, entre outros, de antidiarreicos, creme de protecção solar e de repelentes de insectos, de preferência contendo DEET, cumprindo a sua aplicação de acordo com as recomendações.

 

5. Como funciona o transporte entre as várias ilhas?

Cabo Verde tem quatro aeroportos internacionais com carreiras regulares para Portugal: -Aeroporto Internacional Nélson Mandela na cidade da Praia: voos directos de Lisboa através da TAP e da TACV; – Aeroporto Internacional Amílcar Cabral na Ilha do Sal: voos directos de Lisboa através da TAP e da TACV; – Aeroporto Internacional Aristides Pereira na ilha da Boa Vista: voos diretos de Lisboa através da TAP e da TACV, voos charters internacionais e voos domésticos; – Aeroporto Internacional Cesária Évora na ilha de São Vicente: voos de Lisboa através da TAP e da TACV.

A ligação com as restantes ilhas do arquipélago, com excepção da ilha da Brava e Santo Antão, é feita através de voos internos da TACV e da Binter.” As ilhas da Brava e de Santo Antão são acessíveis unicamente por via marítima. A ilha de Santo Antão tem ligação diária a S. Vicente por ferry-boat. As ilhas de Santiago, Brava e Fogo estão também ligadas por “Fast Ferry”.

Cabo Verde
Cabo Verde

A rede rodoviária é bastante deficiente. Porém, nas ilhas de Santiago, S. Vicente, Sal e Santo Antão têm vindo a ser construídas algumas boas estradas nos principais eixos rodoviários. Na cidade da Praia a ligação entre as diferentes localidades é assegurada através de duas empresas de transportes, Solatlântico e Moura Company.

 

6. Como funciona a Internet em Cabo Verde?

As telecomunicações são fáceis e com bom funcionamento, tanto na rede fixa como na rede móvel. É possível a utilização de telemóveis de redes portuguesas em sistema de “roaming”. Cabo Verde é, aliás, um dos países africanos com melhor rede de internet. Isso não quer dizer, como é óbvio, que terá rede em todos os lados, especialmente se pretende visitar locais mais isolados.

 

7. Que moeda se usa em Cabo Verde?

A moeda local é o escudo cabo-verdiano. A taxa de câmbio é de 1€ = 110.265 CVE (2018). O Euro é correntemente aceite. São aceites cartões de crédito e cartões Visa Electron para levantamentos em ATM e em bancos, bem como, em geral, nos principais estabelecimentos hoteleiros, restaurantes e supermercados. Convirá confirmar previamente a possibilidade desta forma de pagamento junto dos respectivos estabelecimentos.

 

8. Qual é a melhor Ilha para visitar em Cabo Verde?

Como já foi dito anteriormente, depende daquilo que procura. A Ilha do Sal é a mais conhecida e famosa, por exemplo, por possuir mais locais de diversão nocturna. Se, pelo contrário, pretende umas férias mais sossegadas, em família, deverá optar pela Ilha da Boavista. Ambas, Sal e Boavista, possuem bons hotéis e boas ligações com as restantes ilhas. Tenha em atenção que, embora possa também ficar alojado em qualquer uma das outras ilhas do arquipélago, os hotéis são, regra geral, de menor qualidade comparados com os que pode encontrar na Ilha do Sal e na Ilha da Boavista.

 

Os 16 melhores locais para visitar em Cabo Verde

1. Ilha do Fogo

Fogo é a mais proeminente de todas as ilhas de Cabo Verde, com uma altitude máxima de 2.900 metros acima do nível do mar. O vulcão Pico de Fogo é a principal atracção e pode ser escalado em cerca de seis horas, usando a cidade próxima Chã de Caldeiras como ponto de partida.

Ilha do Fogo
Ilha do Fogo

A maior cidade da ilha é São Filipe, que é a quarta maior cidade de Cabo Verde e também o lar de um dos principais aeroportos das ilhas. As praias da ilha são impressionantes e vale a pena explorá-las.

 

2. Ilha do Sal

É fácil adivinhar qual foi a indústria principal da Ilha do Sal. A maior parte do sal extraído no século 19 foi exportada para o Brasil; hoje o sal é extraído principalmente para os turistas levarem para casa e para uso local. A Ilha do Sal é agora um destino turístico popular, tendo o principal aeroporto internacional em Cabo Verde.

Ilha do Sal
Ilha do Sal

É principalmente uma ilha plana e arenosa, com os ventos alísios no Inverno transformando-a numa Meca para os surfistas. Há sol quase todos os dias e por isso as praias de areia branca também estão cheias. A Ilha do Sal é a mais animada do arquipélago e uma das que possui mais ofertas de hotéis de qualidade.

 

3. Ilha da Boa Vista

Se outrora os cartões postais de Cabo Verde eram coroados pelas paradisíacas praias da ilha do Sal, nos últimos anos, a ilha da Boa Vista tem-se afirmado, também, como um dos destinos preferidos dos turistas que procuram desfrutar dos encantos que o “sol & mar” têm para oferecer a quem visita Cabo Verde. Descoberta a 3 de Maio de 1480, a ilha da Boa Vista guarda uma história rica em cultura e tradições, como a tecelagem, a cerâmica, a música e a literatura, para além das belas praias de areia branca, que se estendem ao longo de 55 quilómetros e que oferecem uma diversidade de desportos náuticos, do mergulho à descoberta dos tesouros de navios afundados e encalhados, ao windsurf.

Ilha da Boa Vista

Falar da Boa Vista é falar ainda das ruínas por explorar do Curral Velho e do Deserto de Viana. Um cenário inóspito e até lunar. Há quem lhe chame de extensão do Saara, no meio do Oceano Atlântico, onde sobressaem dunas de areia branca a perder de vista ao longo de 5 quilómetros de extensão, que fazem com que a Boa Vista ofereça uma diversidade paisagística para além das suas praias paradisíacas.

 

4. Cidade Velha

Também conhecida por Ribeira Grande de Santiago, a localidade foi descoberta pelos portugueses em 1460. E, dois anos mais tarde, foi lá criada a primeira cidade do mundo construída por europeus nos trópicos, mais precisamente por Portugal, tornando-se a primeira capital do arquipélago, título que ostentou até 1770, quando se deu a passagem oficial para a Praia de Santa Maria, a actual Cidade da Praia.

Cidade Velha de Santiago
Cidade Velha de Santiago

A cidade, que tem no mar a sua principal função, foi erigida no século XV para servir de ponto de abastecimento para o comércio de escravos entre África e América. A recuperação do sítio histórico começou nos finais da década de 1980, financiada não só pela cooperação portuguesa, mas principalmente pela espanhola, que já investiu na Cidade Velha mais de cinco milhões de euros. Esse dinheiro foi aplicado na restauração dos monumentos e das moradias, além da melhoria da qualidade de vida dos seus habitantes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here