Início Sociedade Rio de Onor: a terra onde a terra é de todos

Rio de Onor: a terra onde a terra é de todos

É uma das últimas resistentes das aldeias comunitárias de Trás-os-Montes, onde os terrenos são de todos e trabalhados por todos. Falamos de Rio de Onor, Bragança.

7343
2
Rio de Onor - Bragança

Abrangendo uma área considerável, incluída no perímetro do Parque Natural de Montesinho, esta freguesia partilha o nome com o rio que a atravessa, no sentido norte-sul, tornando-se posteriormente tributário do Sabor.

riodeonor3 (1)
Rio de Onor

Rio de Onor subsiste ainda como aldeia comunitária. Este regime pressupõe uma partilha e entreajuda de todos os habitantes, nomeadamente nas seguintes formas: Partilha dos fornos comunitários; Partilha de terrenos agrícolas comunitários, onde todos devem trabalhar; Partilha de um rebanho, pastoreado nos terrenos comunitários.

Rio de Onor
Rio de Onor

Rio de Onor é talvez a mais emblemática das aldeias nordestinas, e pode ter tido origem no povoado medieval de Vinhas Cales, com assento no cabeço do Codeçal, sobranceiro a poente à atual povoação. Ainda em data recente se podia considerar o último resquício do comunitarismo medieval, traduzido na partilha da terra e dos recursos, na extravagância da circulação fiduciária e na garantia da palavra honrada. Com a sua vizinha transfronteiriça Rihonor de Castilla constituíam uma insularidade com alguma autonomia económica, muito débil, resultante do aproveitamento esmiuçado da úbere veiga, aqui designada por Faceira, dividida em retalhos equitativos entre o rio e o sopé das vertentes.

Rio de Onor
Rio de Onor

O casario, alinhado em duas ruas paralelas ao rio, é em alvenaria de xisto simplesmente empilhado, pardo por natureza e escuro do muito uso, com coberturas de lousa e varandas estreitas embarrotadas em castanho e com acesso por toscas escadas de pedra. Assim eram e assim se mantêm as construções originais, que as novas, não contrastando por imposição regulamentar, procuram no recurso a idênticas morfologias e materiais semelhantes, um mimetismo nem sempre discreto e muito menos integrado.

Rio de Onor
Rio de Onor

De qualquer modo, é-nos grato reconhecer o cuidado que se tem posto na preservação desta aldeia, em claro contraponto com a vizinha espanhola, esforço que se iniciou ainda no Estado Novo, tomando Rio de Onor como uma referência emblemática da tradicional bonomia do povo português.

Mais artigos

10 moedas raras de 2 euros que podem valer 2.000

Desde a introdução do euro que o Banco Central Europeu permite que cada país possa emitir duas moedas de dois euros por ano para...

Mais recentes

Museu de História Natural de Sintra: uma fantástica opção para visitar...

Está localizado no centro histórico da vila de Sintra, paredes meias com o mercado e com uma vista magnífica para o Castelo dos Mouros....
[td_block_social_counter custom_title=”REDES SOCIAIS” header_color=”#000000″ facebook=”vortexmag” twitter=”@VortexMag” googleplus=”+VortexmagNet1″ open_in_new_window=”y”]

2 COMENTÁRIOS

  1. Meu pai é nascido na Vila Real, Trás os Montes. Emigrou para o Brasil na década de 1920. Um dia irei conhecer essas maravilhas…Fiquei maravilhada com Rio de Onor…

  2. […] A população das duas partes, que vive essencialmente da agricultura e da criação de gado, desloca-se e trabalha os campos indiferentemente, quer eles se situem do lado de cá da fronteira, quer se localizem do lado de lá. Utilizando um dialecto muito próprio (o riodonorês), mantém ainda o regime comunitário na administração rural. Este regime é praticamente o único exemplo vivo do comunitarismo medieval. […]

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here