Início Viagens Provavelmente, a cidade mais charmosa de Portugal

Provavelmente, a cidade mais charmosa de Portugal

Cidade de becos e ruelas que encantam e deslumbram, cidade que nos fica na memória e entranha na alma. Descubra a cidade mais charmosa de Portugal.

31045
1
COMPARTILHE
Coimbra
Coimbra (Foto: Daniel Palos)

 

Coimbra dos estudantes, Coimbra do Mondego, Coimbra dos amores de Pedro e Inês. Esta cidade, situada no centro de Portugal, é por muitos considerada como a mais charmosa e carismática cidade de Portugal. Dizem que quem passa por Coimbra nunca mais a esquece e que as suas ruas e vielas se entranham na nossa alma. Prova disso, talvez seja aquilo que os estudantes de todo o país sentem quando vão estudar para a Universidade de Coimbra e aqui vivem durante a duração da sua licenciatura. Se ouvir qualquer um destes estudantes irá constatar que o seu amor pela cidade é realmente especial, de uma forma que nem eles próprios conseguem explicar. Coimbra chegou a ser capital de Portugal e pela sua Universidade passaram grandes figuras da história do nosso país.

Coimbra
Coimbra

Curiosidades sobre Coimbra

Foi capital de Portugal entre 1131 e 1255. Aliás, para todos os efeitos, dado que não existem documentos legais a considerar Lisboa como a capital oficial do país, há mesmo quem diga que Coimbra continua a ser a verdadeira capital da nação. “A decisão foi estratégica, pois esta mudança da capital para os campos do Mondego revelou-se vital para viabilizar a independência do novo país, a todos os níveis: económico, político e social. Coimbra foi capital até 1255”.

A primeira dinastia portuguesa residiu em Coimbra, sendo por isso natural que seis dos nossos monarcas tenham nascido em Coimbra (como por exemplo D. Sancho II, D. Afonso IV ou D. Pedro I).

Sé Nova de Coimbra
Sé Nova de Coimbra

A universidade mais antiga do país (e uma das mais velhas da Europa) situa-se em Coimbra. Foi fundada em 1290 pelo Rei D. Dinis, em Lisboa. Após várias mudanças para Coimbra e Lisboa, a Universidade acaba por ser instalada definitivamente em Coimbra, por ordem do Rei D. João III, em 1537.

Durante séculos, foi a única universidade existente no império português, não sendo por isso de estranhar que muitas figuras de relevo tenham ali estudado. Coimbra foi transformada num relevante posto comercial com a chegada dos mouros à Península Ibérica. Santo António estudou no Mosteiro de Santa Cruz e na Igreja de Santo de António dos Olivais.

Coimbra
Coimbra – Alfredo Mateus

Durante a Idade Média, de acordo com o site Center of Portugal, “havia uma Coimbra cristã, uma Coimbra judaica e uma Coimbra árabe que se perfilavam como vértices de um triângulo ecuménico de miscigenação cultural”. Ao que tudo indica, era um raríssimo caso de uma região de Portugal onde, durante muito tempo, existiu paz entre todas as comunidades.

A Praça do Comércio foi um local importante na vida comercial da cidade. Aproveitando essa fama, na época da Inquisição este local foi o escolhido para praticar os Autos de Fé. O Padre António Vieira, uma das grandes figuras da História de Portugal, viveu três anos na Sé Nova de Coimbra.

Universidade de Coimbra

Segundo o site da Direcção Geral do Património Cultural, o Mosteiro de Santa Cruz, local onde se encontram hoje em dia os túmulos dos dois primeiros Reis de Portugal, D. Afonso Henriques e D. Sancho I, “foi a mais importante casa monástica nos primeiros tempos da monarquia portuguesa. A sua escola foi fundamental nestes tempos medievais e ponto de passagem obrigatória para as elites do poder e da intelectualidade”

 

O que visitar em Coimbra?

Nas margens do rio Mondego, Coimbra é conhecida pela sua Universidade, a mais antiga em Portugal e uma das mais antigas da Europa, que ao longo do tempo lhe moldou a imagem tornando-a “a cidade dos estudantes”.

Portugal dos Pequenitos
Portugal dos Pequenitos

Iniciamos esta visita, precisamente na Universidade fundada no século XIII que a UNESCO integrou na lista do Património mundial, numa classificação que engloba também a Rua da Sofia e a alta da cidade. Vale a pena subir à sua torre, onde estão os sinos que marcavam o ritmo das aulas, para apreciar a soberba vista de 360º sobre Coimbra. Mas no piso térreo há muito para visitar: o Pátio das Escolas, a Sala dos Capelos onde têm lugar as cerimónias mais importantes, a Capela de São Miguel com um imponente órgão barroco e a Biblioteca Joanina, que possui mais de 300 mil obras datadas entre os séculos XVI e XVIII dispostas em belíssimas estantes ornamentadas com talha dourada. O conjunto de edifícios ocupa o lugar do Paço onde viveram os primeiros Reis de Portugal, que aqui chegaram a fixar a capital do reino.

Coimbra
Coimbra

São desses tempos vários monumentos que apresentam o esplendor da arte românica. Localizados na Baixa, zona de compras e de cafés históricos, merecem visita obrigatória o Mosteiro de Santa Cruz que alberga o túmulo do primeiro rei de Portugal, Afonso Henriques, e na outra margem, o Mosteiro de Santa Clara-a-Velha, recuperado e resgatado das águas do rio que o invadiram ao longo dos séculos.

cidades mais antigas de Portugal
Sé Velha de Coimbra

Ou ainda a Sé Velha, em cujas escadas tem lugar a serenata monumental em que os estudantes trajando capas negras cantam com muito sentimento o Fado de Coimbra. Este é um dos eventos da Queima das Fitas onde todos os anos em Maio os finalistas celebram a conclusão do curso, numa festa cheia de cor. Essa animação, no entanto, sente-se ao longo de todo o ano nas muitas tasquinhas e nas Repúblicas, as residências dos estudantes, exemplos de vida em comunidade.

Universidade de Coimbra

Mas há muito mais para ver. O Museu Nacional Machado de Castro conserva o Criptopórtico romano, entre um acervo de grande valor e dá a conhecer a história da cidade. Aliás, vale a pena entrar neste museu e deslumbrar-se com a antiga cidade romana de Aeminium. Também são muitos os jardins a não perder como o do Choupal, o da Quinta das Lágrimas, cenário do romance de D. Pedro e Inês de Castro ou o Jardim Botânico. As crianças (e não só) vão adorar o Portugal dos Pequenitos, um Parque que reproduz à escala dos mais pequenos, os principais monumentos portugueses.

Aeminium
Aeminium

Coimbra não é só tradição; possui estruturas modernas que vale a pena conhecer como o Pólo II da Universidade, a Ponte Pedonal Pedro e Inês, o Pavilhão Centro de Portugal no Parque Verde do Mondego. E para ter uma perspectiva diferente de toda a cidade aconselhamos um passeio de barco no Rio Mondego.

Biblioteca Joanina

Segundo um fado cantado pelos estudantes, “Coimbra tem mais encanto na hora da despedida”, mas talvez não seja preciso chegar a esse momento para o descobrir…

 

História de Coimbra

Em tempos longínquos o local foi ocupado pelos Celtas mas foi a romanização que transformou esta região culturalmente. A sua presença permanece nos vários vestígios arqueológicos guardados no Museu Nacional Machado de Castro, construído sobre o criptopórtico da Civita Aeminium, o forum da cidade romana. Depois vieram os visigodos entre 586 e 640, alterando o nome da localidade para Emínio. Em 711, passa a ser uma cidade mourisca e moçarabe. Em 1064 é conquistada pelo cristão Fernando Magno e governada pelo moçarabe Sesnando.

Jardim Botânico Coimbra
Jardim Botânico de Coimbra

A cidade mais importante ao Sul do Rio Douro, é durante algum tempo residência do Conde D. Henrique e D. Teresa, pais do primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques, que aqui nasceu. Por sua mão é integrada em território português em 1131. Datam desse tempo, em que Coimbra foi capital do reino, alguns dos monumentos mais importantes da cidade: a Sé Velha e as igrejas de São Tiago, São Salvador e Santa Cruz, em representação da autoridade religiosa e das várias ordens que aqui se estabeleceram.

Sala dos Capelos da Universidade de Coimbra
Sala dos Capelos da Universidade de Coimbra

Foi em Coimbra que aconteceu o amor proibido de D. Pedro I (1357-67) e da dama de corte D. Inês, executada por ordem do rei D. Afonso IV, que viu nesse romance o perigo de uma subjugação a Castela. Inspirando poetas e escritores, a sua história continua a fazer parte do património da cidade.

Durante o Renascimento, Coimbra transformou-se num lugar de conhecimento, quando D. João III (1521-57) decidiu mudar definitivamente a Universidade para a cidade, ao mesmo tempo que se criavam inúmeros colégios em alternativa ao ensino oficial.

Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra

No séc. XVII os jesuítas chegaram à cidade, marcando a sua presença com a construção da Sé Nova. No século seguinte, a obra régia de D. João V (1706-50) enriquecerá alguns dos monumentos de Coimbra e sobretudo a Universidade e o reinado de D. José I (1750-77) fará algumas transformações pela mão do Marquês de Pombal, sobretudo no ensino.

No início do séc. XIX as Invasões Francesas e as guerras liberais portuguesas iniciarão um período conturbado, sem grandes desenvolvimentos para a cidade. Desde então foram os estudantes que a recuperaram e transformaram na cidade universitária por excelência em Portugal.

Quinta das Lágrimas
Quinta das Lágrimas

Vários percursos são possíveis para conhecer todo o património existente em Coimbra. Seguindo o plano da cidade até ao séc. XIX, sugerimos que comece com dois passeios, um pela Alta e outro pela Baixa de Coimbra.

 

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here