Início História Pedro Hispano: o português que foi Papa durante 8 meses

Pedro Hispano: o português que foi Papa durante 8 meses

Em dois milénios de história da Igreja, só por uma vez um português foi eleito Papa e o seu nome era Pedro Hispano. Descubra a história do Papa português.

762
0
COMPARTILHE
Pedro Hispano
Pedro Hispano
Foram oito meses apenas, que acabaram de uma forma trágica. Em dois milénios de história da Igreja, apenas por uma vez um português foi eleito Papa. Embarque numa viagem no tempo até Viterbo, cidade que no século XIII foi sede papal, conheça a história do único português que ocupou a cadeira de Pedro, e perceba qual a origem dos conclaves.

A notícia terá corrido veloz pelas ruas de Viterbo, cidade que naquele tempo era refúgio dos Papas, que fugiam de uma Roma insegura e insalubre. Um estranho acidente vitimara João XXI, atingido pela derrocada do tecto numa zona em obras no Palácio Pontifício. Chegava tragicamente ao fim um curto pontificado de pouco mais de oito meses. O único de um Papa português.

Dos primeiros anos da vida de Pedro Julião, mais tarde conhecido como Pedro Hispano antes de se tornar João XXI, pouco se sabe. Apenas se pode tomar como certeza que nasceu em Lisboa, algures entre 1205 e 1220, e que era filho de famílias abastadas, o que lhe permitiu, depois do ensino na escola episcopal da Sé, prosseguir os estudos na Universidade de Paris.

“Foi certamente devido ao facto de ser oriundo de uma família importante na sociedade de Lisboa que ele acaba por ter posses para ir para Paris, mas guarda sempre a âncora em Lisboa”, explica Mário Farelo, investigador de História Medieval.

“Percebe-se que ele vai seguir depois uma carreira eclesiástica em Portugal. Faz o seu trajecto cultural e depois volta. Quando o faz, vem já com conhecimentos importantes, o que se revela pelo facto de ser designado como ‘mestre’ nos documentos da época”, acrescenta Mário Farelo.

Quando regressa já “mestre”, Pedro Julião teria granjeado fama, entre outras áreas do conhecimento, como médico. O “Tesouro dos Pobres”, manual que aborda várias doenças e as curas conhecidas à época, e a “Summulae Logicales”, um tratado de lógica que durante três séculos será utilizado nas escolas de toda a Europa, são obras que lhe chegaram a ser atribuídas.

A este propósito, Mário Farelo refere que as investigações têm lançado dúvidas sobre a autoria dessas obras. “A partir do século XVI, assim que víamos uma obra escrita por Pedro Hispano, associávamos quase automaticamente ao Papa. A partir de estudos aprofundados, sobretudo do professor José Meirinhos, da Universidade do Porto, hoje sabemos que na verdade é necessário fazer a distinção entre 5 ou 6 ‘Pedros Hispanos’. Bastava estar fora de Portugal para ser apelidado de ‘Hispano’, proveniente da Hispania, oriundo da Ibéria. Tanto podia ser Castela, Galiza como Portugal. Não temos a certeza se as obras de carácter científico são dele ou de outro Pedro Hispano.”

As dúvidas não impedem que tenha sido uma das figuras mais relevantes do seu tempo. Ocupou vários cargos eclesiásticos em Portugal – desde deão da Sé de Lisboa a Arcebispo de Braga – até ter sido nomeado para a cúria romana no início dos anos 70 do século XII, onde terá sido médico principal do Papa Gregório X. Era a antecâmara para chegar ao cargo máximo na Igreja.

 

Um pontificado breve

Com os Papas sediados em Viterbo, o ano de 1276 corria agitado. Em pouco mais de meio ano, três Papas já tinham passado pela chefia da Igreja, num período marcado por intrigas e por várias tensões políticas e religiosas.

O Papa Adriano V morre apenas um mês depois de ser eleito e, em Agosto, os cardeais escolhem como sucessor o académico português Pedro Hispano. De acordo com alguns relatos históricos, o novo Papa estaria mais interessado nas suas investigações científicas e teria passado a gestão dos assuntos correntes da Igreja ao poderoso cardeal Giovanni Orsani, que tinha ajudado à sua eleição – e que mais tarde seria o Papa Nicolau III.

Os documentos da época mostram uma outra realidade, diz Mário Farelo. “As crónicas posteriores fazem um relato dele como estando mais interessado nas questões das ciências e das estrelas, que se fecharia no seu gabinete e não queria saber dos assuntos da Cristandade. Mas quando vamos ver o seu bulário, vemos um Pontífice verdadeiramente preocupado com a sua Igreja, com as relações com a Igreja do Oriente, mas também com as relações entre as soberanias cristãs, que também precisavam muitas vezes de um árbitro, de um mediador.”

João XXI acaba por morrer a 20 de Maio de 1277, vítima de um desmoronamento no Palácio Pontifício, que estava em obras. O seu túmulo está hoje em lugar de destaque na Catedral de Viterbo, depois de ter estado esquecido durante anos.

Viterbo, também conhecida como “a cidade dos Papas”, ainda hoje guarda várias memórias da presença dos sucessores de Pedro. Foi aliás aqui que surgiram os conclaves. A história é explicada no local por Domenico, sacristão da catedral local.

“Durante cerca de três anos, não se decidiam a eleger o Papa. Então, os cidadãos de Viterbo fecharam-nos à chave. Daí provém a palavra ‘conclave’. Fecharam à chave a ala onde estavam reunidos, tiraram-lhes o telhado, reduziram os alimentos e, no final, decidiram-se a eleger um Papa, também porque tiveram pressões francesas nesse sentido. Desse conclave saiu o Papa Gregório X.”

 

Filósofo, médico e alquimista com reputação de mago

A popularidade de que gozou durante a medievalidade, e que se prolongou pelo Renascimento, persistindo até aos dias de hoje, tem, de facto, uma origem bastante diferente. Remete para a sua dimensão de intelectual e para os contributos que lhe são atribuídos no âmbito da história da ciência e história das ideias, em concreto os estudos que dedicou aos ramos da filosofia e da medicina.

O problema é que a vasta produção bibliográfica, a diferente natureza dos assuntos abordados e a própria coerência interna dos textos escritos sob o nome de Pedro Hispano ou que lhe foram creditados, desde o século XIV, pouco depois da sua morte –, tendo como premissa a vasta ciência do Papa, assumida pelo próprio e amiúde asseverada em crónicas, quer contemporâneas quer posteriores –, suscitam várias reservas no que toca à sua assimilação a uma única personagem histórica.

Movendo-se por entre tantas dúvidas, a crítica textual mais recente parece pouco inclinada a creditar ao pontífice todos os tratados que compõem o habitual cânone de manuscritos que lhe são consagrados. Há inclusivamente especialistas que vão mais longe, sustentando que muito poucos desses trabalhos, ou mesmo nenhuns, devem ser atribuídos a João XXI, propondo-os como a produção de um ou vários Pedros Hispanos seus contemporâneos. A polémica não sendo estéril, parece, por enquanto, inconclusiva, mas obriga a distinguir, no conjunto das obras imputadas a Pedro Hispano, entre a produção cuja autoria se encontra suficientemente estabilizada e os escritos cuja catalogação e atribuição suscitam maior discussão.

As dificuldades em estabelecer com rigor as autorias das obras de João XXI são inúmeras, e estão muito longe de ser um exclusivo do Papa português. São muito numerosos os autores e escritos da época medieval que subsistem enredados em polémicas afins, enfrentando problemas insolúveis, ensombrados por propostas contraditórias, baseadas em todo o tipo de argumentos: filológicos, caligráficos, cronológicos, ontológicos, etc.

Em todo o caso, considerando somente o corpo de obras de Pedro Hispano fixado com maior rigor, e descontando os muitos textos em relação aos quais existem reservas, verifica-se, ainda assim, que a sua quantidade, qualidade e impacto foram muito desiguais. Neste particular, as obras sobreviventes de medicina e de lógica sobrepõem-se às restantes: em número, em importância, na repercussão alcançada. Olhando apenas às quantidades produzidas, fica-se com a perceção de que Pedro Hispano se ocupou em especial da redação de tratados médicos. Contam-se neste capítulo cerca de três dezenas de escritos, aos quais se seguem, a larga distância, as obras de filosofia e de alquimia. Só depois vêm as peças de teologia. Quanto aos escritos sobre zoologia que lhe são apontados, afiguram-se residuais no conjunto da sua produção intelectual. Há ainda a assinalar uma obra, em tudo excêntrica ao resto da sua produção, um curioso tratado, em verso, sobre os elementos atmosféricos.

No campo dos saberes médicos, Pedro Hispano comentou praticamente todas as principais autoridades em que assentava a aprendizagem nas escolas medievais de medicina, de acordo com o elenco estabelecido pela famosa escola médica de Salerno, fundada no século X, e que teve um enorme impacto na evolução da história da medicina. Quanto à adesão à alquimia, diga-se que o interesse pela química medieval era, no período, inseparável do mundo do ocultismo e das ciências ocultas, o que lhe valeu, em alguns círculos, a pejorativa e controversa reputação de mago.

Por outro lado, foi num contexto de grande efervescência intelectual, marcado pela recuperação no Ocidente de obras perdidas de Aristóteles, que Pedro Hispano redigiu os manuscritos filosóficos responsáveis por lhe assegurar um lugar na história da Filosofia. Entre os trabalhos que lhe são imputados com mais insistência e segurança, o Tesouro dos Pobres (Thesaurus pauperum), no domínio das ciências médicas, e as Súmulas de Lógica (Summulae logicales), no ramo da lógica, são indiscutivelmente os mais famosos e celebrados.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here