Início História Os 17 povos que deram origem aos portugueses

Os 17 povos que deram origem aos portugueses

Somos muitos mais do que Lusitanos e são muitos os povos que estão na origem dos portugueses. Descubra os 17 povos que são os antepassados de Portugal.

151481
37

13. Muçulmanos

A presença muçulmana em Portugal durou 500 anos, sendo assim natural que tenha deixado uma forte herança. Temos alguns bairros em Portugal que preservam o mesmo aspecto do tempo dos muçulmanos (como a Mouraria e Alfama), e a casa tradicional do Alentejo e Algarve (chaminés e açoteias) com o estilo muçulmano.

Mouros
Mouros

Na agricultura, o tanque, a nora e os canais de rega foram invenções islâmicas. Trouxeram árvores/alimentos como a oliveira, limoeiro, laranjeira, abóbora, cenoura, arroz e a figueira. Também nos doces há intervenção muçulmana: arroz doce, aletria, açúcar. No nosso actual vocabulário, quase todas as palavras que começam por Al têm origem muçulmana.

 

14. Africanos

Embora seja um pormenor desconhecido pela maioria dos portugueses, a zona do vale do Sado foi povoado por escravos negros. É frequente atribuir-se ao Marquês de Pombal a iniciativa de promover a fixação de populações negras no vale do Rio Sado. Mas não é verdade. Existem registos paroquiais e do Santo Ofício que referem a existência de uma elevada percentagem de negros e de mestiços em épocas muito anteriores a Pombal. Segundo tais registos, já no séc. XVI havia pessoas de cor negra vivendo nas terras de Alcácer.

mulatos do Sado
Mulatos

No séc. XVI, muitos portugueses embarcavam nas naus, o que agravava ainda mais o défice demográfico existente. Terá sido esta a razão por que, naquela época, os proprietários das férteis terras banhadas pelo Sado terão resolvido povoá-las com negros, comprados nos mercados de escravos. Os mulatos do Sado dos nossos dias são, portanto, descendentes desses antigos escravos negros.

 

15. Ciganos

Segundo alguns documentos, os ciganos estão radicados em Portugal há cerca de 500 anos, tendo vindo do Nordeste da Índia. Um movimento migratório feito através de longas caminhadas e que levou alguns grupos a ficar pelos países que estavam nas suas rotas de passagem. Esses movimentos originaram a apropriação de culturas e línguas diferentes, mas com raízes comuns. A história dos ciganos em Portugal nunca foi fácil.

Ciganos
Ciganos

O primeiro grupo que chegou a Portugal em meados do século XV terá causado alguma estranheza, devido ao facto de ser um povo com uma língua estranha e que se vestia de forma exótica, com hábitos e culturas diferentes. Factores que tanto atraíam o interesse da sociedade, como também afastavam. Tal como acontece, de um modo em geral, nos dias de hoje.

 

16. Franceses

Em 1199 D. Sancho I doa a Herdade da Açafa à Ordem do Templo, este território era delimitado, de modo muito sumário a norte pelo Rio Tejo e a sul detinha parte do território dos actuais concelhos de Nisa, Castelo de Vide e parte do território espanhol junto à actual fronteira. Estas doações tinham como objectivo fixar moradores em zonas ermas e despovoadas e consequentemente defender o território. Os Templários edificaram uma fortaleza que os defendesse dos infiéis e sinalizava a posse desses territórios.

vilas mais bonitas de Portugal
Castelo de Vide

Ao mesmo tempo o monarca anuncia a vinda de colonos franceses, que chegaram de forma faseada, sendo o último grupo destinado ao povoamento do território da Açafa. Instalaram-se junto das fortalezas construídas pelos monges guerreiros e aí ergueram habitações, fundaram aglomerados populacionais a que deram o nome das suas terras de origem. É neste sentido que surge possivelmente o de Nisa, ou seja sendo os primeiros habitantes oriundos de Nice, ergueram aqui a sua “ Nova Nice” ou melhor dizendo, a Nisa a Nova, que encontramos nos documentos, e quando surge o termo Nisa a Velha, este refere-se à sua antiga terra de origem, a Nice francesa.

 

17. Cónios

Os cónios (Francês, Occitano, Piemontês Coni, italiano Cuneo, Latim Conii) eram os habitantes das actuais regiões do Algarve e Baixo Alentejo, no sul de Portugal, em data anterior ao séc. VIII a.C., até serem integrados na Província Romana da Lusitânia. Inicialmente foram aliados dos Romanos quando estes últimos pretendiam dominar a Península Ibérica.

Cromeleque dos Almendres
Cromeleque dos Almendres

A origem étnica dos cónios permanece uma incógnita. Para os defensores das teorias linguísticas actualmente aceites; a origem comum na Anatólia ou no Cáucaso das línguas europeias e indianas: ou seja, línguas indo-europeias, os cónios teriam uma origem celta, proto-celta, ou pré-céltica ibérica. Estas teorias, relativamente recentes, foram facilmente aceites, principalmente, por aqueles que registavam qualquer ligação dos europeus a África. Antes da teoria da origem caucasiana, muitos europeus julgavam-se descendentes de Jafé, conforme escrito na Bíblia, no livro de Génesis 10:5. Cronistas da antiguidade grego-romana, enumeram mais de 40 tribos ibéricas, entre elas a tribo cónia, como sendo descendentes de Jafé, pai dos europeus.

37 COMENTÁRIOS

  1. Matéria maravilhosa, talvez artigos futuros possam detalhar de forma individual cada um destes povos. Principalmente os judeus que devem render boas reflexões

  2. A calçada à portuguesa só terá a ver com a estrada romana na medida em que o solo é sobreposto com pedra. Na calçada à portuguesa são utilizados o calcário, o basalto e o granito. Na calçada romana é utilizada a pedra como lage, continuada conforme a forma inicial não sendo aparada, o que não acontece com o modo da aplicação da calçada à portuguesa em que as peças são preparadas e ajustadas previamente. A primeira vez que se utilizou este processo terá sido em Lisboa, utilizando-se granito e basalto e outras pedras escuras a fim de esconder a sujidade do piso. É certo que usamos o método romano, utilizando a lage mas não é linear dizer que foi a partir dele que nasceu a calçada à portuguesa. Os Romanos usaram o ladrilhado com peças pequenas mas nunca o usaram em piso destinado a estrada.

  3. Boas!
    Sucinto mas cativante, no entanto realço a falta de alguns povos relevantes, a denominação não muito clara de alguns dos mencionados e também a desordem cronologica da presença destes povos.
    Falta mencionar pelo menos – a origem dos Iberos (hoje Bascos), possivelmente vindos das montanhas do Caucaso.
    Com a queda do Império Romano passaram pelo território hoje de Portugal os Álanos e os Vândalos.
    Os aqui mencionados muçulmanos são uma referência ultra simplista dos povos que se instalaram em Portugal, pois neste período a maioria da população era nativa e eram conhecidos por Moçarabes pelos cristãos e Romanos pelos muçulmanos, mas não podemos esquecer a enorme contribuição dada pelos povos de origem Berber que chegaram neste período junto com gentes das mais diversas origens como do Iraque, Irão, Síria e Iémen.
    Chamar de franceses às gentes de Nice do século XII é muito forçado pois nem francês esta gente falava, melhor dizer Occitanos ou Languedoquianos, neste período e até posteriormente muitos Galegos também se instaláram por cá. Franceses instaláram-se muitos nos Açores durante o período do povoamento junto com Flamengos.
    Bem haja!

  4. Os hábitos tem muita força e pelos vistos continua-se a acreditar numas conclusões resultantes de demasiada simplificação da história que não corresponde ao perfil genético da actual população!
    Os romanos tiveram talvez o maior impacto cultural e 8 séculos de ocupação depois os bárbaros e o império dos árabes que também deixou o seu impacto no desenvolvimento cultural .curiosamente o impacto na descendencia genétuca não ckrresponde nem á longa permanência destes impérios nem á maior influencia e rastos culturais!.
    Haverá assim e muito que distinguir duas caracterusticas fundanebtaus da população de um dado território uma a da cultura e a outra da herança biológica e as suroresas sào muitas e bem diferenciadas dos preconceitos existentes!

  5. O apagamento da origem principal dos portugueses é constante. É ideológico, político, portanto. Ao escrevrem isro:
    “Ao norte do Douro limitavam com os galaicos e astures – que constituem a maior parte dos habitantes do norte de Portugal – na província romana de Galécia”
    e ao juntarem estes povos (os galaicos) nas nossas origens, duas conclusões se retiram: “a maior parte dos habitantes do Norte de Portugal” (mais de 3 milhões) não contam segundo o autor para as origens dos “portugueses”; a segunda, até parece que o facto da reconquista ter sido feita a partir do Norte e, consequentemente, ter havido uma leva enorme de “galaicos” para sul, não conta também para nada.
    Nada que nos admire, só falta dizer que Portugal nasceu do nada, por obra e graça do Espírito Santo.

    • Ideológico é o seu comentário.

      O título é os 17 povos que derem origem aos portugueses. Como deve saber já cá havia gente antes da nacionalidade. A ancestralidade da maioria dos actuais portugueses não começa com a reconquista.

      Pronto, para ficar satisfeito pede-se à VortexMag para fazer um artigo sobre os Galaícos.

      • A única coisa positiva a retirar do seu comentário é que não se estendeu muito para dizer absolutamente nada. Nada como intelectuais de pacotilha. Leia de novo o comentário do leitor a ver se compreende. Após várias tentativas é capaz de conseguir. Não desista.

    • Os Galaicos não são Celtas? A matéria fala nos Celtas. Pronto já pode ficar mais satisfeito.

      O seu grande problema idiológico é Lisboa ser a capital de Portugal.

    • Mas é mesmo: ainda faltam os Túrdulos, os Turdetanos, os Vetões, os Draganos, entre tantos, tantos outros. E já nem falo nas sub-etnias dentro de cada um desses povos (os celtas dividiam-se em inúmeras sub-etnias e tribos, o mesmo com os Iberos, etc). Enfim, um mosaico muito mais denso do que o mostrado neste artigo…

  6. A história (os vestígios) dos Fenícios em Portugal
    é bastante mais do que isso. Parece não haver a mínima dúvida
    que foram eles quem fundou Lisboa, mas não só.

  7. na verdade estudei historia universal,mas falarem de gregos e fenicios e nao meterem cartagineses,ja me faz duvidar ,pergunto alguem nos enganou (professores ) durante anos?,nao falam em celtas celtiberos etc ,quem quer protagonismo,como podem falar em factos que nao existem,nao ha memorias ,deixem a hsitoria como estava e ensinem aos alunos de hoje ,faziam u mgrande favor aos Portugueses,so queria que este senhor que inventou alguns nomes aqui,disse-se em que enciclopedias viu alguns nomes e so farsas e farsantes

  8. Faltam os Suevos, que depois da queda do império romana, fixaram-se no nordeste da Península Ibérica. O reino Suevo compreendia os territórios da atual Galiza e Minho, sendo Bracara Augusta (Braga), cidade anteriormente fundada pelos romanos, a capital.

  9. Fenícios, Romanos, Árabes (Moçarabes e Barberes incuídos) e Visigodos foram os principais povos que deixaram marcas no atual território português que ainda preduram até aos nossos dias.

  10. Finícios, Gregos, Romanos, Árabes (com Moçárabes e Barberes incuidos) e Visigodos foram estes os povos que deixaram marcas no atual território português que preduram até aos nossos dias.

  11. Muçulmanos não são “um povo”, mas uma religião, por assim dizer. Melhor seria dizer berberes, mouros e árabes. Boa matéria, fácil e de leve leitura

  12. Erro (falta) indesculpável:
    Aqui falta a menção à Turdetânia, muito antes dos fenícios e ao tempo helenístico, com pegada até Alcácer do Sal.
    Os turdetanos, foram de facto quem primeiro viveu em larga escala toda uma área que se projectava até ao rio Guadalquivir (Sevilha).

  13. GOSTEI DE TODOS ESTES COMENTÁRIOS. AFINAL …..A HISTÓRIA ESTÁ MUITO VIVA. DIZ-SE POR AÍ QUE A HISTÓRIA ESTÁ MUITO DESPREZADA, DIMINUIÇÃO DE TEMPOS LECTIVOS NAS ESCOLAS, ETC. – SERÁ VERDADE????

  14. é pá… quando se fala na origem primeiro penso no condado portucalense… que pelo que entendi sao grovios… nem celtas nem lusos nem tanas…

  15. Os mouros estiveram em Portugal logo apos a queda do imperio romano. Estes , romanos, sua presença foi hostil aos locais.Quanto aos mouros, estiveram apenas elites militares mouras e não como se diz grandes quantidades de população moura entre nos. A relação com os mouros foi relativamente pacifica ao contrario desta com os Romanos. O envolvimento familiar entre mouros e locais , era ficcional na medida que muculmanos e povos lusitanos e povos ibericos não pertenciam a mesma cultura religiosa.Lisboa foi uma cidade ocupada por arabes todavia foi lusitana e não moura. Os Portugueses são fundamentalmente de origem celtibera, visigotica , sueva muito embora tenham sido influenciados por outros povos que aqui passaram.

  16. faltou mencionar os celtas gauleses bretões, porque os lusitanos eram galaicos , e todos estes povos eram das origens ibéricas-hispânicas que foram para as ilhas britânicas . Se bretões, gauleses, celtas são de raça hispânica , subentende-se que são espanhóis de raça, e se os lusitanos são galegos também são espanhóis . Então não podemos esquecer de mencionar o rei Arthur e os Percival, lancelote , etc … , . Haja tanta idiotice sobre estes celtas , bretões e lusitanos são todos uma rebostalha espanhola . assim LSouza

  17. A maior falta é dos Turdetanos. Um povo muito interessante, e para mim como filho de Loulé onde foram encntradas bastantes lapides deles, são demasiado desconhecidos Bom artigo..

  18. OS mouros estiveram na peninsula Iberica quase 800 anos e nao 500 anos nos.Nos primeiros anos os ibericos podiam praticar outra religiao mas tinham de pagar um imposto mas em ‘pouco tempo’ Toda a iberica era muculmana. Portugal esta em 5 lugar na lista dos paises com mais ADN arabe e espanha esta em 10.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here