Início Viagens Os 12 melhores locais para visitar em Sevilha

Os 12 melhores locais para visitar em Sevilha

Uma cidade apaixonante onde pode ver desde monumentos árabes até arte contemporânea. Descubra os melhores locais para visitar em Sevilha, Espanha.

42131
1

9. Centro Andaluz de Arte Contemporânea

O Centro Andaluz de Arte Contemporânea (CAAC) é um museu dedicado à arte contemporânea localizado em Sevilha, sob alçada do Ministério da Cultura da Junta de Andaluzia. Desde 1997 baseou-se no mosteiro de Santa María das Cuevas, também conhecido como La Cartuja, um espaço recuperado para a Exposição Universal de 1992. Foi inaugurado em 1 de Janeiro de 1998, embora já tenha sido criado em 1990 e é um dos principais espaços da Andaluzia que abriga arte contemporânea, tanto de forma contínua como através de várias exposições temporárias. O museu tem mais de 3.200 obras de arte. Desde 2014, seu director é Juan Antonio Álvarez Reyes.

Centro Andaluz de Arte Contemporânea
Centro Andaluz de Arte Contemporânea

Antes de se transformar num mosteiro, os Almoádas no século 12  usaram-no colocando fornos de cerâmica no local, aproveitando sua localização ao lado do rio e tendo em vista a abundância de argilas existentes que o extraíram ao esculpir covas (mais tarde continuariam com a extracção de argila também os oleiros de Triana). Uma lenda de cerca de 1248 diz que uma imagem da Virgem Maria foi encontrada em uma das covas (supostamente escondidas durante a era muçulmana). Nesta área, foi construído o Mosteiro de Santa María de las Cuevas, onde esta imagem foi colocada.

 

10. Metropol Parasol

Projectado por Jürgen Mayer H. Architects, o projecto torna-se um novo ícone para Sevilha; é um lugar de identificação que pretende potenciar Sevilha como um dos destinos mais fascinantes do mundo da cultura. Metropol Parasol explora o potencial da Plaza de la Encarnación de se tornar um novo centro urbano contemporâneo; seu papel como um espaço urbano único dentro da densa trama urbana da cidade medieval de Sevilha permite uma variedade de actividades recreativas e comerciais.

Metropol Parasol
Metropol Parasol

Através de uma impressionante estrutura de madeira, a cidade ganhou um museu, um mercado, uma praça elevada, bares e restaurantes dentro dos guarda-sóis, além de um terraço panorâmico no topo da estrutura. A estrutura total – que conforma seis quebra-sóis em forma de cogumelos – mede aproximadamente 150m de extensão, 75m de largura e 28m de altura, a partir de uma rede ortogonal de 1,5×1,5m.

 

11. Palácio da Condessa de Lebrija

O palácio começou a ser construído no século XV e após vários donos só após 1901 quando foi vendido à Condesa de Lebrija e o restaurou e lhe deu uma nova época de esplendor. O palácio é uma típica casa senhorial sevilhana com um pátio rodeado de magníficos salões e um andar superior com acomodações mais aconchegantes para o frio do inverno.

Palácio da Condessa de Lebrija
Palácio da Condessa de Lebrija

A condessa como uma mulher culta foi recheando o palácio com uma vasta colecção de achados arqueológicos e de obras de arte que hoje podemos apreciar na visita com grande destaque para o mosaico romano que cobre o chão do pátio principal. É um encanto uma pessoa perder-se nos vastos salões da propriedade e apreciar a valiosa colecção que ali se encontra e mais uma vez nem damos pelo passar do tempo e está na hora da visita guiada aos aposentos superiores onde infelizmente não podemos tirar fotos às suas sala ricamente decoradas.

 

12. Casa de Pilatos

Se Sevilha encanta com o seu autentico labirinto de ruas no seu centro histórico a curiosidade de saber o que se encontra por detrás das suas paredes e conhecer o interior das grandes casas andaluzes então está na hora de abrir o mapa, treinar o espanhol e meter pernas à estrada. Praticamente dissolvido no emaranhado de ruas do casco histórico encontra-se uma verdadeira pérola dos palacetes sevilhanos Casa de Pilatos. A história desta magnifica “casa” remonta aos séculos XV e XVI quando se deu o inicio da sua construção por cima do que fora noutros tempos um palácio mudejar que foi sendo aumentada com sucessivas compras de outras casas e solares que a rodeavam o que resultou na adição de salões, pátios e jardins no que foi a maior residência privada de Sevilha. O nome de Casa de Pilatos nasce após uma peregrinação a Jerusalém de Don Fradique Enriquéz.

Casa de Pilatos
Casa de Pilatos

Vários anos de história ditaram o que conhecemos hoje deste palácio no qual se destacam dois estilos o italiano e o mudejar para o qual foram chamados artesão do reino de Granada para executar os intrincados estuques e os coloridos azulejos em maravilhosos salões espalhados pelos 10 mil metros quadrados de todo o conjunto. Para lá do portão de mármore que serve de singela entrada ao palácio, somos recebidos num imaculado pátio andaluz com uma fonte refrescante bem no seu centro. Em redor do pátio abrem-se colunatas de um intrincado estuque de estilo árabe e varandas com uma galeria com bustos de personagens importantes da antiguidade. Se tanto branco nos ofusca ante o sol do sul de Espanha são nas paredes que se encontram os maiores tesouros dos azulejos mouriscos que decoram aquele espaço.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here