Início Viagens Os 12 melhores locais para visitar em Guimarães

Os 12 melhores locais para visitar em Guimarães

Este é o berço da nação e captou as atenções do mundo desde que passou a ser Património da UNESCO. Conheça os 12 melhores locais para visitar em Guimarães.

4

5. Igreja da Nossa Senhora da Oliveira

A Igreja de Santa Maria de Guimarães era como se denominava no século XII, depois Santa Maria da Oliveira, e a partir de meados do século XIV, cabeça de Insigne e Real colegiada de Nossa Senhora da Oliveira, que se diz fundada por D. Afonso Henriques, era certamente nos seus inícios, no século X, templo latino bizantino, com sucessivas reedificações, românica (séc. XIII), gótica (séc. XIV) e neoclássica (séc. XIX), sendo ainda hoje o gótico da reforma de D. João I o estilo nela dominante. Exteriormente, a portada e o frontão gótico-flamejante são desse período joanino. O frontão é, nem mais nem menos, do que uma sugestão, aliás profunda, do altar de prata, em forma de tríptico, que os portugueses conquistaram aos castelhanos na batalha de Aljubarrota. E no frontão, vêem-se as figuras em vulto de D. João I e da Rainha D. Filipa de Lencastre.

Igreja da Nossa Senhora da Oliveira
Igreja da Nossa Senhora da Oliveira

O arco da porta principal, sob este frontão, é de volta e arquivoltas, com ornamentação de bilhetas e rosetas; assenta em três colunas e um cogumelo de cada banda, com capitéis antropomórficos e zoomórficos. Na cruz terminal do frontão, as armas de D. João I. A torre também não é já a de reedificação de D. João I. Foi começada a levantar pelo Dr. Pedro Esteves e por sua mulher Isabel Pinheira, e concluída, à roda de 1513 por seu filho D. Diogo Pinheiro. Tem na sua frontaria uma bela janela Manuelina, encimada por um escudo esquartelado de Pinheiros, Lacerdas, Pereiras e Lobos, com a respectiva inscrição. Estas armas foram aqui postas por D. Diogo Pinheiro, administrador desta capela.

 

6. Praça de Santiago

Praça bastante antiga, referida ao longo do tempo em vários documentos, conserva ainda a traça medieval. Segundo a tradição, uma imagem da Virgem Santa Maria foi trazida para Guimarães pelo apóstolo Santiago, e colocada num Templo pagão, dedicado a Ceres, num largo que passou a chamar-se Praça de Santiago. Foi nas suas imediações que se instalaram os francos que vieram para Portugal em companhia do Conde D. Henrique.

Praça de Santiago
Praça de Santiago

Este último terá autorizado a construírem ali mesmo uma capela, dedicada ao apóstolo. Na verdade, aqui estava situada uma pequena capela alpendrada do séc. XVII, dedicada a Santiago, que foi demolida em finais do séc. XIX. Uma intervenção realizada no início da década de 1990 restituiu a este espaço a fisionomia medieval e seis-setecentista que a caracterizam. Todos os anos se realizam aqui feiras medievais ou quinhentistas.

 

7. Largo da Oliveira

O Largo da Oliveira, durante séculos, foi o coração do burgo vimaranense e muitos Reis, nobres e priores da Colegiada, ali deixaram gravada, na pedra, a marca da sua personalidade e do seu zelo. É por demais conhecida a história dos monumentos que enquadram este recatado Largo que, em séculos anteriores, viu surgir um acentuado estilo de casas alpendradas, repletas, a partir dos primeiros pisos, de travejamentos de madeira, protegidas a estuque, que o decorrer dos anos foi degradando e obrigando a alterações… Do lado nascente, a igreja de Nossa Senhora da Oliveira está assente sobre fundações de um primitivo mosteiro, do século IX. A Condessa de Mumadona fundou este Mosteiro, dedicado a Santa Maria de Guimarães, foi reconstruído pelo Conde D. Henrique e foi instituído em Colegiada pelo primeiro Rei de Portugal D. Afonso Henriques. Mais à frente deparamos com o Padrão do Salado, alpendre gótico erguido no reinado de D. Afonso IV para comemorar a Batalha do Salado, em 1340.

Guimarães

O «arco do triunfo» de Guimarães também está neste Largo, isto é, os antigos Paços do Concelho. Esta construção em arcos teve início no reinado de D. João I, século XIV tendo sido remodelada no século XVII. Actualmente, nos Paços do Concelho funciona o Museu de Arte Primitiva Moderna. Passando os claustros dos Paços do Conselho, onde se estendiam alguns vendedores de artigos vários, chegamos à Praça de Santiago. Aqui, é crime não se parar numa das esplanadas para se saborear uma bebida ao som de tudo que lá se passa e passou… Está tudo extremamente bem tratado: por momentos, parece-nos que nos esquecemos que estamos em Portugal, país onde existe a rua mais poluída da Europa, o rio mais poluído da Europa… A cidade parece um brinquedo e nós fazemos parte dela.

 

8. Santuário da Penha

Esta montanha é o ponto mais alto nas redondezas (com aproximadamente 617 metros acima do nível do mar) e localiza-se a 7 km do centro histórico de Guimarães, no Norte de Portugal. Este pico arborizado é o local ideal para uma pausa da cidade e do calor no Verão. A paisagem apresenta pedregulhos enormes cobertos de flores, onde as crianças podem brincar em segurança. Também existem na área cavernas ocultas por explorar. A zona é dotada de excelentes infra-estruturas e instalações como: um centro equestre, áreas para piquenique, restaurantes, bares, cafés, minigolfe, trilhos, etc…

Santuário da Penha
Santuário da Penha

No topo da montanha está localizado o Santuário da Penha, símbolo de fé e farol de Guimarães. Um monumento de singular beleza e valia arquitectónica e religiosa. Para chegar ao local dispõe de duas opções: seguir por uma estrada asfaltada e sinuosa ou por um antigo teleférico que parte do Parque das Hortas, a cerca de 600 metros do centro histórico de Guimarães. (Preço de ida e volta 4,50€. Horários: de Segunda a Sexta das 10:00 às 19:00h; de Sábado a Domingo, das 10:00 às 20:00h.) Poderá ainda deslocar-se de autocarro, pelas carreiras 51 ou 52, contudo não são muito utilizadas/frequentes. Relativamente próximo (cerca de a 1,5 km da montanha) encontra-se o Mosteiro de Santa Marinha da Costa, também um interessante local para visitar!

4 COMENTÁRIOS

  1. Muito bom. Contudo, que fontes posso consultar para informações acerca da Zona dos Couros de Guimarães, no Século 19? Por favor.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here