Início Viagens Os 12 melhores locais para visitar em Genebra

Os 12 melhores locais para visitar em Genebra

É a sede de muitas organizações internacionais e tem muito para descobrir. Estes são os melhores locais para visitar em Genebra, na Suíça.

4158
0

5. Museu de Arte e História

Uma enciclopédia das culturas desde a pré-história até a época contemporânea. De natureza multidisciplinar, o conjunto dos Museus de Arte e de História convida os visitantes a fazer uma viagem através do tempo, demarcada pelas grandes etapas da história das civilizações ocidentais.

Museu de Arte e História
Museu de Arte e História

Inaugurado em 1910, o Museu de Arte e de História está entre os três maiores museus da Suíça. Ele é o único a reunir colecções de áreas tão diversificadas como a arqueologia, artes aplicadas e belas artes. Fruto da reunião de vários museus regionais, doações de coleccionadores, de fundações e de cidadãos esclarecidos, a riqueza do museu é ainda mais realçada pela presença de grandes obras e de séries únicas que o transformam em uma instituição de referência internacional.

 

6. Capela dos Macabeus

Os antigos caminhos de paralelepípedos da parte antiga da cidade abrem caminho para um dos pontos turísticos exclusivos de Genebra, a Capela dos Macabeus. Esta colorida capela gótica está localizada na ala sudoeste da Catedral de St. Pierre. Foi construída no século 15 como um túmulo para Jean de Brogny e a sua família, um cardeal que serviu sob o papa Clemente VII. A Capela dos Macabeus ou a capela de Notre-Dame foi convertida num armazém durante a Reforma para armazenar sal e pólvora, mas no final do século XVII, foi usada como palco de palestras sobre filosofia pela Academia da Universidade de Genebra.

Capela dos Macabeus
Capela dos Macabeus

Este período viu uma mudança no aspecto da capela já que foram construídos três outros andares interiores para acomodar as massas. Hoje, os visitantes podem assistir a espectáculos que são realizados neste edifício histórico e é usado até mesmo para casamentos e cerimónias familiares. A capela foi renovada no século XIX em estilo neo-gótico. A capela-mor foi redecorada exibindo o tema do coro celestial que reflectia os afrescos originais do seu passado glorioso, um tempo antes da austeridade ser introduzida por João Calvino enquanto ele pregava o protestantismo aos cidadãos desta cidade.

 

7. Museu Internacional da Cruz Vermelha

Em Genebra, o berço da Cruz Vermelha, está localizado o único museu dedicado à obra de Werk Henry Dunants. O edifício inaugurado em 1998, que se encontra em frente ao Palais des Nations, foi totalmente reconstruído em 2013. Emoções, descobertas, reflexões: o museu oferece uma possibilidade única de ficar com uma ideia mais clara do trabalho humanitário. A nova exposição permanente “Das humanitäre Abenteuer” (A aventura humanitária) é composta por três unidades temáticas, que foram projectadas por arquitectos de renome internacional de diferentes culturas: defender a dignidade humana (Gringo Cardia, Brasil), restaurar os laços familiares (Diébédo Francis Kéré, Burkina Faso) e reduzir os perigos naturais (Shigeru Ban, Japão).

Museu Internacional da Cruz Vermelha
Museu Internacional da Cruz Vermelha

Doze testemunhas dos nossos tempos acompanham os visitantes durante a exibição. Alguns destaques: o registo da Agência internacional de prisioneiros de guerra entre 1914 e 1923 foi considerado Património Documental da Humanidade pela UNESCO. Com o jogo “Wirbelsturm” (Ciclone), é possível testar as actividades de preparação para desastres naturais. Uma cronologia interactiva proporciona um olhar retrospectivo em nove telas sensíveis ao toque para 150 anos de história. O foco encontra-se presente no olhar sobre a actividade da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho em todo o mundo.

 

8. Jardim Inglês

O Jardim Inglês de Genebra, Suíça, fica do lado nascente da Ponte do Monte Branco. Criado em 1854 é um dos parques da cidade mais frequentados pelos turistas, devido á sua posição central na cidade e junto á ligação obrigatória entre as duas partes da cidade pela ponte do Monte Branco .

Jardim Inglês
Jardim Inglês

Diz-se que o nome de jardim inglês teve origem no local onde os turistas ingleses, que aliás estão na base do turismo na Suíça e dos desportos de inverno nos Alpes , vinham passear junto ao Lago Leman que se termina nesta cidade. No próprio jardim encontra-se o monumento nacional, a fonte das quatro estações de 1862, uma obra do escultor parisiense Alexis André, um kiosque à musique (coreto) do fim do século XIX, e o busto do pintor François Diday por Frédéric Dufaux.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here