Início Viagens Os 12 melhores locais para visitar em Burgos

Os 12 melhores locais para visitar em Burgos

É conhecida sobretudo pela sua imponente Catedral, uma das mais belas de Espanha. Estes são os melhores locais para visitar em Burgos.

2392
0

9. Hospital do Rei

Burgos é uma das cidades fundamentais do Caminho Francês, o mais popular e famoso dos Caminhos que levam a Santiago de Compostela. Na Idade Média, o fluxo de peregrinos era intenso, de forma que foi necessária a construção de centros assistenciais para auxiliar aqueles que realizavam o caminho. Um dos mais importantes de toda a rota jacobea, o Hospital del Rey encontra-se na saída da cidade… Este hospital foi fundado pelo Rei Alfonso VIII de Castilla e pela sua esposa Leonor no ano de 1195. A sua construção reflecte a importância de Burgos na Idade Média, e desde a sua fundação até ao século passado esteve governado pelo Real Monastério de las Huelgas, situado próximo ao hospital.

Hospital do Rei
Hospital do Rei

Antes de entrar no hospital, construiu-se uma Ermita, dedicado a Santo Amaro, e um cemitério, onde os peregrinos falecidos eram enterrados. No século XV, o Hospital del Rey chegou a contar com 87 leitos, um número considerável para a época. A sua excelente estrutura fez com que fosse considerado o melhor centro assistencial de todo o Caminho de Santiago. A igreja actual é barroca e data do século XVII. Durante a Guerra Civil Espanhola do século XX (1936/1939), o Hospital del Rey foi utilizado pelo bando nacionalista como hospital das tropas marroquinas que integravam o exército de Franco. Construiu-se, inclusive, uma mesquita, que infelizmente não se conservou.

 

10. Mosteiro de las Huelgas

Outra instituição religiosa de capital importância medieval na cidade de Burgos é o famoso Monastério de Santa María La Real de Las Huelgas. Como o próprio nome indica, o mosteiro é uma fundação real, criado por Alfonso VIII (1156/1204) e pela sua esposa, a rainha da Inglaterra, D. Leonor de Aquitânia (1160/1214). O mosteiro fazia parte de um complexo residencial no qual o rei Alfonso VIII pudesse ter um Panteão Real para ele e para os seus descendentes. D. Leonor, no entanto, desejava transformá-lo numa abadia feminina, que estivesse submetida somente à autoridade do Papa. Finalmente, ambos conseguiram concretizar os seus desejos, pois no interior do mosteiro encontra-se o sepulcro dos monarcas, sendo considerado o mosteiro feminino pertencente à Ordem Cistercense mais poderoso e influente da Espanha. Neste mosteiro estiveram como religiosas boa parte das damas castelhanas na Idade Média. A sua abadessa chegou a possuir poderes extraordinários sob um amplo território, incluindo 14 povoados grandes e 50 pequenos.

Mosteiro de las Huelgas
Mosteiro de las Huelgas

No seu interior celebraram-se cerimónias solenes de armamento como cavalheiros de muitos dos Reis de Castela, como Fernando III, Alfonso X, Alfonso XI, Enrique II e Juan I. Nas margens do Rio Arlanzón existia no séc. XII um lugar chamado Huelgas del Rey, que foi escolhido por Alfonso VIII para a fundação do mosteiro. Este termo, de uso corrente na Idade Média, designava as comarcas de pasto para o gado que não se dedicavam ao trabalho (denominadas de Huelgo). O nome estendeu-se ao mosteiro e ao terreno onde estava situado. Em 1187, o Papa Clemente III concedeu a bula de aprovação para a fundação do Monastério de las Huelgas, dedicado a Santa Maria, e no mesmo ano o rei outorgou a carta fundacional sob a regência da Ordem Cistercense. Doze anos depois, os fundadores entregaram o mosteiro às religiosas, com uma cláusula de que ele e os seus sucessores fossem enterrados no local.

 

11. Casa do Cordão

Este impressionante edifício foi construído por Simon de Colónia nos anos 80 do séc. XV, por encargo do Condestable de Castilla D. Pedro Fernández de Velasco e sua esposa Doña Mencia de Mendoza. A Casa del Cordón foi ampliada nos séculos XVI e XVII e o seu nome originou-se pelo cordão franciscano que decora a sua fachada. Em 1853 construíram-se as torres e os imponentes balcões foram feitos por Vicente Lampérez no começo do séc. XX. O interior do palácio articula-se por um grande pátio construído nos finais do séc. XV. Actualmente, o edifício é a sede de uma instituição financeira. A Casa del Cordón foi residência real e cenário de acontecimentos transcendentes tanto para a Espanha, quanto para o mundo, pois nela os Reis Católicos receberam Cristóvão Colombo quando regressou depois da sua segunda viagem a América.

Casa do Cordão
Casa do Cordão

Anos depois, os monarcas receberam Gonzalo Fernández de Córdoba, conhecido como “El Gran Capitán”, graças às vitórias militares que obteve em solo italiano, que proporcionaram uma ampliação dos territórios da Coroa Espanhola. Na casa faleceu também o rei Felipe Hermoso em 1506, esposo da conhecida Juana, filha dos Reis Católicos e herdeira do Reino de Castilla, mas que foi impossibilitada de assumir o trono depois da morte de sua mãe a rainha Isabel la Católica, pela instabilidade da sua personalidade, cujo apelido se tornou conhecido para a posteridade como Juana “La Loca”.

 

12. Igreja de San Nicolás de Bari

O riquíssimo património histórico e artístico de Burgos muitas vezes é “eclipsado” pela beleza da sua catedral. Dessa forma, muitos monumentos de um extraordinário valor tornam-se desconhecidos para a maioria dos visitantes que chegam à cidade. Um exemplo é a Igreja de San Nicolás de Bari, situada em frente à Praça de Santa Maria, aberta aos pés da catedral desde o séc. XV, quando várias casas foram derrubadas para a sua construção. No entanto, o aspecto actual da praça é do séc. XVII, quando foi colocada a Fonte da Virgem com o Menino Jesus rodeado por querubins, realizada pelo artista Clemente de Quintana.  Apesar de ser uma das igrejas mais antigas de Burgos, muitos desconhecem as impressionantes obras que possui. A sua existência está documentada desde 1163, mas o templo actual foi erguido a partir de 1408, quando foi patrocinada pela família López Palanco como local para o seu sepultamento. Os membros desta nobre família sentiam especial devoção por San Nicolás, padroeiro dos navegantes, já que eram proprietário de um navio mercante.

Igreja de San Nicolás de Bari
Igreja de San Nicolás de Bari

Da sua sóbria arquitectura exterior destaca-se a portada composta por um arco gótico, arquivoltas decoradas e o tímpano, com uma representação de San Nicolás na cátedra, acompanhado por São Sebastião e o burgalês San Vitores. Mas o que realmente impressiona qualquer pessoa que visite o seu interior é o Retábulo Maior da igreja, projectado por Simon de Colónia e executado pelo seu filho Francisco de Colónia. Esta família de artistas deixou um maravilhoso legado de seu trabalho na Catedral de Burgos. Este retábulo feito de pedra em 1505 é considerado um dos mais espectaculares de todo o património espanhol. Nele vemos na sua parte central uma estátua de San Nicolás rodeado por 8 cenas que nos contam episódios da sua vida e alguns dos milagres a ele atribuídos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here