Início Viagens Os 12 melhores locais para visitar em Arraiolos e arredores

Os 12 melhores locais para visitar em Arraiolos e arredores

É uma das mais bonitas vilas do Alentejo e um autêntico tesouro por descobrir. Estes são os melhores locais para visitar em Arraiolos e arredores.

0

9. Estremoz

Cidade Alentejana, sede de concelho, Estremoz é conhecida pela “cidade branca” do Alentejo, em parte devido ao seu branco casario espalhado pela colina, mas também pelas suas jazidas de mármore branco, com uma exploração tão antiga e conceituada, de tal modo que esta região contribui em 90% para o facto de Portugal ser o segundo maior exportador de mármore do mundo. A sua importância histórica e o reconhecimento como localidade são marcos bem antigos, já tendo sido importante na época da ocupação Romana e Muçulmana, mantendo ao longo de toda a Idade Média a sua relevância, também pela proximidade de apenas 50 km da fronteira Espanhola.

Estremoz
Estremoz

Estremoz está rodeada por por dois conjuntos de muralhas, as primeiras do século XIII em redor da vila velha, situada junto ao castelo, e uma segunda cintura de muros fortificados e baluartes erguida para proteger a parte baixa da localidade, durante a Guerra da Restauração (1640-48). De facto, esta região prima pelos seus trabalhos populares e a qualidade dos seus artesãos, e pelos bonitos trabalhos em Barro Vermelho, em madeira, em chifre e em cortiça. Inolvidável é a saborosa gastronomia Alentejana feita com os produtos da região, como o “ensopado de borrego” ou os “pézinhos de coentrada“, a “sericaia“ para a sobremesa, e os afamados vinhos desta Região Demarcada de tão grande qualidade.

 

10. Gruta do Escoural

A Gruta do Escoural é o ponto fundamental do sítio arqueológico do Escoural, situada na Herdade da Sala, no bonito concelho Alentejano de Montemor-o-Novo, freguesia de Santiago do Escoural, constituindo mesmo a única caverna conhecida até agora no País com gravuras e pinturas rupestres datadas do Período Paleolítico Superior. A Gruta é constituída por várias salas e galerias que serviram populações há cerca de 50 000 anos, que ilustraram o seu interior com cenas do seu quotidiano. A primeira ocupação remonta ao Paleolítico Médio, quando grupos de caçadores-recolectores neandertalenses utilizaram esta Gruta como abrigo temporário para a caça. Já durante o Paleolítico Superior (35 000 a 8 000 a.C.), a área é reaproveitada como Santuário, onde são visíveis os vestígios decorativos da Arte Pré-Histórica.

Gruta do Escoural
Gruta do Escoural

No Período Neolítico (5 000 a.C. a 3 000 a.C.), a Gruta foi transformada em cemitério das comunidades de agricultores e pastores localizadas nos arredores. Estes terão aproveitado as lajes calcárias do exterior da gruta para gravar diversos motivos esquemáticos e animais estilizados, formando um santuário rupestre ao ar livre. No final deste Período a Gruta é encerrada, sendo o espaço na elevação acima da Gruta habitado por comunidades do Calcolítico (2000 a.C.). A Gruta do Escoural foi descoberta em 1963, através da exploração de mármore na Herdade da Sala, ao encontrar neste espaço diversas ossadas humanas e outros vestígios arqueológicos.

 

11. Avis

A bonita vila de Avis, sede de concelho, situa-se em pleno Alentejo, no alto do seu monte granítico com 201 metros de altitude, plena de história e beleza natural. Avis foi sede de uma das mais importantes Ordens Militares e deu nome a uma das mais importantes e emblemáticas dinastias portuguesas. O que resta do seu Castelo conta-nos hoje em dia a história destes outros tempos, em que as ordens militares povoavam, defendiam e construíam cidades. Segundo a lenda, o Castelo foi construído em segredo, no século XIII, durante a noite, tapadas com ramos as muralhas todas as manhãs para o inimigo mourisco não se aperceber da futura fortaleza.

Avis
Avis

A vila, de traçado medieval, de bonito casario branco, com faixas coloridas de amarelo ou azul, respira história, e o seu centro histórico tem muito para mostrar, como as ruínas do Convento de S. Bento de Avis, cuja origem remonta a 1211, o edifício hoje ocupado pelos Paços do Concelho, que fez outrora parte da residência dos Mestres da Ordem de Avis, a Igreja Matriz e o bonito Pelourinho, mostrando orgulhosos o encanto Alentejano. Bem próximo, localiza-se a bonita Barragem do Maranhão, com paisagens únicas e condições de excelência para as mais diversas actividades de lazer e desportivas, com um Clube náutico, parque de campismo e infra-estruturas diversas, dispondo de um miradouro com uma magnífica vista sobre as águas deste lago artificial e sobre as pastagens e searas envolventes.

 

12. Montemor-o-Novo

A bonita cidade de Montemor-o-Novo, sede de concelho, situa-se em pleno Alentejo, região calma e tranquila, com um importante lugar na história nacional. Aqui nasceu, em 1495, São João de Deus, de seu nome de seu nome João Cidade, fundador da Ordem dos Irmãos Hospitaleiros, distinguindo-se na assistência aos pobres e aos doentes.  Foi em Montemor-o-Novo que, em 1496, o rei D. Manuel I tomou a histórica decisão de mandar descobrir o caminho marítimo para a Índia. Montemor-o-Novo foi também importante palco de batalhas e conflitos, sendo conhecida a sua capacidade de resistência, como na época das invasões francesas em 1808, nas lutas civis entre liberais e miguelistas, e teve igualmente um papel activo na resistência à ditadura fascista.

Montemor-o-Novo
Montemor-o-Novo

Toda a região envolvente é dona de grandes belezas naturais, zona de aproveitamento hídrico e eléctrico, possuindo várias barragens, terra onde a simplicidade impera. Em Montemor-o-Novo impõe-se visitar o que resta do Castelo, o antigo Convento de São Domingos (hoje em dia interessante Museu Arqueológico), o pitoresco Chafariz da vila, a Igreja e cripta de São João de Deus ou o bonito Convento de Nossa Senhora da Saudação. Muito célebre é o artesanato da região, pautado por trabalhos de cestaria, couro e pele e o famoso licor de poejo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here