Início História O dia em que o exército português conquistou Madrid

O dia em que o exército português conquistou Madrid

Sim, o título não é enganador. Houve o dia em que o exército português conquistou Madrid, comandado pelo Marquês das Minas. Conheça a história.

37602
1
marques das minas
Batalha de Almansa

A 28 de Junho de 1706, em Exército aliado de 14.700 portugueses e 4.200 anglo-holandeses, sob o comando de 2º Marquês das Minas, D. António Luís de Sousa, entrou em Madrid ao fim do cerca de 500 km percorridos e ao longo de 3 meses de operações em terras de Espanha. Dom António Luís de Sousa ou António de Sousa (6 de Abril de 1644 – 25 de Dezembro de 1721), foi um nobre 4º conde do Prado em vida do pai, 2º Marquês das Minas. Filho primogénito do 2º casamento de seu pai, Dom Francisco de Sousa, 1º Marquês de Minas. Senhor das vilas de Beringel e Prado, com todas as jurisdições, incluindo o privilégio de não serem entradas por corregedores das justiças reais, e padroados, e das vilas de Guvari e de Nossa Senhora da Escada, no Brasil. Mestre-de-campo general, estribeiro-mor, Governador e capitão general do Brasil. Foi ainda alcaide-mor de Beja, senhor de cinco comendas na Ordem de Cristo e de duas da ordem de Sant´Iago.

Madrid
Madrid

Nesta Campanha, foram feitos mais de 8 mil prisioneiros e capturados mais de 100 peças de artilharia, nos vários combates que tiveram lugar contra as forças franco-espanholas comandadas pelo Duque de Berwick. A campanha do Marquês das Minas realizou-se no âmbito da Guerra a Sucessão de Espanha, que teve lugar entre 1701 e 1714.

Marquês das Minas
Marquês das Minas

O Portugal de D. Pedro II, que fazia parte da Grande Aliança, conjuntamente com a Inglaterra, Áustria e Holanda, nesta ocupação de Madrid fez aclamar Rei de Espanha o Arquiduque Carlos de Habsburgo. Posteriormente, o candidato Filipe de Anjou, neto de Luís SIV de França, viria a triunfar e a inaugurar a dinastia Bourbon que ainda hoje reina em Espanha.

D. Pedro II
D. Pedro II

Se D. António Luís de Sousa tivesse nascido francês, seria, provavelmente, equiparado a Napoleão. A sua tomada de Madrid, em 1706, coloca-o a esse nível. Porque, actualmente, não se fala desta proeza, é talvez difícil avaliar o que ela significou em termos militares – e é somente no campo militar, não no político, que António Luís de Sousa, segundo marquês das Mi­nas (1644–1721), nos surge como um “pré-Napoleão”.

Batalha de Almansa

Sobre a campanha espanhola do Marquês das Minas, diz a Nobreza de Portugal, tomo II, pág. 744: «(…) intentou apoderar-se de Badajoz, o que não conseguiu por esta praça ter sido eficazmente socorrida pelos espanhóis. A 7 de Março de 1706, fez nova investida, queimando a vila de Brocas e junto desta tiveram as suas tropas um choque com as que o Duque de Berwick comandava, do qual resultou a derrota das forças deste último, colhendo o nosso general 80 prisioneiros e 240 cavalos. A 9 de Abril do mesmo ano sitiou Alcântara, governada pelo general-de-batalha D. Miguel Gasco, conseguindo tomá-la e aprisionar juntamente com o dito governador toda a sua guarnição e 47 peças de artilharia.

Castelo de Almansa

Prosseguiu o Marquês das Minas vitoriosamente a campanha, tomando consecutivamente Ciudad Rodrigo, Salamanca, Coria e Plasencia, e em 25 de Junho fez a sua vitoriosa entrada em Madrid, onde esteve instalado como senhor durante 40 dias, no Paço Real, recebendo a sujeição dos poderes constituídos e tribunas, não só da mesma cidade como de Segóvia e Toledo, e fazendo ali proclamar Rei o Arquiduque Carlos, por cuja pretensão os aliados combatiam.»

 

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here