Início Viagens O Alentejo que encanta o mundo

O Alentejo que encanta o mundo

Em doze meses o Alentejo foi eleito a "melhor região vinícola do mundo", bem como um dos 21 "melhores destinos para se visitar", e viu o cante alentejano ser considerado património da humanidade.

0

O “celeiro de Portugal”, situado mesmo “abaixo do coração do país”  e que seduz pelo “ritmo lento” que lhe está associado. Era assim que no início do ano a National Geographic Traveler descrevia o Alentejo, considerado pela revista um dos 21 melhores destinos a visitar em 2014 ao lado de sugestões como Cabo Verde, Nova Orleães ou Puglia, na Itália.

Capela dos Ossos - Steve Wong
Capela dos Ossos – Steve Wong

A distinção parece ter determinado o (bom) Karma para os restantes meses, com a região a somar prémios atrás de prémios e os valores no setor do turismo a constatarem uma evidência, o Alentejo está melhor e recomenda-se — segundo o Instituto Nacional de Estatística, o número de dormidas de não residentes registadas até setembro, 24,9%, superou o total verificado em todo o ano de 2013.

Monsaraz - Guizel
Monsaraz – Guizel

Com os elogios longe de cessar, em maio era a vez do britânicoGuardian falar do destino — que produz metade do vinho no país e é líder mundial na produção de cortiça — como a “nova Toscana” ou a “Toscana mais acessível”. O artigo redigido por Adrian Mourby dava conta da riqueza gastronómica e vinícola e “oferecia” ideias onde comer, beber e dormir — nem de propósito, o wine resort L’And Vineyards, em Montemor-o-Novo, foi uma das referências na primeira categoria, cujo restaurante ao comando do chef Miguel Laffan e apostado na reinterpretação da cozinha portuguesa manteve a estrela Michelin em 2014.

Primavera no Alentejo - Rosa Castro
Primavera no Alentejo – Rosa Castro

No currículo de uma região que ocupa 33% do território nacional há também espaço para uma menção global, a de “melhor região vitivinícola do mundo a visitar”. O título resultou de uma votação promovida pelo USA Today, o maior diário norte-americano, e pelo portal para viajantes 10Best.

Campo Maior - guizel
Campo Maior – guizel

A região portuguesa ficou à frente de nomes importantes no universo vínico — como Champanhe, em França, e a espanhola La Rioja –, num total de 20 candidatos pré-selecionados pelos peritos Frank Pulice e Kerry Woolard. Talvez por isso a próxima cidade europeia do vinho se encontre em pleno Alentejo. Reguengos de Monsaraz foi escolhida pela Rede Europeia das Cidades do Vinho (RECEVIN) e bateu em concurso a Bairrada, Monção e Melgaço.

Évora - guizel
Évora – guizel

A imprensa internacional, ao que parece, tem estado de acordo no que à qualidade do vinho e sabores alentejanos diz respeito. Isto porque também Évora teve direito a subir ao pódio. Em setembro, foi nomeada pelo Daily Meal uma das nove melhores cidades do mundo pela oferta que faz chegar ao prato e ao copo. “Quando pensamos em Portugal, pensamos em Lisboa, mas Évora merece definitivamente a nossa atenção”, escreveu, então, o jornalista Aly Walansky. Isto porque na cidade medieval de “pratos originais”, é possível encontrar “pequenos restaurantes que servem muitos petiscos”, vinho de primeira categoria e sobremesas “clássicas inventadas nos conventos de Évora no século XVI”

Marvão - José Flacho
Marvão – José Flacho

Os feitos alentejanos ganharam novamente proporções globais com o cante a ser considerado Património Cultural Imaterial da Humanidade, pela UNESCO. A decisão veio diretamente de Paris no final de novembro, três anos depois de o Fado ter semelhante distinção. À data, o presidente da Câmara Municipal de Serpa, Tomé Pires, disse ao Observador que a chancela da UNESCO ao cante alentejano podia abrir muitas portas. Ao objetivo de salvaguardar e transmitir o cante, é preciso também “começar a pensar em tornar este ativo cultural numa ativo económico, para ajudar a sustentabilidade do cante e o desenvolvimento da nossa região”.

Castelo de Vide - Sandra Dias
Castelo de Vide – Sandra Dias

E para a acabar o ano em beleza, o espanhol El País publicou na passada sexta-feira, 12 de dezembro, um artigo no qual apelidou a região em causa de “finura rural”, dando destaque a Moura, Estremoz, Elvas e Monsaraz, isto é, “vilas portuguesas que dialogam com o campo e que souberam preservar uma naturalidade elegante”.

Mais artigos

Lisboa: o Palácio de Belém que foi destruído por causa da...

O Palácio dos Duques de Aveiro localizava-se em Belém, em Lisboa, e era a residência dos Duques de Aveiro, até ser confiscado pela Coroa...

Mais recentes

As 20 ilhas gregas mais bonitas (e dicas para as visitar)

Precisa de ajuda para escolher as melhores ilhas gregas para fazer umas férias românticas, passar férias com a família, fazer uma escapada...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here