Início Cultura Língua portuguesa: por que existem tantas formas de escrever “por quê”?

Língua portuguesa: por que existem tantas formas de escrever “por quê”?

Como saber utilizar correctamente o "porque", o "porquê", o "por que" e o "por quê" quando fala português? Aprenda os mistérios da Língua Portuguesa.

42513
12
Língua Portuguesa
Língua Portuguesa

A língua portuguesa é um idioma belíssimo e muito rico. No entanto, por vezes nem os próprios portugueses (ou brasileiros, angolanos, timorenses…) conseguem perceber e falar correctamente o nosso idioma. Um dos casos mais flagrantes do português é a possibilidade de utilizar tantas formas variadas da expressão “por quê”. Dependendo do contexto e da situação em causa, a versão correcta pode ser “porque”, “porquê”, “por que” ou “por que”. Confuso? Não vale a pena! Nos explicamos o por quê!

Na maioria dos idiomas, é fácil diferenciar: em inglês, pergunta-se com why e responde-se com because, enquanto os franceses contrapõem um pourquois com parce que. Mas, como os portugueses teimaram em usar o mesmo termo para as duas funções, os linguistas e estudiosos da gramática portuguesa precisaram de recorrer à imaginação para colocar regras bem definidas.

No latim clássico, havia duas palavras: “quare” para perguntar e “quia” para responder. Mas em português prevaleceu a expressão do latim vulgar, “pro quid”, que passou a exercer dupla jornada em perguntas e respostas. “Para diferenciar, alguém teve a ideia de escrever um junto e o outro separado”. Os registos mais antigos dessa distinção são do século 13, mas em 1500 Pero Vaz de Caminha ainda se atrapalhava na “Carta do Descobrimento do Brasil”.

Para complicar, em 1931 surgiram mais duas regras: o “que” ganhou circunflexo quando é tónico (antes de pontuação) e o “porque” substantivo virou “porquê”. No dia a dia, porém, simplificamos tudo radicalmente: do bilhete à internet, só existe um “pq”. Mas para que não restem mais dúvidas sobre a forma correcta de utilizar as quatro versões, repare na explicação que se segue e nos exemplos para cada uma delas.

 

Por que (separado, sem acento): é usado para fazer perguntas, e aparece no início, ou no meio da frase, mas nunca no fim. Pode ser ainda usado em frases sem o sinal de interrogação, mas que tenham o mesmo sentido de pergunta.

Exemplos:

  • “Por que você acordou tão tarde hoje?”
  • “Por que desistiu de participar do concurso?”
  • “O professor perguntou-se por que faltei a tantas aulas.”
  • “Toda a família quer saber por que razão o casamento foi cancelado.”

 

Porque (junto, sem acento): é usado para responder a perguntas.

Exemplos:

  • “Acordei tarde porque na outra noite estive a ver um filme muito longo.”
  • “Desisti do concurso porque fiquei com medo de não ser aprovado.”
  • “Respondi ao professor que faltei porque estava doente.”
  • “O casamento foi cancelado porque tivemos uma discussão muito séria.”

 

Por quê (separado, com acento): é usado para fazer perguntas. Só aparece no fim da frase.

Exemplos:

  • “Você não foi às aulas por quê?”
  • “Você não vai sair com seus amigos? Por quê?
  • “Você e seu namorado discutiram por quê?
  • “Você pensava que hoje era feriado por quê?

 

Porquê (junto, com acento): neste caso, a palavra “porquê” é um substantivo, e pode substituir as palavras “motivo” e “razão”.

Exemplo:

  • “Quero saber o porquê (motivo/razão) de toda essa gritaria.”
  • “Conta-me o porquê (motivo/razão) de estar a chorar tanto.”
  • “Qual o porquê (motivo/razão) de tanta confusão?”
  • “Qual o porquê (motivo/razão) do cancelamento do casamento?”

Esperamos que finalmente tenha ficado esclarecido porque, depois desta explicação tão detalhada, seria difícil não perceber o porquê! Afinal de contas, por que motivos não iria perceber as várias formas de dizer “por quê“? 🙂

 

12 COMENTÁRIOS

  1. Referem-se aqui à norma brasileira. Para complicar as coisas, a portuguesa é outra. Ver estes exemplos:

    Porque fugiu o António?
    Por que razão fugiu o António?
    Por que caminho fugiu ele?

    O António fugiu? Porquê?

    O mais na norma brasileira é igual. O curioso é que na consideração final aplicam duas vezes a norma portuguesa no uso de porque e por que, o porquê que surge em ambas as normas, mas na portuguesa, além de substantivo, é também advérbio interrogativo, e o por quê que pertence à norma brasileira e não existe na portuguesa.

  2. Então, no primeiro parágrafo do texto , o uso de “por quê” está errado

    “Não vale a pena! Nos explicamos o por quê!”

    Não há pergunta.

  3. Caramba por que tantos por quê ?
    Porque sim ué, afinal qual seria outro porquê para estarmos aqui.
    Shshshshshshssh

  4. No caso que JW refere por quê (porquê na norma portuguesa) está correcto. É um substantivo. É sinónimo de razão, motivo.

  5. Muito útil, sobretudo para os órgãos de comunicação social, que têm responsabilidades na matéria e dão com frequência “pontapés na gramática”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here