Início Sociedade Lições da História: quando os refugiados éramos nós, os portugueses

Lições da História: quando os refugiados éramos nós, os portugueses

Quando uma crise de refugiados sírios se alastra pela Europa, importa esclarecer o público sobre quando os refugiados éramos nós próprios, os portugueses.

136827
69
Emigrantes portugueses em França
Emigrantes portugueses em França (Gérald Bloncourt)

Em plena crise internacional de refugiados sírios, um drama humano às portas da Europa, é importante relembrar e aprender com a história. A emigração portuguesa durante o estado novo, vista por um Francês em 1969. “São esquisitos, baixos e com bigodes e barbas. Chegam, na esmagadora maioria, homens. Elas, quando vêm, cobrem os cabelos com panos e não usam saia acima do joelho.

Emigrantes portugueses em França
Emigrantes portugueses em França (Gérald Bloncourt)

Muitas são proibidas pelos maridos de cortarem o cabelo. Por vezes, eles ameaçam-nas com uma chapada ou um murro; elas, subservientes, baixam a cabeça e colam as mãos ao ventre. Trazem com eles uma paixão fervorosa pela religião.

Emigrantes portugueses em França
Emigrantes portugueses em França (Gérald Bloncourt)

Usam colares com o símbolo das suas crenças e são capazes de dar mais do que têm para que o seu local de culto, na sua terra natal, tenha um relógio ou um telhado novo. Rezam, pelo menos, de manhã e à noite. Se puder ser, ao final da tarde, cumprem mais um ritual.

Emigrantes portugueses em França
Emigrantes portugueses em França (Gérald Bloncourt)

Chegam sem falar uma palavra da nossa língua. Parece que fogem de uma guerra qualquer lá no país deles, da fome e da miséria. Não têm, por isso, noção de amor à nação.

Emigrantes portugueses em França
Emigrantes portugueses em França (Gérald Bloncourt)

Fogem em vez de defenderem o seu país e lutarem por uma vida melhor lá, na terra deles, vêm para aqui sujar o nosso país com a sua imundície. Atravessam países inteiros a pé ou à boleia para chegarem aqui.

Emigrantes portugueses em França
Emigrantes portugueses em França (Gérald Bloncourt)

Pagam milhares para saírem do seu país e vêm ficar na miséria. Alguns têm muitos filhos, muito mais do que aquilo a que estamos habituados. Deixam-nos sozinhos ou com os irmãos mais velhos, que não vão à escola. Mas são muito trabalhadores.

Emigrantes portugueses em França
Emigrantes portugueses em França (Gérald Bloncourt)

Bem, na verdade, não roubam exactamente o nosso trabalho, porque aqui há leis que não nos permitem trabalhar 18 horas diárias, embora isso exista e dê jeito a alguns patrões. Mas de certeza que nos roubam qualquer coisa. São diferentes de nós e isso causa-nos má impressão.

Emigrantes portugueses em França
Emigrantes portugueses em França (Gérald Bloncourt)

Não são muito limpos, cospem para o chão e as suas maneiras em público deixam muito a desejar. Vivem em bairros de lata que mais parecem campos de refugiados. Não sei como conseguem. Se é para viverem na miséria, mais valia ficarem na terra deles.”

Diário de um Parisiense, 1969

69 COMENTÁRIOS

  1. A minha família foi muita dela pela Europa fora procurar trabalho e a França foi um dos países escolhido.
    Nas estações havia muitos patrões franceses à procura desta mão de obra: Pessoas humildes, respeitadoras,trabalhadoras ( prontas para fazerem os trabalhos que os franceses não queriam).
    Não mendigavam benesses só pediam trabalho . Fugiam da pobreza, mais tarde emigravam para fugir ao serviço militar, cujo destino seria a guerrilha em África.
    Não comparem o que não é comparável.

    • Los españoles también emigramos a Europa en los sesenta-setenta. La diferencia entre los habitantes de la península Ibérica y los musulmanes que actualmente están invadiendo nuestro continente es que los primeros íbamos a trabajar, no a violar mujeres, cometer atentados, crear guettos donde hasta se permiten crear su propia policía de la Sharia, no a exigir e imponer su religión, ni tampoco a asesinar inocentes.
      Españoles y portugueses dejamos el listón muy alto en países como Francia, Suiza o Alemania. Tanto es así, q nos hecharon mucho de menos cuando fuimos sustituidos por turcos en Alemania y otros extranjeros.
      Esto no es ser racista, es decir la verdad, la pura y simple verdad. Puede que en este blog no esteis muy enterados de lo que están haciendo estos particularísimos “refugiados” de ahora. A quienes interese,x favor, investigad un poco y veréis las miles de violaciones y asesinatos, salidas de tono,violencia brutal, robos, agresiones, etc q perpetran a diario. Si a ello sumamos su nulo respeto a las mujeres occidentales (todas las “infieles” o “cruzadas” somos putas según ellos), y el que no quieren trabajar… ya me diréis… En Portugal tenéis suerte:no tenéis muchos musulmanes y esa es la única razón de que no hayáis sufrido aun atentados.Espero de corazón que continuéis así.
      Acoger y ayudar refugiados está muy bien, siempre y cuando éstos no pongan en peligro a la población local.

      • Pero de donde saistes miña reina. Rezumas odio e xenofobia por todos os poros !!!. Miles de violacions a asesinatos, roubos, agresions, ….. puff para meter medo !!!

        • Ana Maria tens toda a razao no que ,penso da mesma forma,,temos sim que ajudar um povo em guerra mas é preciso nao esquecer que os Sirios nao sao negros e o que se ve na europa sao milhares de negro muçulmanos há ongs que recebem milhoes de € organizadas para traficarem para a Europa esses africanos,isto que estao a fazer á europa é um crime leza patria,querem acabar com os brancos diluindo.os com outras raças,há muito dinheiro envolvido ,nova ordem mundial e george soros,investiguem

          • Uuuu racismo e sem duvida uma tristeza se fossum brancos entao nao fazia mal nao e … e uma tristeza mesmo um dos paises mais pequeninos da Europa comecou tanta merda como a escravidao e exportacao de escravos com isto dizendo os Portugueses sao emigrantes tambem faca se a ignorancia saber k em siria nao ha so brancos minha senhora e claro sendoff branco gostaria de lhe dizer k nao e melhor k ninguem k nao e da sua … e por estas e outras I nao me arrependo nada de ter saido de portugal ha pessoas k em vez de andarem para a frente e pararem de pensar k sao superiores continuam ignorantes a pensarem k sao uma raca superior e especial quando nao sabem nada de historia fica a dica a sua cor foi uma adaptacao clinitica por k a cor original das pessoa nao era branca era castanha … a cor I voce tem tanto medo … triste de merda

        • Sonos Todos immigrantes e o Mundo foi feito SEM fronteiras.
          O Dono do Mundo disse:
          _Vai Em Busca e Contigo estarei.
          Nem Todos refugoados sāo violadores e preguiçosos.
          Essa é a Ultima esperança p quem Tudo perdez.

      • Ana Maria tens toda a razao no que ,penso da mesma forma,,temos sim que ajudar um povo em guerra mas é preciso nao esquecer que os Sirios nao sao negros e o que se ve na europa sao milhares de negro muçulmanos há ongs que recebem milhoes de € organizadas para traficarem para a Europa esses africanos,isto que estao a fazer á europa é um crime leza patria,querem acabar com os brancos diluindo.os com outras raças,há muito dinheiro envolvido ,nova ordem mundial e george soros,investiguem

      • Muy buen resumen del pasado y del presente, eso mismo paso y esta pasando.

        Muito bom o resumem da Ana Maria, do passado e do presente. isso mesmo esta passando.

    • Como não é comparável? Não fogem igualmente da guerra e da miséria que ela causa? deixe de olhar para o seu umbigo…..

  2. Não há comparação possível. Entre os portugueses emigrantes com os pseudo refugiados que as organizações de inteligência e espionagem dos vários países europeus já informaram que na sua maioria nem são sírios nem são refugiados. Uma esmagadora maioria vêm de outros países que não estão em guerra e onde se suspeita que muitos tenham ligações a organizações terroristas.

    • Concordo José Ramos não há comparação.
      Além disso há o facto the a religião e hábitos.
      De um país europeu para outro é diferente de um continente para outro. Há muito trabalho no Kuwait e EAU

      • Em relação à escravatura é verdade que era prática tribal . Então os europeus aprenderam com os africanos. Em relação aos refugiados de hoje muitos são genuínos mas muitos são infiltrados com razões políticas e vontade de destruir a Europa e o cristianismo. Mas é só história invertida, visto que os cristãos destruíram outros povos com a desculpa que espalhavam a palavra de Cristo. Agora é a desculpa de Alá. Mas em toda a história embora a religião seja uma desculpa, a verdadeira razão é a ambição, o poder e o ganho financeiro.

      • Pois é.. A verdade é uma só: o ser humano tem uma forte inclinação a subjugar a sua própria espécie, numa clara demonstração, por toda a sua história, de que ainda não lhe pode ser conferido o título de “civilizado”.

    • Verdade e hoje somos bons catholicos tendo occultado donde viemos. Os descubridores dos mundos ainsi nao descobriram a compaixao.

      • Os portugueses são muito queridos pelos povos africanos. De um modo geral, os portugueses não são racistas e adapatam- se muito bem em todos os países. Têm grande facilidade para aprender outras línguas. Um povo pacífico.Viva Portugal!

    • Concordo plenamente.
      É curioso que muito antes dos portugueses já os povos islâmicos faziam isso, sabia?, pesquise que vai achar, essa prática de escravizar sempre existiu e continua a existir, não é digna, mas, era principalmente naqueles tempos, uma prática comum e Portugal foi dos primeiros a abolir, é bom saber isso.

      • Não foram só os portugueses a praticar a escravatura…se não sabe de história Internacional aprenda primeiro e depois fale…

    • Qual escravatura?aonde, conheces África por acaso sem ser no mapa?,eu conheço África desde 1973, e até hoje continuo a ter lá amigos africanos e nunca vi racismo, mas deixa que te diga que são bem mais racistas os africanos negros, do que os brancos.

  3. AI vocés estào mesmo mas mesmo a passar de lado ! nào sabem fazer diferença entre …..Uma Invasào qurerem tudo num tabuleiro e mais …..Outros sim era necessidade para trabalhar nào esperavào nada mais nào esquecendo um grande promenor ! Erào Portugueses ! Erào Hulmides ….Serà que vocé e um desses quer tudo mais alguma coisa ….

  4. Ai Estào Mesmo Passados mas Mesmo ! nào confundir ! Invasores ….Outros que Humildemente tentarào ir a procura de melhor condicoés nào esperavào nada ! Os invvasores querem ser servidos com tabuleiro ! Serà que vocé e um desses INVASORES

  5. esta rapariga era minha amiga nas barracas do canal en aubervillirs mas jà não me lembro o nome dela ,e muito dansava-mos en frente a barraca dela ,boas recordaçois..

  6. É assim que se tenta ludibriar as massas, com comparações destas. Os meus avós foram emigrantes em França e tiveram de mendigar trabalho por pouco tempo, porque cedo de integraram nos hábitos e sobretudo na língua francesa. Era cidadãos integrados e respeitados pelos patrões e muitas vezes faziam questão de de aceitar os convites para almoçar em casa dos meus avós. Não há comparação possível… É quase até vergonhoso tentarem induzir em erro as pessoas desta forma.

    • Totalmente de acuerdo. Es que no hay comparación posible. Los musulmanes no quieren trabajar, tanto los refugiados como los que llegaron antes.Esto es un hecho :el ochenta por ciento de los que viven en Europa viven a cuenta de ayudas que nuestros gobernantes les dan x la cara.Es una vergüenza. Tampoco quieren integrarse en nuestra cultura y ni siquiera respetan nuestras leyes.Incluso los musulmanes de tercera o cuarta generación,nacidos y educados en Europa (precisamente estos son los peores y a los q más ataques de yihad súbita les entran). Para esta gente lo.único importante es su atrasada secta religiosa y claro, como nuestra forma de vida occidental está en franca contradicción con la sumisión del islám… son imposibles de integrar.
      Por último quisiera que os quedéis con estas palabras dichas por el imán de una mezquita en Londres :”Con vuestra democracia y vuestras leyes os invadiremos. Además, los europeos prefieren tener un perro o un pez de colores, y nosotros tenemos muchos hijos “.

      • Tudo que disse tudo verdade.
        Nao ha comparacao possivel entre os invasores das asfricas e os emigrantes portugueses que foram trabalhar e procurar integrar – se nesse tempo.

  7. A diferença é que aos emigrantes Portugueses da decada de 60 a França nunca deu nada a nao ser a hipotese de poderem trabalhar e ganharem o seu sustento. Nao lhes deu casas nem um rendimento social de inserçao. E terem muitos filhos era problema deles porque nao havia abono para os ajudar a cria-los. Os Portugueses que para lá foram, trabalhavam de sol a sol para poderem comer e construir a sua vida. Nao existia qualquer forma de integracao gratuita (que duram anos) como as que há hoje que sao oferecidas a todos os que ca chegam de novo. Nao existiam cuidados de saude gratuitos. Nao existiam casas pagas. Fazer uma comparação da emigraçao portuguesa com a situaçao de refugiados actual é no minimo ter pouca ou nenhuma informação sobre o que se passa actualmente na europa. Sou filha de um desses emigrantes que vivia dentro de uma roulotte e chegou ao ponto de ter de mijar nas maos para as aquecer a trabalhar. Nao sejam idiotas ao comparar o que nao tem comparacao.

  8. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa, isto é não misture alhos com bugalhos..Todo esse texto é uma falácia. As pessoas que comentaram antea de mim o fizeram com muita sabedoria.Esses pseudo refugiados vem mais é pra encobertar os terroristas islâmicos. Se assim não fosse od primos ricos sauditas e os dos emirados, já os teriam recebido.

    • Qué razón tienes! Son precisamente los grupos terroristas islámicos financiados por Arabia Saudí e Irán los que están propiciando que estos “refugiados” vengan en oleadas inacabables a Europa. Y cuantos políticos europeos de izquierdas no se estarán llenando los bolsillos a cuenta de lo que probablemente reciben de monarcas tiranos como los de Marruecos o Arabia Saudí,x permitir la afluencia masiva de inmigrantes islámicos.
      Por cierto, sabeis que en Israel los terroristas palestinos cometieron oleadas de incendios en los bosques q tantísimo costó a los judíos plantar…?? Quizás detrás de las últimas oleadas de incendios forestales en Portugal y España esté la mano de un grupo yihadista.No lo puedo asegurar, naturalmente… pero es algo a tener en consideración (junto con los pirómanos e incendiarios patrios, con los agricultores que se ponen a quemar rastrojos, etc,x supuesto).

  9. Estas caixas de comentários aterrorizam!
    Tanta ignorância!
    Dantes mandavam boquitas lá na rua delas, ou no café imundo da aldeola,, mas agora certas pessoas vêm botar faladura para a net!
    Está o circo montado. Que entrem os saltimbancos!
    Nós, portugueses, somos muito bons, os espoliados, os fugidos das guerras que se fodam!
    Pais grandioso….!

    • Pero, dónde has visto tú refugiados de una guerra en una proporción de hombres jóvenes del setenta x ciento…?!No se han dado precedentes nunca! Los refugiados siempre han sido ancianos, mujeres, niños y hombres enfermos o bien familias enteras.Sabes lo que están haciendo estos “refugiados” x toda Europa…?! Conoces las estadísticas de lo que ocurrió en Colonia hace unos años,durante las celebraciones de Año Nuevo? Xq eso mismo ha vuelto a pasar en mayor o menor medida a diario, pero las autoridades lo encubren. Esta gente han llegado a violar y asesinar hasta a la hija de un alto cargo alemán de la U.E.,que trabajaba de voluntaria en un albergue de refugiados. Y no ha sido la única, qué va…!Ahora añádele a la nula educación o respeto para con niñas y mujeres, su fanatismo religioso, atentados, delincuencia de todo tipo (te has enterado a cuántos conductores de autobús,tranvía, etc han ahostiado o amenazado de muerte xq se niegan a pagar el transporte…?? La han liado en autovías, carreteras,en las calles y hasta en la consulta de hospitales, donde uno llegó a prender fuego a otros musulmanes convalecientes y familiares que estaban allí. Además de lo anterior está el hecho de que crean guettos en todas las ciudades donde hay establecida una pequeña población musulmana , intentando o imponiendo la ley Sharia y creando hasta “policía de la Sharia” para reprimir a cualquier hombre o mujer algo “descarriado” del “verdadero” islám. Odian nuestra cultura, nuestra sociedad es imposible de aceptar para muchos de ellos. En Ceuta y Melilla tiran piedras y todo tipo de objetos a la policia, bomberos, etc cuando se ven obligados a entrar en uno de estos guettos.Muchos jóvenes entrevistados x tv han dicho sin ambagues que ellos se unirían a la Yihad de inmediato para atentar en esas ciudades españolas o en cualquier lugar de Europa.
      Mira, x regla general quienes habláis como tú lo haces sois buena gente, pero estáis muy desinformados.En España ha habido refugiados de todas partes:de la ex-Yugoslavia (sobretodo vinieron musulmanes bosnios y…no hubo el más mínimo problema con ellos. Y qué agradecidos se mostraron x la ayuda prestada…!),ha habido haitianos y otros latinoamericanos, africanos, asiáticos…y nunca hubo los problemas que está habiendo ahora.
      Está claro que entre ellos también hay una minoría de familias realmente refugiadas, pero la inmensa mayoría de los que arriban a Europa no lo son.
      Otra cosa… Sabes que en Marruecos x ejemplo la tasa de paro es de sobre un tres x ciento…?? O sea que allí sí hay trabajo, pero se vienen en oleadas a España, donde hemos tenido una tasa de desempleo de un veintitrés x ciento!!!Ha estado la gente pasándolas canutas durante la crisis y hemos tenido que ver como a estos inmigrantes se les daba de todo… lo que no daban a familias españolas (o de cualquier otra nacionalidad, ya integrados en España.Muchos sudamericanos se tuvieron que volver a sus países en lo peor de la crisis y llevaban años trabajando aquí).Incluso hay empleados de las oficinas del INEM (desempleo) que se preguntan x qué a esta gente les están manteniendo x la cara sin haber cotizado nunca a la Seguridad Social. Y precisamente es x estas ayudas que vienen a España y resto de Europa.No es para trabajar ni integrarse.

  10. Esse francês, certamente, não tem memória, ou nunca pegou num livro para ler sobre a história recente do seu país no período da segunda grande guerra, quando grande parcela dos seus conterrâneos faziam filas para comer ratos, graças à escassez de alimentos imposta a eles por Hitler… Chamar um povo, na condição de refugiado, de imundo e covarde. Pensando melhor, na verdade, não o considero um cidadão francês…

  11. Quer saber…? Todos os povos têm mais é que invadir todas as regiões… Acabar com as cercas, os mitos, as verdades de cada “nação”. Infelizmente, as “diferenças” vão tirar vidas, graças à estupidez humana, nesse primitivo período da história da humanidade que, um dia, perplexos, leremos em algum livro, se não conseguirmos destruir a humanidade, e grande parte da natureza, antes…

  12. Portugueses nunca joaram bombas, nunca atropelaram ou esfaquearam indicriminadamente pessoas, ao contrario trabalharam duro e ajudaram a construir o país para onde emigraram! Nao se pode dizer o mesmo do islã! esses nunca absorvem novas culturas presos que estão a seus costumes barbaros! Claro que nao sao todos mas e como saber qual será seu algoz?
    Nao ha portanto linha de comparação! Felizes os povos que receberam portugueses como imigrantes!
    Se pode dizer o mesmo dos que recebem os do islã que nos consideram inimigos?

    • Portugueses mataram milhões de índios brasileiros e outros milhões de africanos. Podes dizer que isto é generalização. Pois é! Tu também estás a generalizar com o Islã.

  13. Quando os portugueses ( refugiados ou emigrantes!??) deixaram Moçambique Angola e outras colonias (?), o que receberam quando chegaram a Portugal? Insultos , desprezo e foram tratados
    como animais……Onde estava o espirito solid’ario que agora mostram com estes estrangeiros?
    Os meus pais chegaram a Portugal com 2.500.00 escudos e com excepção de alguns ( poucos fami
    liares que lhes ofereceram alguma saca de batatas, que tiveram que lutar pela vida.Eles tinham nessa altura quase 70 anos.
    Claro já é passado mas as memórias permanecem….

  14. Saludos para todos. muchos españoles portugueses e italianos, migraron hacia America del Sur, aqui en Venezuela llegaron miles, huyendo de las dictaduras y de las miserias que dejo la guerra. Aqui llegaron, traabajaron duro y ayudaron a construir un pais, muchos hicieron grandes fortunas y formaron sus familias; yo particularmente tuve la suerte de casarme con una descendiente de Portugueses y he tenido la suerte de viajar en 5 oportunidades a Portugal, me encanta ese Pais. Ahora somos los venezolanos que estamos viviendo una tragedia economica, social y politica y nos vemos obligados a emigrar a diferentes paises del mundo.
    Me duele ver como somos tratados de una manera muy diferente a como recibimos a tantos extranjeros, nos maltratan y nos ven como una amenaza para sus trabajos y para sus comunidades; hay muchos Venezolanos en Portugal, con muchas iluciones y muchas ganas de trabajar y le cierran las puertas.
    No voy a continuar comentando porque se me hace un nudo en la garganta.
    Un fuerte abrazo al Pueblo Portugues.

  15. E os milhares e milhares de portugueses que.vieram para o Brasil tetat a vida, na época do Salazar, e após também, inclusive meus antepassados.

  16. Os indígenas americanos (os verdadeiros donos da terra das Américas ) sofreram um genocídio nas mãos dos Europeus em nome da religião e da catequese e foi toda espécie de barbárie mesmo. Os Árabes não devem esperar nada de bom da maioria deles.

  17. Tanto comentário…não sei se alguém entendeu porque vem este texto á baila. Refugiados somos todos! Hoje são eles, ontém fomos nós. Amanhã poderemos vir a ser novamente. Cuidado com aquilo que se deseja. Porque as regras que desejamos para eles hoje, podem ser as regras que nós vamos ter de cumprir um dia, não se sabe se longínquo. Sejamos humanos.

  18. Só vejo uns grupos de mal entendidos a razão destas resposta ao primeiro ataque de racismo e de conflito de religioes ser preto ou branco de onde vêm não é o mais importante ,na verdade se um muda para outro Pais pode ser por varias razões .Os tempos mudaram e as leis também hoje é facil da apontar o dedo ao passado um passado por vezes de dificuldades ou por não aceitar o regime de onde habitavam a mudança de um Governo pode facilmente mudsr o destino de um cidadão por causa de guerras ou por causa de revoluções internas ,todos querem uma melhor vida os humanos tem hoje essa liberdade,,….mas u.a voida que é muito importante se mudas de País tens que obedecer à lei desse novo País que escolherem o mesmo no que diz aos habitos não devem exigir que a religião seja como a sua Fé sim o Deus é o mesmo o nome é diferente as biblias são iguais com outro nome nada mais .Ja chega de luta entre Religiões e de Racismo entre tu e ele não importa quem sejas segue a ordem desse País que escolhes te assim a Paz estará entre todos ,mais calma e mais raciocínio é necessário saude para todos vós.

  19. Desde sempre o mal da Europa para não dizer do mundo, foram são e penso que serão sempre os muçulmanos. Vejam a História Universal e tirem ilações.

  20. Passaram-me isto mas é fake. O texto é todo ficção montada nas fotografias do Bloncourt que acho que estão no museu de Fafe. Não foi escrito por francês nenhum em 1969, mas por um militante conhecido da extrema esquerda exatamente no ano de 2015, quando chegaram os sírios. O gajo quer que a gente empatize.

  21. O português era e é imigrante,não é refugiado. O português quando imigra adapta-se à cultura do país para onde imigrou e respeita os costumes locais. O português também aprende a falar a língua local e trata os outros com o devido respeito que merecem. O português imigra para trabalhar, não para ficar a receber ajudas do governo. O português tem boa fama no mundo todo por ser trabalhador e sociável e extremamente respeitador. O português é extremamente pacífico, nunca provoca problemas maiores. Nós nunca fomos refugiados, nós fomos e somos IMIGRANTES e há uma grande diferença entre estes dois grupos!
    Estes tipos de “notícias”, se é que lhes podemos chamar isso, vêm tentar dar outro tom a este assunto. Tentam atirar-nos a culpa à cara, culpa que não temos.
    Há gente que fala dos descobrimentos, que Portugal traficou e escravizou milhões de pessoas, e que por isso não pode negar a entrada a ninguém. Eu sou portuguesa mas não tenho de pagar pelos erros que os meus antepassados cometeram. E nem estamos a falar de avós ou bisavós, estamos a falar de muitas gerações que já passaram. Não temos de carregar com esta culpa para sempre, tal como outros países não têm de o fazer. Acho muito engraçado que ninguém chama aos alemães “nazis”, nem acuse os americanos por terem matado o povo indígena que vívia no local onde hoje são os EUA, mas falam sem problema dos descobrimentos. Essa culpa já expirou há muito.
    Sejam mais inteligentes e não se deixem controlar por esta mídea que se alia aos governos da Europa para tentar trazer perigo e destruição aos nossos países. E se depois disto tudo, ainda pensam que estão a salvo e que os imigrantes do norte de África e do leste asiático são pessoa pacíficas, recomendo que façam uma breve pesquisa na internet sobre a crescente violência que se faz sentir entre as fronteiras da nossa União.

  22. Esqueceram-se que os tais portugueses com hábitos estranhos em 1914 a 1918 foram para França ajudar os franceses a combater os alemães e muitos morreram por uma causa que não lhes dizia diretamente respeito.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here