Início História Descubra como se chamava a sua cidade no tempo dos celtas

Descubra como se chamava a sua cidade no tempo dos celtas

Aranni, Moron, Ocelum... Conhece estes locais? Descubra como se chamava a sua cidade no tempo dos celtas.

7371
3
Castro de Monte Mozinho
Castro de Monte Mozinho

Os celtas foram um grupo de povos organizados em múltiplas tribos e pertencentes à família linguística indo-europeia. As tribos célticas ocuparam a maior parte do continente europeu, desde a Península Ibérica até a Anatólia, parte ocidental da Ásia, correspondente hoje à Turquia. As invasões celtas datam de V e IV a. C. e do encontro dos invasores celtas com os nativos iberos, originaram-se os chamados Celtiberos, que poderia ser considerada a origem étnica do povo português.

povos
Celtas

Provavelmente celtas e iberos eram de mesma raça e em vez de guerrearem, resolveram fundir-se num só povo. Os hábitos religiosos eram idênticos, embora iberos preferissem sepultar seus mortos e os celtas cremá-los.

Os celtiberos, resultado da junção da cultura do povo celta e do povo nativo da Península Ibérica são representados, mais significativamente, pelos lusitanos, os Galaicos ou Gallaeci e os Cónios. Muitos especialistas no assunto consideram os Lusitanos como os antecessores dos portugueses.

origem dos portugueses
Celtiberos

A economia celta baseava-se na agricultura de subsistência. Era o excedente da produção agrícola dos camponeses, entregue como impostos ou rendas, que no fundo mantinha o chefe, a sua elite guerreira e os artífices. A natureza exacta do tipo de agricultura variava de acordo com o meio ambiente. No Norte da Gália, na Espanha e no Sul da Gália, predominava uma economia de agricultura baseada nos cereais, oliveiras e vinhas.

Os cereais mais cultivados eram: variedades de trigo, cevada, aveia, feijão, ervilha e lentilha. Além disso, cultivavam o linho para a produção de panos. Em termos tecnológicos, os celtas s não podem ser considerados atrasados. Usavam arados com partes em ferro e relhas, que conseguiam trabalhar os solos mais duros de modo eficiente.

Ofiússa
Castros

As ovelhas eram criadas pela sua lã e leite e os porcos pela sua carne. A criação de cavalos destinava-se principalmente à guerra, sendo o gado a mais importante força animal. A maior parte das famílias de camponeses celtas era autossuficiente em relação às necessidades básicas: comida, roupas e utensílios, principalmente de cerâmica.

O principal estímulo para o comércio vinha da elite celta, devido às suas necessidades de ostentação de materiais ricos, como joias e boas armas, e de consumo visível de supérfluos, especialmente o vinho do Mediterrâneo.

locais para visitar em Chaves
Castro de Curalha

Então, a função do comercio era essencialmente social. O mais provável e que a importação para esse consumo fosse paga, essencialmente, por produtos agrícolas, como cereais, peles e carne salgada.

Em Portugal, as regiões onde se percebe a presença celta são o Norte, antiga Gallaecia Bracarense e o Noroeste. Para outros, ainda, acrescentam: o Sul, no Alentejo, e no Algarve, Mas. como a presença e identidade celta foi destruída sistematicamente, se torna cada vez mais difícil encontrá-la. O povo português guarda traços e vestígios dessa presença céltica.

Nome Celta Latinizado Nome actual
Alanobricae Eiras em Santo Amaro
Anóbrega Ponte da Barca
Arábriga provavelmente Alenquer ou entre Sesimbra e Outão
Arcóbica provavelmente Torrão em Alcácer do Sal
Arcóbriga provavelmente perto de Braga
Aritium Praetorium provavelmente Tamazim, perto de Bemposta
Aritium oppidum vetus Casal da Várzea
Aritium Vetus Abrantes
Aranni provavelmente perto de Ourique
Arandis perto de Ourique
Armona ilha de Armona
Auóbriga/ *Aóbriga na região junto ao Rio Ave
Equabona/Aquabona Coina no Barreiro
Auaron Pr. Cabo de Santo André na Póvoa de Varzim
Axábrica Xabregas
Bracara Braga
Brigância Bragança
Brita/s
Budens Budens
*Burrulóbriga na região de Elvas
Cetóbriga/Caetobrix Setúbal
Caeilobricoi Castro Daire em Lamas de Moledo
Calábria > Caliábriga Castelo Calabre em Vila Nova de Foz Côa
Caladuno provavelmente Vilar de Perdizes em Montalegre
Cambra<Calâmbriga Vale de Cambra
Cale Vila Nova de Gaia; Portucale; Portugal; Porto
Cântipo Cantim
Castelo Araócelo São Cosmado em Mangualde
Catraleuco provavelmente Vila do Crato ou Castelo Branco antiga Castra Leuca
Cidade dos Arávoros <Aravi> Marialva
Copilo Leiria
Conímbriga Conímbriga
Corúmbriga provavelmente Coimbra
Cottaiobriga perto de Almeida
Cíntia Sintra
Ebora Évora
Eburobrício Óbidos
*Eburobris / *Eburóbriga na zona do Fundão
*Elaneóbriga na zona de Braga
Evion Alcácer do Sal
Ercóbriga
Etóbrico Alenquer
Jerábrica/Gerábrica/Hierábrica Entre Lisboa e Santarém
Jurumegna Juromenha no Alandroal
Lacóbriga Lagos
Lamecum Lamego
Langóbriga Fiães
castello Letiobri na zona de Braga
Lemos
Lóbriga Loriga
Londobris Berlengas
Longóbriga Longroiva em Meda
Lubrigos Vila Real
Malaceca/Malateca (do celta *mal-aco-s, digno de elogio)
Medróbiga Marvão
Meidúbriga povoação na Beira Alta
Miróbriga Miróbriga
Miróbriga Montemor o Velho
Meríbriga/Merébriga no Alentejo
Meróbriga provavelmente Sines ou no curso inferior do rio Mira
Montóbriga/Mundóbriga/Mondóbriga na zona de Castelo de Vide
Moron Almorol ou Montalvão
Ocelum Ferro talvez na Covilhã
Pendráganum Pedrógão
Selióbriga São Martinho de Pedrulhais em Sepins
Talábriga Lamas do Vouga
Talábriga Ponte de Lima, Estourãos
Tameóbriga na confluência dos rios Paiva e Douro
Terena Terena
Tongóbriga/ Tuntóbriga “capela dos mouros” no Freixo
Tur(o)lobriga na zona de Chaves
Uxonoba Urzelhe
Vico Camalocense na zona do Crato
Vico Veniense Cabeço de Lameirão em Meimoa
Vipasca (do celta *vipo) Aljustrel

 

Lista de rios

Nome Celta Nome actual
Ardila rio Ardila
Durius do celta dur, água. rio Douro
Migno, Minius rio Minho
Tamaca rio Tâmega

 

Notas

Tal como referido no início do artigo, os nomes celtas foram latinizados, daí que muitas localidades tenham um nome igual ou muito semelhante ao nome da época dos romanos. Havia duas povoações chamadas Mirobriga na Lusitânia. Ptolomeu refere três Arcóbrigas, uma na Celtibéria duas na Lusitânia.

3 COMENTÁRIOS

  1. Um pequeno erro, o nome associado a Leiria não está correto.
    Queria dizer “Colipo” e não “Copilo, colipo era uma das capitais juridicas do império romano, fazendo dela uma das mais importantes de todo o império, que se localizava em Porto de Mós e não Leiria. O nome de Leiria quase não sofreu alterações, deriva da palavra “leira” que deriva do galaico-português medieval “laria” a partir do proto-celta, semelhante a “lar” em irlandês antigo.
    Os celtas estableceram-se no alto onde hoje se encontra o castelo, e lá encontraram semelhanças ao seu lar na irlanda, daí o nome que ainda hoje resiste.

    Resumindo, Colipo nunca foi o nome de leiria, uma vez que o nome é de origem celta, uma ocupação anterior a civilização romana.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here