Início Cultura Debaixo do chão de Lisboa está um mundo por descobrir

Debaixo do chão de Lisboa está um mundo por descobrir

Debaixo do chão de Lisboa está um mundo por descobrir. Existem galerias romanas que só podem ser visitadas 2 vezes por ano, vestígios da antiga Olissipo.

22009
0
Galerias Romanas de Lisboa
Galerias Romanas de Lisboa

A entrada que dá acesso ao monumento é no mínimo sui generis é para dentro de um alçapão, situado bem no meio da linha do eléctrico, que, como que por magia, cabeça a cabeça vão desaparecendo para o subsolo, onde dois lanços de escadas estreitíssimas dão acesso a um espaço que, visualmente, a uns encanta e a outros desilude – tudo depende das expectativas e do interesse que cada um tem pela história e pela arqueologia.

lisboasub (1)

Um coisa é certa esta “Lisboa Subterrânea” não vai deixar ninguém indiferente, quanto mais não seja pela história “escrita” na complexa rede de galerias abobadadas, dos mais diversos tamanhos e alturas (que comunicam entre si), numa orientação de noroeste para sudeste – estrutura claramente desalinhada em relação ao actual urbanismo pombalino, cuja orientação é de norte para sul. No entanto, esta direcção serve-lhe de suporte tal como, inicialmente, foi programado pelos romanos aquando da construção daquilo que “é hoje quase consensual ao nível de todos os arqueólogos e estudiosos do assunto como tratando-se de um criptopórtico”. Um criptopórtico corresponde a uma solução de engenharia que os romanos tiveram para responder a um problema que nós continuamos a ter hoje, que é a instabilidade dos solos da Baixa de Lisboa.

romanas2

De supor é que esta estrutura artificial, que hoje continua a suportar os edifícios existentes naquela área, tenha servido de apoio à zona portuária da Lisboa romana, suportando as construções edificadas naquilo a que corresponderia à área industrial da Lisboa Olisipo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Esta estrutura, identificada na sequência do terramoto de 1755, e que na altura da sua construção estaria seca, encontra-se hoje parcialmente submersa – mais ou menos até ao meio das galerias. E a marca do oscilamento do nível das águas lá está, assinalada pelas diversas tonalidades de castanho que se encontram nas paredes, também elas construídas com vários materiais, conforme as alterações que foram sendo introduzidas nas galerias ao longo os tempos.

galerias (1)

Até para o mais leigo dos leigos é notório que a estrutura, que hoje pode ser visitada apenas parcialmente, foi sofrendo alterações. “Algo que nos indica que a construção data do reinado de Augusto é que as paredes são em silharia almofadada, embora exista aqui uma enorme variedade de materiais de construção, nomeadamente cantaria, pedra e opos (uma mistura de pedra com argamassa)”.

 

Olisipo: como era Lisboa no tempo dos romanos?

Felicitas Julia Olisipo. Assim se chamava Lisboa no tempo do Imperador Augusto, quando a cidade era um porto importante da província da Lusitânia. E quem chegava pelo Tejo o que primeiro via era um imponente teatro, símbolo do poder do Império.

Há dois mil anos Olisipo era o porto da capital da província da Lusitânia, Augusta Emerita (a atual Mérida), mas tinha a importância concedida às grandes cidades romanas. O valor estava sobretudo no rio que a fazia próspera, relevante via de comunicação com uma actividade económica sustentada na abundância do peixe, no vinho e azeite transportado para todo o mundo romano. Ficou a ser a terra da Felicidade, Felicitas Julia, como a nomeou Júlio César, o imperador que lhe concedeu o estatuto de município.

Olisipo
Olisipo

Como era política expansionista de Roma, os povos dominados  recebiam o cunho da civilização romana: da língua à arquitectura, todos os sectores eram influenciados. Durante a romanização de Olisipio, o Imperador Augusto decidiu mandar construir um teatro virado a sul, que funcionava “como marca propagandista” do Império para quem chegava à cidade pelo Tejo . Situado na encosta da colina onde está hoje o castelo de São Jorge, o edifício cénico, de estrutura semicircular, tinha capacidade para cerca de 4000 espectadores. Decorado com fustes e capitéis pintados, este era o  local onde se exibiam peças do período clássico.

Olisipo
Olisipo

Datado do século I d.C., o teatro, como grande parte de Lisboa,  “desapareceu” no terramoto de 1755. As ruínas, descobertas em 1798 durante a reconstrução da cidade, acabaram esquecidas. Em poucos anos, sobre elas foram construídos prédios de habitação. Só mais tarde, na década de sessenta do século XX, o que estava escondido debaixo dos pés veio à superfície. As escavações arqueológicas realizadas em várias campanhas tornaram possível a recuperação desta história da velha Olisipo.

Olisipo
Olisipo

Na época romana, a praça D. Luís I era uma pequena baía onde os navios ancoravam, no trânsito de cargas e passageiros, e as mercadorias que transportavam eram por vezes lançadas ao rio, talvez até com o intuito de se libertarem delas.

Olisipo
Olisipo

Da análise dos materiais recolhidos ficamos a conhecer o tipo de relações comerciais e marítimas que Olisipo manteve com o resto do Império, durante mais de 700 anos. Aqui chegavam navios oriundos de todos os cantos do Mediterrâneo.

Olisipo
Olisipo

Olisipo era um importante centro de transformação de pescado. Na margem sul do estuário do Tejo existiam várias olarias que fabricavam as ânforas em que eram exportadas as conservas.

Olisipo
Olisipo

O porto de Olisipo era um dos mais importantes de toda a fachada Atlântica. por aqui passava uma rota marítima que, desde o mediterrâneo, abastecia os exércitos de Roma estacionados na Britânia e Germânia Inferior, actuais regiões da Grã-Bretanha e parte da costa norte da moderna Alemanha.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here