Início História D. Fernando II e Glória: a última nau portuguesa

D. Fernando II e Glória: a última nau portuguesa

Foi a última nau portuguesa a fazer a Carreira da Índia e era, sem dúvida, um fantástico navio. Conheça a história da fragata D. Fernando II e Glória.

1762
0
D. Fernando II e Glória
D. Fernando II e Glória

A Fragata “D. Fernando II e Glória”, o último grande navio à vela da Marinha Portuguesa e também a última “Nau” a fazer a chamada “Carreira da Índia” – verdadeira linha militar regular que, desde o século XVI e durante mais de 3 séculos, fez a ligação entre Portugal e aquela antiga colónia – foi o último grande navio que os estaleiros do antigo Arsenal Real de Marinha de Damão construíram para a nossa Marinha.

D. Fernando II e Glória
D. Fernando II e Glória

Começou a ser construída em 1832 nos estaleiros de Damão pelo guarda-marinha construtor naval Gil José da Conceição e pelo muçulmano Yaodó Semogi. Desejava-se que fosse uma das melhores embarcações, razão pela qual o casco foi construído com madeira de teca proveniente de Nagar-Aveli, considerada a mais resistente e de melhor qualidade. Onze anos depois, em Outubro de 1843, a última fragata à vela construída pela Marinha Portuguesa em Damão foi lançada à água e rebocada para Goa a fim de ser aparelhada em galera. A sua viagem inaugural, de Goa para Lisboa, realizou-se apenas em 1845 e tal como as naus quinhentistas ainda transportou pimenta.

D. Fernando II e Glória

Esta última nau da Índia recebeu o nome de D. Fernando II e Glória em homenagem a D. Fernando, marido da rainha D. Maria II e por ter sido entregue à protecção de Nossa Senhora da Glória, de especial devoção pelos naturais de Goa. Fracamente artilhada, apenas com 50 bocas de fogo, a fragata navegou durante 33 anos cerca de 100 mil milhas, quase 5 voltas ao mundo, evidenciando boas qualidades marinheiras, facilidade de manobra e desafogo das instalações (chegou a transportar 650 pessoas!).

D. Fernando II e Glória
D. Fernando II e Glória

Efectuou numerosas viagens à Índia, Moçambique e Angola transportando militares, degredados e respectivas famílias para as colónias e mercadorias preciosas e exóticas. De entre as missões que lhe foras confiadas destacam-se a participação na ocupação de Ambriz, em Angola, que em 1865 se revoltara por instigação inglesa, e a última viagem como nau da Carreira das Índias em 1861 na qual desarvorou tendo chegado a Lisboa com uma mastreação temporária improvisada em Moçambique.

D. Fernando II e Glória
D. Fernando II e Glória

A fragata D. Fernando II e Glória substituiu em 1865 a nau Vasco da Gama como Escola de Artilharia Naval, tendo efectuado a última missão no mar em 1878, numa viagem de instrução de guarda-marinhas aos arquipélagos da Madeira e dos Açores, onde salvou a tripulação da barca americana Laurence Boston, que se incendiou ao largo da ilha de São Miguel. Até 1938 continuou como Escola de Artilharia Naval após o que desempenhou as funções de navio-chefe das Forças Navais do Tejo até 1940. Terminou em sede da “Obra Social da Fragata D. Fernando”, onde rapazes de famílias sem capacidades económicas receberam instrução de marinharia.

D. Fernando II e Glória
D. Fernando II e Glória

Em 1963 a fragata D. Fernando II e Glória sofreu um violento incêndio que a consumiu até à linha de água ficando encalhado e semi-submerso, no Mar da Palha, em frente a Lisboa. Nos anos 70 um movimento de opinião, a favor da recuperação, reagiu a notícias que davam conta da sua venda em concurso público do que restava da fragata. O passo decisivo foi dado somente em 1990, com a assinatura de um protocolo de recuperação envolvendo a Armada e a Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses. O objectivo, ao qual se associaram diversas entidades e empresas, culminará num navio-museu destinado a divulgar Portugal, a sua história e cultura, disponibilizando ainda espaço para conferências, exposições, pequenos concertos e recepções.

D. Fernando II e Glória
D. Fernando II e Glória

O projecto de recuperação foi confiado à Marinha tendo sido o Arsenal do Alfeite encarregado de executar a obra. Grande parte da reconstrução da fragata D. Fernando II e Glória decorreu no estaleiro Riamarine de Aveiro desde 1992 tendo sido mastreada nos estaleiros do Alfeite em 1997. Sendo uma restauro fiel continuará o navio sem motor tal como originalmente.

D. Fernando II e Glória
D. Fernando II e Glória

A 27 de Fevereiro de 1998 ficou finalmente pronta, bem a tempo de ser exposta no recinto da EXPO’98 comemorando deste moda a efeméride dos 500 anos da chegada de Vasco da Gama à Índia. Num só dia teve as honras de cerca de 13.000 visitantes! Presentemente encontra-se aberta ao público em exposição permanente na Doca de Alcântara em Lisboa. É actualmente considerado o oitavo navio de guerra mais antigo do mundo.

D. Fernando II e Glória
D. Fernando II e Glória

Durante os 33 anos em que navegou, percorrendo cerca de 100 mil milhas, correspondentes a quase 5 voltas ao Mundo, a “D. Fernando”, como era conhecida, provou ser um navio resistente e de grande utilidade, tendo efectuado numerosas viagens à Índia, a Moçambique e a Angola para levar àqueles antigos territórios portugueses unidades militares do Exército e da Marinha ou colonos e degredados, estes últimos normalmente acompanhados de familiares. Chegou até a levar emigrados políticos espanhóis para os Açores.

 

Quem era D. Fernando II?

Em 1836, casa com a rainha D. Maria II de Portugal. Dois anos mais tarde, compra, a expensas próprias, as ruínas o antigo Real Mosteiro de Nossa Senhora da Pena, no alto da Serra de Sintra, toda a mata circundante, incluindo o Castelo dos Mouros.

D. Fernando II
D. Fernando II

Homem de uma enorme sensibilidade artística e ambiental, D. Fernando vai cristalizar na Pena os seus sonhos a partir de 1840, criando um palácio romântico de grande impacto cenográfico, misturando estilos e culturas, numa demonstração fantástica da sua tolerância cultural, aliás, própria do movimento romântico de que ele foi, em Portugal, um dos principais impulsionadores.

locais para visitar em Sintra
Palácio da Pena

Planta, em simultâneo, o fabuloso Parque da Pena onde, tal como no palácio, aqui mistura plantas provenientes das mais variadas e longínquas partes do mundo, numa atitude igualmente de enorme tolerância e vontade universalista de unir todos os povos e credos.

Chalet Condessa d'Edla
Chalet Condessa d’Edla

Ao fim de dezasseis anos de viuvez, D. Fernando II casa pela segunda vez. Desta feita com Elise Hansler, cantora de ópera que recebeu o título de Condessa d’Edla, também ela uma mulher bastante sensível e criativa. Edificam, juntos, o chamado Chalet da Condessa, no interior do Parque da Pena, outra das grandes obras do Romantismo nacional.

Palácio da Pena
Palácio da Pena

De facto, com D. Fernando II e as suas obras, Sintra não mais voltaria a ser a mesma. Durante o século XIX, são muitos os palacetes, chalets, casas de veraneio, que vão nascer em todo o perímetro de Sintra, transformando esta vila numa espécie de santuário romântico que, ainda hoje, faz parte da sua originalidade e identidade cultural.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here