Início Sociedade 8 factos que provam que o turismo está a destruir Lisboa

8 factos que provam que o turismo está a destruir Lisboa

Estará Lisboa a perder o seu encanto por causa do excesso de turistas? Conheça 8 casos que provam como o turismo está a destruir Lisboa.

9

São cada vez mais as vozes que se levantam contra o turismo desenfreado em Lisboa que está a desvirtuar e a destruir o mais genuíno que a capital tem para oferecer. O site Lisboa does not love apresenta 8 razões para justificar com o turismo está a destruir Lisboa.

As derivações comerciais do turismo de massa fragilizam o equilíbrio lisboeta, apoderaram-se do seu delicado charme e infiltram-se cada vez mais na alma da cidade.

Por isso, antes que tais mudanças sejam irreversíveis, os habitantes de Lisboa vêm aqui dizer aos turistas e às autoridades locais aquilo de que Lisboa não gosta, esperando de todo coração que as alternativas que se sugerem sejam implementadas.

 

1. GO-car

Veículo híbrido que une todos problemas possíveis e imaginários.

Chatices para os habitantes

Duplamente barulhento: alimentado por um motor de scooter, pouco potente e por isso constantemente acelerado a fundo ; uma voz robótica que irrompe constantemente narrando banalidades sobre a cidade.

Altamente poluente devido ao seu motor de scooter subdimensionado.

Brinquedo de efeito extremamente desinibidor para os seus passageiros, que ao volante se julgam literalmente na Disney (gritarias, delírios de todo género), ainda mais quando desfilam em grupo.

Inconveniências para os turistas

Desconfortáveis: os passageiros submetem-se aos constantes solavancos em decorrência do tipo de pavimento das ruas.

Perigosos: os passageiros viajam rente ao asfalto, ao nível dos pára-choques dos outros carros, inalanando os gases libertados.

Limitações: não permitem o acesso aos becos e travessas mais charmosos da capital, acessíveis somente a pé.

Solução

Descobrir Lisboa a pé.

 

2. Segway

Constantemente publicitado como uma das soluções para os problemas de tráfego e poluição dos centros urbanos, tal aparelho apresenta-se em Lisboa como inútil e um tanto ou quanto ridículo.

segways-header

Chatices para os habitantes

Constrangedor para os habitantes, que são obrigados a retrair-se à sua passagem, já que tal máquina consegue intrometer-se em todas as ruas e vielas pedonais dos velhos bairros.

Perigoso tanto para os pedestres quanto para os seus condutores, estes últimos normalmente com pouca habilidade e equilíbrio precário nas colinas da cidade. A breve formação de 10 minutos antes da sua utilização feita na Praça do Comércio é comicamente caricata. Importa relembrar que o dono da marca Segway morreu ao cair de uma falésia.

Problemas para os turistas

Desconfortável, já que é de difícil para rapidamente em caso de necessidade, para além da dificuldade em manter a concentração na condução e no discurso do guia, principalmente no terreno sinuoso da cidade.

Limitações: não permite o acesso às belas e charmosas escadarias lisboetas.

De entre todos os equipamentos para turistas, provavelmente o que lhes confere o ar mais ridículo.

Solução

Não seja preguiçoso – caminhe!

 

3. Tuk-Tuk a gasolina

Desconhecidos até há pouco tempo atrás, em apenas dois anos os tuk-tuks já fizeram um grande estrago no centro da cidade! Nem a própria Câmara Municipal consegue controlar quantos actualmente se encontram em circulação. Estima-se que nos bairros centrais circulem incansavelmente e à caça de turistas interessados, entre 200 e 300.

m53n4vfl8vjaxbqks4at

Chatices para os habitantes

Muito barulhentos, aceleram ainda mais nas subidas, ou seja, quase sempre.

Poluentes, posto que geralmente são apenas dotados de um pequeno motor de péssima qualidade.

Obstruem regularmente os pontos turísticos, onde todos acabam por estacionar (miradouros, travessas…)

Desinibidores também para uma parcela dos turistas que os utilizam, que se sentem num parque de diversões em pleno centro lisboeta, para tal estimulados pelos seus motoristas.

Desfiguram a autenticidade da paisagem urbana em decorrência da sua quantidade irregrada.

Inconveniências para os turistas

Visita desconfortável à cidade: os passageiros vão sentados sobre um motor barulhento e poluente.

Caro (30€ por trinta minutos) e de qualidade medíocre – o discurso e a linguagem da maior parte dos “guias-motoristas” são perturbadores dada a tamanha superficialidade.

Limitações: como todos os meios de transporte improvisados.

Soluções

Lisboa descobre-se principalmente a pé, sendo esta a única forma de se aceder aos lugares mais recondidos e emblemáticos.

Se não resistir a uma viagem, ao menos escolha sempre os tuk-tuks elétricos, silenciosos e não-poluentes.

Privilegiar os condutores de aparência calma e cuidadosa, que não estejam a abordar agressivamente os seus potenciais passageiros.

 

4. Turismo de carneirada

Todos os grupos com mais de 20 turistas causam um problema para os antigos bairros de uma cidade como Lisboa, onde a configuração urbana e o espaço modesto não foram constituídos para acolher grandes multidões. Ainda assim, alguns, como aqueles vindos dos cruzeiros ou ainda os cooptados pelas visitas gratuitas, chegam facilmente a 40 pessoas ou mais.

1072422

Chatices para os habitantes

Obstruem constantemente os becos e ruas estreitas dos velhos bairros lisboetas, principalmente quando fecham uma rua para tentar escutar os seus guias inconsequentes. Estes grupos acabam por forçar os habitantes a esperá-los para poder passar, além de terem de se encolher e escolher um caminho diverso com dificuldades nos seus próprios bairros.

A psicologia das grandes massas comprova que o comportamento das pessoas em grupo é fortemente alterado. Os turistas passam a ser muitas vezes barulhentos, assim como os seus guias, já que estes últimos têm que berrar para se fazer entender por todo o perímetro no qual se encontra o seu grupo de seguidores (não são disponibilizados audio-guias para as visitas gratuitas, por exemplo).

Inconveniências para os turistas

Uma viagem em grandes grupos surge como a antítese de uma aventura, sem que haja a possibilidade de individualização na prestação do serviço, além de levar as pessoas a se comportarem das maneiras mais grotescas.

Soluções

Privilegiar passeios individuais ou em pequenos grupos.

Privilegiar as atividades/prestações propostas em grupos de tamanho limitado.

 

5. Linhas de Cruzeiros

Apoteose do capitalismo, milhares de passarinhos deixam o seu cartão de crédito na recepção dos grandes cruzeiros e se amontoam em suas gaiolas, visando passar algumas horas em várias cidades de vários países. A standardização é generalizada e o conceito carneirada chega ao seu extremo, com uma gulodice extremada por serviços caros e medíocres: a armadilha está feita.

11000497_762286380551716_6985234307010822675_o

Chatices para os habitantes

Os imóveis flutuantes acostados ao largo de Alfama desfiguram o berço de Lisboa e são um verdadeiro insulto à sua história de 2000 anos de aventuras marítimas.

Poluição ambiental ao extremo: os navios de cruzeiro trazem ao cais uma poluição intolerável para a população ribeirinha (descargas de óxido de enxofre, óxido de nitrogénio e outras partículas finas).

Poluição sonora: inoportunamente música de mau gosto invade regularmente o bairro quando o cruzeiro se diverte nos seus dias de festa.

Está longe de ser uma fonte de desenvolvimento para os pequenos comércios locais: os cruzeiros enriquecem sobretudo as grandes empresas (através da venda de excursões, etc.) e grandes estabelecimentos parceiros (únicos capazes de acolher tais massas).

Conferir as críticas acerca do turismo de carneirada: a maior parte dos grandes grupos lá mencionados decorre justamente das marés humanas despachadas pelos cruzeiros.

Inconveniências para os passageiros

O marketing desenvolvido pelas empresas de cruzeiros é um verdadeiro caso de estudo quando se fala em embuste: o cliente é seduzido por preços acessíveis que fatalmente dobrarão ou triplicarão até o fim da viagem, já que a bordo tudo é minuciosamente construído para estimular o consumismo: desde as compras virtuais (não há circulação de dinheiro em espécie a bordo) às ofertas constantes de produtos e serviços (pacotes de bebidas, fotografias etc…), até à própria configuração do espaço físico (casino centralmente situado, sem restrições etárias para o seu acesso).

Um lugar na mesa do festim capitalista: a mão-de-obra utilizada provém normalmente de países desfavorecidos (Madagascar, Filipinas, Haiti), a miséria da qual contrasta com o luxo e abundância postos à disposição dos passageiros.

Soluções

Privilegiar viagens individuais e em pequenos grupos.

Privilegiar viagens em pequenos navios construídos em escala humana.

 

6. Conselhos das mídias de massa

A súbita popularidade de Lisboa fez florir inúmeros sites (blogs, portais) e guias de viagem, os quais afirmam indicar os melhores sítios da cidade. Na verdade, na melhor das hipóteses estas dicas foram escritas por pseudo-expertos, os quais estão muito longe de compreender a cidade. A situação real é ainda pior: em grande parte dos casos tais guias são apenas propagandas dissimuladoras de um comércio (publicidade, comissões, serviços, etc.), disfarçado como se bons conselhos fossem.

b-lisboa-wait-for-me-travel-guide

Chatices para todos

Os “conselhos” espalhados, lidos e acreditados por milhares de internautas, mesmo sendo geralmente inúteis, levam a que muitos se apressem e se concentrem nos mesmos endereços. Um dos exemplo mais gritantes é a Torre de Belém: visita recomendada unanimemente enquanto qualquer lisboeta sabe que não se deve adentrá-la, posto que o seu interior é despido de interesse e a visita é bastante desconfortável (o turista acaba por se encontrar constantemente preso em escadas estreitas que possuem sentido único).

Os “bons endereços” descobertos pela mídia massificada deixam justamente de ser bons, se é que alguma vez o foram, passando a ser de conhecimento generalizado e frequentados apenas pelos turistas. Os habitantes locais fatalmente abandonam tais locais, em decorrência da frequente alta de preços e queda na qualidade dos serviços.

Soluções

Não acreditar em tudo o que se lê na internet nem nos guias de viagem: uma vez chegando ao local de visita, descobrir por si próprio o que vale a pena visitar em função dos seus próprios interesses.

Bom senso e um pouco de esforço são suficientes para descobrir os bons cantinhos lisboetas.

O imprevisível e o risco são a essência de uma viagem: procure não planejar absolutamente tudo com antecedência (fonte de estresse e limitador).

 

7. Estabelecimentos para turistas

O tecido urbano tem sido progressivamente invadido pelo comércio (lojas, restaurantes, casas de fado, etc.) voltado para os turistas – não possui nada de local, a não ser os seus nomes (e ainda há aqueles já com nomenclatura anglófona!). Estes sítios são criados sob medida para responder a uma demanda uniformizada de turistas.

Rua "Cor de Rosa" - Lisboa
Rua “Cor de Rosa” – Lisboa

Chatices para os habitantes

Substituição lenta e segura dos pequenos comerciantes locais, que davam o seu charme aos antigos bairros e garantiam o rendimento dos habitantes.

Inflação de preços nos produtos oferecidos.

Inconveniências para os turistas

O equilíbrio qualidade/preço deixa de existir (tanto na alimentação quanto no fado, nos souvenirs…), quando comparado com o comércio local.

Falta de autenticidade (os turistas encontram-se somente entre si), ou pretensa e construída autenticidade (o que é ainda pior).

Soluções

Esforçar-se para expandir o perímetro explorado para além das zonas ultra-turísticas (Baixa, Alfama, etc.), onde todos se concentram. Lisboa está cheia de novas descobertas fora destas zonas, bastando andar algumas centenas de metros a pé para as encontrar.

Evitar os estabelecimentos construídos sob o escopo das empresas de marketing, reconhecíveis a partir da sua estética asséptica e/ou internacional; da tradução dos menus para todas as línguas. Estes locais traduzem-se como verdadeiros matadouros, onde estão presentes exclusivamente os turistas. Pelo contrário, privilegiar os estabelecimentos onde encontram-se portugueses, onde os menus são em português, onde se esta de facto em Portugal.

 

8. Falta de civismo

naom_53fc33bb48cf1

Férias e viagens tendem a ser factores de desinibição para um grande número de turistas, ainda mais quando chegam em massa num novo local, comportando-se frequentemente de maneira mal-educada.

Chatices para os habitantes

Desrespeito pela vida privada: frequentemente são tiradas fotos de locais sem autorização prévia, além da já mencionada obstrução dos bairros locais pelos grandes grupos de visita…

Delírios de todo tipo: bebedeiras e despedidas de solteiro(a), estardalhaços em apartamentos alugados, gritarias frequentes dos usários dos go-cars, tuk-tuks, etc.

Avareza (cada dia mais frequente com a expansão do turismo low-cost), a qual consiste na negociação dos preços e na expectativa de que Portugal seja muito menos caro do que seus locais de origem.

Soluções

Comportar-se decentemente, como se estivesse em sua terra natal.

Ser humildemente discreto: o turista é que se adapta às condições locais e não o contrário.

Simplesmente não viajar ainda se não tiver condições de gastar um mínimo e respeitar os custos locais.

9 COMENTÁRIOS

  1. Matéria ridicula,turismo é assim em qualquer lugar do mundo, por que não colocam no titulo ” turismo esta a atrapalhar o COMERCIO LISBOETA! e quanto aos cruzeiros, a melhor invenção criada, tudo em um único lugar sem contar a segurança para pais com filhos pequenos, e como cruzeirista que sou, digo que é mentira que os cassinos la dentro NAO POSSUEM RESTRIÇAO DE IDADE, e as lojas la dentro FECHAM quando o navio esta atracado, estimulando o turista a gastar no caríssimos comércios locais que convenhamos, é sempre caro em qualquer lugar do mundo independente de terem ou não parcerias com a companhia de cruzeiro. Gostaria de saber o que seria de Lisboa se não fosse o turismo?! Deviam era agradecer!

    • Parece que a inteligencia ainda nao chegou ao teu cerebro. obviamente que o turismo é bom para qualquer pais. mas O PAIS NAO PODE TAR DEPENDENTE SO DO TURISMO PRECISA DE CONSUMO INTERNO. olha frança. sofreu com os ataques turistas que fez o turismo baixar bastante mas a nivel economico mesmo tendo sofrido, nao afetou muito. agora imagina o que aconteceria em portugal se o turismo que ta a crescer desaparece se. a onde é que esta a ser investido o dinheiro ? Em empresas e em startups para fazer crescer o consumo interno ?
      onde é que esta a ser apostado dinheiro ? na educaçao ? para crescer a nossa mao de obra qualificada. apostar nas empresas feitas em portugal que puderiam criar postos de trabalho especializados para os tantos miudos que imigram para outros paises pq andam a servir as mesas com um doutoramento nas maos. temos doutores a guiarem tuk tuks para ganhar uns trocos para sobreviver. e escolas com pessimas condiçoes. para nao falar no crescente restauro de edificios na baixa de lisboa. enquanto os arredores é so edificios velhos em pessimo estado e muitos abandonados. mas aposta se no turismo na criaçao de empresas para servir o consumo estrangeiro e se por acaso o turismo um dia devido a um problema diminui ou portugal perde o interesse mundial. o que acontece. todos os postos de trabalho criados pelo turismo vai com o caralho porque nao tem consumidores. mais uma coisa. existem 2 tipos de estudo. o especializado. (doutores advogados arquitetos engenheiros designers etc) e existe o profissional (pedreiros calceteiros soldador mecanico etc) portugal tem a pior taxa de estudantes que concluem o segundario) ora temos uma populaçao com poucos estudos e velha. trabalhos profissionais com cada vez menos jovens a aprender. e temos jovens com cursos universitarios a imigrar. O problema de portugal é que so ta a apostar no investimento estrangeiro e a apostar em empresas para o consumo estrangeiro. e sim o consumo estrangeiro é bom MAS PORTUGAL DEVIA APOSTAR EM CONSUMO PORTUGUES E SO DEPOIS NO ESTRANGEIRO PORQUE SE O CONSUMO ESTRANGEIRO CAI OU DESAPARECE. de onde vira o dinheiro ??? anda o pais a enriquecer com o turismo para termos um salario minimo de 530 euros LOL.

  2. Lisboa, nasceu agora só depois de haver turismo de massas?Não!Lisboa existe há alguns séculos!Este turismo desenfreado, está a desvirtuar completamente o seu modus vivendus e operandis! A nossa Cultura, está a diluír-se rapidamente. Os seus habitantes(Lisboa) não têm sossêgo, em qualquer prédio há um arrendamento local que, faz barulho e porcaria a qualquer hora. Os transportes, para transportar os lisboetas são poucos e atafulhados. Apertam-se faixas rodoviárias para fazer esplanadas em Ruas, Travessas e Becos, sem condições para as mesmas!Há Ruas em Lisboa que não têm um único habitante(Rua de Belém) fazem-se arrendamentos fictícios de habitação para enganar as Finanças. A Economia continua moribunda ainda não vi grandes resultados deste turismo desregulado que será proveitoso só para aqueles grupos que pedem/pediram dinheiro à Banca a seguir abriram insolvência, passaram os hotéis/edifícios para outros e os portugueses estão cá para pagar à Banca… Não gosto deste turismo!…

    • EU vivo na Rua de Belém, e mais pessoas.
      O mal é esse, pensarem que não vivem cá pessoas, aliás já se pode estender ao resto de Lisboa…
      Lisboa é só feita para turistas.

  3. Concordo com o texto publicado, pode não ter sido bem escrito mas as ideias estão mais ou menos bem exploradas. Turismo de qualidade sim, de massas não é benéfico. Enquanto não entendermos isso as coisas não vão melhorar. De que adianta ter monumentos históricos de grande qualidade, paisagens naturais, cultura, etc., se tudo isso vai sendo descaracterizado? Não, não é assim em todo o lado. Existem países, como a Nova Zelândia, que apostam num turismo de qualidade e SUSTENTÁVEL. Mas o que interessa é o lucro rápido e massificado. Se assim não fosse, apostariam na qualidade dos próprios trabalhadores da indústria (a maioria nem deve estudar turismo), nos seus salários e no custo da experiência para os próprios turistas. Viva o turismo barato e massificado…

  4. O que seria deste pais e de nos mesmo se não fosse o turismo aqueles que não querem o turismo não sabem o que dizem, estávamos todos a fome aqueles que estão contra já repararam o turismo, da quantos posto de trabalhos da o turismo ganhem mas é juízo e deixem de tanta maldade se o turismo de minuir vão ver o que é bom patos…

    • Agora respondo, tal como outra pessoa afirmou acima, uma economia não pode ser economia do chinelo e viver só do turismo, principalmente de bugiganga.
      Mal haja uma situação que afugente os turistas isto vai tudo pelo ralo! E só não vai mais porque Lisboa neste caso, está a ser comprada por Franceses endinheirados, esses sim podem viver cá e bem.

  5. Muito bom artigo. Mas soluções apresentadas (apesar de ser boas) não são possíveis de entrar na prática. Existe uma solução super fácil para todos os problemas de “Overtourissm” – aumentar drasticamente (1000%-10000%) taxas para dormidas de turistas, para chegadas no aeroporto o no porto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here