Início Viagens 15 fantásticos monumentos para descobrir em Coimbra

15 fantásticos monumentos para descobrir em Coimbra

Na cidade dos estudantes há muito património associado à sua universidade e à história de Pedro e Inês. Descubra 15 fantásticos monumentos de Coimbra.

3711
2
Biblioteca Joanina
Biblioteca Joanina - Alfredo Mateus

A cidade de Coimbra sempre foi conhecida pela sua Universidade, uma das mais antigas de Portugal e da Europa. Por isso mesmo, muitos dos mais famosos monumentos de Coimbra estão associados à universidade: a sala dos Capelos, a Capela de São Miguel ou a sala dos Archeiros, por exemplo. Mas Coimbra é conhecida também pelos amores de Pedro e Inês e, por isso mesmo, não pode deixar de visitar a Quinta das Lágrimas ou o Penedo da Saudade. Além destes pontos de interesse, existem ainda diversos edifícios religiosos, como igrejas e mosteiros, que valem a pena uma visita demorada. Descubra 15 fantásticos monumentos em Coimbra.

 

1. Sé Velha de Coimbra

Considerada uma jóia do Românico português, é a única catedral portuguesa construída na época da Reconquista cuja estrutura chegou intacta até à actualidade. Fundada durante o reinado de Afonso Henriques, a Sé Velha de Coimbra representa, na sua monumentalidade, a grandeza austera da arquitectura românica. Considerada uma jóia do Românico português, é a única catedral portuguesa construída na época da Reconquista cuja estrutura chegou intacta até à actualidade.

cidades mais antigas de Portugal
Sé Velha de Coimbra

Vale a pena atravessar o magnífico portal, que lembra a entrada de uma fortaleza, e descobrir o interior, onde a pedra construiu um espaço imponente marcado pela alternância de luz e sombras, levando-nos por entre colunas maciças e delicados capitéis repletos de folhas e figuras de animais. Reserve ainda tempo para admirar o magnífico retábulo, esculpido em talha, que decora o centro da capela-mor, uma obra renascentista de Olivier de Gand e Jean d’Ypres. Junto à igreja, pode apreciar o silêncio do claustro gótico, que convida à calma e ao deleite.

 

2. Sé Nova de Coimbra

Próximo da Universidade de Coimbra, começou a ser construído em 1598 o Colégio das Onze Mil Virgens pela Companhia de Jesus, que estava instalada na cidade desde 1541. As obras desenvolveram-se com lentidão e a igreja apenas foi inaugurada em 1698. Os jesuítas ocuparam o local até 1759, ano em que a Companhia foi extinta pelo Marquês de Pombal e, em 1772 a sede episcopal foi transferida da Igreja de Santa Maria (a Sé Velha, em estilo românico) para este edifício bastante mais espaçoso.

Sé Nova de Coimbra
Sé Nova de Coimbra

A fachada da Sé Nova obedece aos cânones arquitectónicos jesuítas, ostentando um aspecto sóbrio e austero. No interior, de uma só nave, o transepto e a capela-mor estão decorados com magníficos retábulos de talha dourada, construídos entre os séculos XVII e XVIII. Nas capelas laterais, podem encontrar-se diversos altares em estilo barroco dedicados a Nossa Senhora das Neves, a São Tomás de Vilanova e ao Santíssimo Sacramento, do lado direito; e a Santo António, à Ressurreição e a Santo Inácio, do lado esquerdo.

 

3. Biblioteca Joanina

Obra-prima do Barroco, a Casa da Livraria foi edificada sob o patrocínio de D João V, adoptando a designação de Biblioteca Joanina em homenagem ao seu patrono. Construída de modo a exaltar o monarca e a riqueza do império, nomeadamente da provinda do Brasil, esta biblioteca é, para além de uma esplendorosa combinação de materiais exóticos, um verdadeiro cofre forte de livros.

Biblioteca Joanina
Biblioteca Joanina

No interior aguarda o visitante uma sucessão de três salas comunicantes que, sabiamente, conduzem o olhar do visitante para o retrato do patrono, D. João V, da autoria do pintor saboiano Domenico Duprà. O interior, realizado por Manuel da Silva ao longo de 40 meses, é integralmente revestido por estantes forradas a folha de ouro e decoradas com motivos chineses, que estabelecem uma interessante relação cromática com os fundos pintados a verde, vermelho e negro.

 

4. Mosteiro de Santa Clara-a-Nova

O Mosteiro de Santa Clara-a-Nova foi construído em 1649 para substituir o primitivo Mosteiro de Santa-Clara-a-Velha, que tinha acabado de ser inundado pelo Rio Mondego. Este edifício de estilo barroco encontra-se rodeado por torres.

Mosteiro de Santa Clara-a-Nova
Mosteiro de Santa Clara-a-Nova

A decoração superior da igreja exibe uma urna de prata e cristal (do século XVII) com o corpo venerado da Rainha D. Isabel; enquanto que nas paredes laterais se mostram uns painéis de azulejos que contam a sua vida. No nível inferior encontra-se uma estátua de pedra da padroeira da cidade, obra do mestre Pêro, que a fez no ano 1330.

 

5. Claustro da Manga

É uma das primeiras obras arquitectónicas inteiramente renascentistas feitas em Portugal e a sua estrutura é evocativa da Fonte da Vida. Remonta à antiga Fonte da Manga, do Mosteiro de Santa Cruz, pertencente aos monges da Ordem de Santo Agostinho, erguida em 1528. O jardim é dominado por uma edificação, de que actualmente nos restam apenas a cúpula e fonte centrais, ligadas a quatro pequenas capelas e circundadas por pequenos lagos de forma rectangular.

Claustro da Manga
Claustro da Manga

Nas capelas destacam-se três pequenos retábulos, muito mutilados, atribuídos a João de Ruão. Originalmente eram quatro. Acerca de sua construção e toponímia, a tradição local afirma que, certo dia em que o rei João III de Portugal visitava o mosteiro, e deparando com um amplo espaço desaproveitado, esboçou na manga do seu gibão um claustro e jardim circundante, que mandou depois executar. Encontra-se classificado como Monumento Nacional desde 1934.

2 COMENTÁRIOS

  1. Gostei imenso de percorrer as imagens e conselhos deste “site” ou vídeo. Não sendo eu turista estrangeiro, considero-me turista nacional, cá dentro. Parabéns.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here