Início Viagens 12 locais de visita obrigatória no Douro

12 locais de visita obrigatória no Douro

É um dos mais belos locais de Portugal e é Património da Humanidade. Descubra 12 locais de visita obrigatória no Douro.

115157
5
Amendoeiras em Flor no Douro
Amendoeiras em Flor no Douro

Dizem que os sítios mais inacessíveis são os mais maravilhosos. E o Douro é prova disso. Escondida no interior de Portugal, esta região surpreende todos os que a visitam. Seja pela sua beleza natural, seja pelo seu vinho tão delicioso, seja pela sua gente, cultura, tradições, história… Assim, perante um paraíso tão imenso e encantador, escolhemos os 10 locais de visita obrigatória no Douro que deve mesmo visitar este ano. Por entre cidades e aldeias, praias, parques ou montes, comece já a preparar o seu roteiro no Douro!

 

1. Peso da Régua

Geralmente conhecida apenas por Régua, o Peso da Régua é uma pequena cidade situada no coração do Douro. É considerada a capital deste Região Demarcada e uma das mais influentes cidades ribeirinhas da zona do Douro Vinhateiro. Aqui estamos no centro da Região, entre a cidade do Porto e o Pocinho. E é precisamente esta a terra de figuras incontornáveis da História de Portugal, como a Ferreirinha, João de Araújo Correia ou Antão de Carvalho.

Peso da Régua
Peso da Régua

Pela sua beleza única e características que se ligam harmoniosamente à História do Douro, uma delongada visita a esta cidade vai um primor. O Museu do Douro, o Solar do Vinho do Porto, a Casa do Douro e o miradouro de S. Leonardo da Galafura são obrigatórios. Mas se ainda lhe restar um tempinho, deixamos mais algumas sugestões: a Capela das Sete Esquinas, a Capela do Cruzeiro e a estação arqueológica do Alto da Fonte do Milho. Passeie, ainda, pelo cais e aventure-se num cruzeiro pelo Douro com partida desta cidade. E Já que aqui está, não se esqueça de provar a boa gastronomia típica do concelho da Régua. O nosso concelho? Um bom arroz de forno com cabrito assado, leite-creme e claro, um delicioso vinho da Região a acompanhar.

 

2. Santuário Nossa Senhora dos Remédios – Lamego

A pacata cidade de Lamego também é um dos tesouros do Douro. Muito próxima da Régua, é a segunda maior cidade da Região, datando do tempo dos romanos. É uma cidade simples, de gente alegre e simpática. Aqui respira-se História, tradição, cultura. Cidade de casas brasonadas, monumentos religiosos encantadores, fontanários históricos, parques e jardins, é uma localidade que não passa despercebida. Por isso mesmo, se estiver em viagem pelo Douro, já sabe, passe por Lamego. Em Lamego, destacamos o Santuário de Nossa Senhora dos Remédios. Erguido no cimo do monte, este Santuário oferece uma vista sublime sob a cidade. Num estilo Rococó, o início da sua construção data de finais do século XVIII, tendo sido finalizado nos primeiros anos do século XX.

Santuário Nossa Senhora dos Remédios
Santuário Nossa Senhora dos Remédios

Se estiver bem treinado, sugerimos que suba os nove lances de escadas, desde o centro da cidade à capela no cimo do monte, num total de 686 degraus. Mas pode descansar no meio da subida, pois os vários patamares no meio da escadaria são ornamentados com capelas, estátuas, fontes e obeliscos. Sente-se, tire algumas fotografias e descanse… E se tiver a oportunidade de viajar em Setembro, no dia 08 participe na grande romaria de Nossa Senhora dos Remédios que todos os anos atrai milhares de fiéis e turistas à cidade.

 

3. Miradouro de Casal de Loivos

A Região do Douro tem cerca de 14 miradouros de cortar a respiração. Mas o miradouro de Casal de Loivos é dos mais sublimes. Situado junto ao cemitério da aldeia de Casal de Loivos, no concelho de Alijó, tem uma vista privilegiada sobre as vinhas em socalco tão características desta Região, as suas aldeias semeadas pelas encostas e as suas Quintas onde os vinhos envelhecem em tonéis.

Miradouro de Casal de Loivos
Miradouro de Casal de Loivos

Daqui pode ver-se, ainda, o Rio Douro, a correr calmo e tranquilo lá em baixo, serpenteando os montes em frente ao Pinhão, localidade dominante deste cenário idílico. Esta paisagem é tão deslumbrante que foi considerada uma das mais bonitas do Mundo, pelo canal de televisão britânico BBC.

 

4. Parque Arqueológico do Vale do Côa

O Parque Arqueológico do Vale do Côa, em Vila Nova de Foz Côa, é indubitavelmente uma das pérolas durienses. Este parque concentra a maior parte dos sítios pré-históricos de Arte Rupestre que encontramos na zona, considerados dos mais importantes do mundo, no que respeita à arte paleolítica de ar livre. Sedo Património da Humanidade pela UNESCO, o parque contempla mais de 60 núcleos rupestres, disseminados ao longo de 26 quilómetros.

Parque Arqueológico do Vale do Côa
Parque Arqueológico do Vale do Côa

Uma visita a este autêntico museu paleolítico ao ar livre vai valer a pena. Imagine o que aquelas rochas, com séculos e séculos de existência, têm para lhe contar… Aprecie toda a História, enquanto desfruta da calma sublimar que paira pelo Douro. Respire a Natureza! E já que aqui está, visite o Museu do Vale do Côa. Inaugurado em meados de 2010, vai complementar sublimemente esta sua visita.

 

5. Favaios

A aldeia de Favaios é uma pacata aldeia vinhateira que tem muito para contar. Localizada na Serra do Vilarelho, concelho de Alijó, faz parte do distrito de Vila Real. Remontando à Idade do Ferro, é uma freguesia de paisagens estupendas, marcas arqueológicas, casas brasonadas, com muitos monumentos históricos ligados à Igreja.

Favaios
Favaios

Aqui, é produzido o famoso Moscatel do Douro, um dos mais apreciados vinhos a nível mundial, muito aromático e elegante. É o Moscatel Galego Branco, um delicioso néctar produzido a partir de uma única casta, o “Moscatel Galego”. Se quer uma boa sugestão… marque um lugar na Quinta da Avessada e desfrute de um dia fantástico, cheio de tradições, História, comida incomparável e boa disposição. Não se esquecendo, claro, de provar um bom Moscatel.

 

6. Pinhão

A bonita Vila do Pinhão localiza-se a cerca de 25 quilómetros do Peso da Régua. A sua localização entre o Rio Douro e o Rio Pinhão tornam-na numa das mais belas vilas de Portugal. É uma localidade pequena mas muito hospitaleira, de gente encantadora e divertida. A História do Pinhão andou sempre de mãos dadas com a História do Vinho do Porto. Estrategicamente localizada, esta vila tornou-se num importante entreposto comercial, fazendo com que este delicioso néctar do Douro fosse enviado para o Porto e, posteriormente, para o mundo. Primeiro em Barcos Rabelos, depois em vagões pela Linha do Douro e, finalmente, em camiões cisterna.

Pinhão
Pinhão

Tudo, e em qualquer altura, passou pelo Pinhão. Esta importância no ciclo de vida do Vinho do Porto permitiu-lhe um rápido desenvolvimento, alcançando o estatuto de centro geográfico da região Demarcada do Vinho do Porto. E por falar na Linha do Douro, o Pinhão tem uma das estações ferroviárias mais bonitas do país. Numa visita à vila, não deixe de a visitar e observar os elegantes e impressionantes painéis de azulejos, que retratam a vida do Douro. Já a nível gastronómico, pode encontrar por estes lados um bom cozido à portuguesa, o cabrito assado no forno, o bolo borrachão, as compotas e o mel.

 

7. São Xisto

Situada no coração da região classificada pela UNESCO como Património Mundial, São Xisto é um local encantado sobre o rio Douro! Localizada em Vale de Figueira, concelho de São João da Pesqueira, a aldeia é dominada por uma paisagem de cortar a respiração! Para apreciar esta aldeia, bastaria olhar em redor para os montes e vales, o Douro ali tão perto, tradicionais muros de pedra e os socalcos típicos das vinhas nas margens deste rio. Mas os seus encantos não ficam por aqui… Deixe-se deslumbrar, também, pelo património diverso desta bonita aldeia, que passam pela Capela de São Xisto, o Mirante Anjo Arrependido, a Fonte Centenária e as diversas casas típicas em xisto. Os locais a visitar, num passeio sem pressas, passam ainda pelos inevitáveis lagares de azeite e de vinho, ou não estivéssemos nas margens do Douro.

São Xisto
São Xisto

O cais fluvial do Douro e a estação ferroviária de Ferradosa conferem ainda mais encanto a este local. A aldeia de São Xisto possui particularidades muito específicas ligadas à importância da vinha. Aqui domina, como o próprio nome indica, o xisto, a contrastar com o granito que toma conta da margem oposta. Além do abundante vinho de qualidade que por aqui encontra, seja ele de mesa ou generoso, não faltam boas razões para se sentar à mesa! A gastronomia local baseia-se nos produtos da terra, mas também as tradições pastorícias deixaram marcas na cozinha tradicional: o cabrito assado em forno de lenha é por aqui muito apreciado. A caça e, claro, a pesca, também ocupam o seu lugar às mesas de São Xisto: os peixes do rio, fritos, de cebolada ou de escabeche, são petiscos muito apreciados.

 

8. Trevões

A aldeia de Trevões é mais uma aldeia vinhateira, pertencente ao concelho de São João da Pesqueira. Actualmente com cerca de 510 habitantes, chegou a ser sede de concelho entre 1159 e meados do século XIX. É uma pequena localidade perdida no monte mas com um encanto estonteante. A sua gente é bastante ligada à religiosidade, e cada recanto desta aldeia é testemunha dessa fé. A pacata freguesia é constituída por um grande número de capelas e ermidas e o seu povo continua a perpetuar as ricas tradições e manifestações de índole religiosa.

Trevões
Trevões

Numa visita a esta aldeia, não deixe de visitar a Igreja Matriz de Santa Marinha de Trevões, assim como a Capela do Mártir São Sebastião e o Nicho do Senhor da Boa Passagem. E se viajar por altura do mês de Julho, a festa em honra da santa padroeira é uma romaria tão intensa que o vai surpreender. Também o Museu Etnográfico de Trevões é outra visita obrigatória, onde poderá encontrar guardadas as memórias de um povo, as suas raízes e tradições. Para os amantes da caça, Trevões também é uma boa escolha, principalmente nos meses de Janeiro e Fevereiro, altura em que se realizam as montarias ao javali. E já que aqui está… passe pelo miradouro de São Paio. Com cerca de 910 metros de altitude e uma linha de horizonte vasta, poderá ver Trevões, mesmo no sopé do miradouro, em toda a sua beleza.

 

9. Figas de Ermelo – Parque Natural do Alvão

Localizada em Mondim de Basto, concelho de Vila Real, a cascata de Figas de Ermelo é uma das maiores quedas de água em Portugal. Fica situada no Parque Natural do Alvão, na freguesia de Ermelo. O Parque Natural do Alvão é uma área protegida com cerca de 7220 hectares, com um vasto património natural e cultural. Sem dúvida nenhuma, as Figas de Ermelo são das principais atrações turísticas deste parque.

Figas de Ermelo
Figas de Ermelo

Numa paisagem natural de tirar o fôlego, selvagem até, uma barreira de quartzito forma um degrau com cerca de 200 metros de desnível. Ao cair desta altura, o rio Olo atravessa rápido e cortante as fragas e os penhascos. É, de facto, um desnível vertiginoso, originando este conjunto de três quedas de água. Enquanto aqui está, aprecie a calma e o silêncio que por aqui reina. Um silêncio apenas interrompido por uma ou outra cabra selvagem que se avista ou pelo rugido da água que se mistura tão bem com o som da Natureza. E se quiser gastar mais uns minutos do seu roteiro por esta zina, visite Ermelo, uma povoação de grande riqueza em arquitectura tradicional, vários conjuntos de casas de xisto, pelourinho, calvário e Igreja.

 

10. Barca d’Alva

Barca d’Alva delimita a fronteira de Portugal. Mesmo ao lado de Espanha, Barca d’Alva está inserida em pleno Parque Natural do Douro Internacional. Erguida na margem esquerda do rio Douro, junto à raia definida pelo rio Águeda a leste, a construção do Cais Fluvial e a proximidade com Espanha trouxe um novo dinamismo recente a Barca D’Alva. Aqui, as amendoeiras em flor são a sua imagem de marca. Visite esta pacata e muito bonita localidade por altura do mês de Fevereiro e assista a um dos espectáculos naturais mais deslumbrantes em Portugal. Mas para além das amendoeiras, Barca d’Alva também prima pelas suas laranjeiras e oliveiras e por ter sido o refúgio primordial e inspirador de Guerra Junqueiro, poeta e escritor português.

Barca d’Alva
Barca d’Alva

Para além deste cenário idílico, desfrute da calma que reina por estes lados. Sinta o suave canto das árvores e veja-as voar livremente em plena Natureza. E respire profundamente, aqui é o ambiente é tão saudável que fará bem ao corpo e à mente. E a juntar a estas paisagens naturais magníficas, Barca d’Alva é o ponto de passagem para os cruzeiros turísticos que correm o Rio Douro. Visite esta pequena localidade através de um passeio de barco e certamente não se irá arrepender.

 

11. Miradouro de São Salvador do Mundo

O Miradouro de São Salvador do Mundo fica localizado junto à estrada que liga São João da Pesqueira à Barragem da Valeira. A vista do miradouro é magnifica, permitindo uma perspectiva única sobre o rio Douro, a Barragem da Valeira e a paisagem envolvente.

Miradouro de São Salvador do Mundo

Encontram-se junto ao miradouro dez ermidas, a sua maioria do século XVI, que compõem os Passos da Paixão de Cristo e no dia de Corpo de Deus realiza-se aqui uma bonita romaria. O Miradouro é tradicionalmente procurado por raparigas que querem casar, dizendo a lenda que, ao dar um nó nas muitas giestas que por ali existem, vão encontrar facilmente um bom homem para casar.

 

12. Miradouro de São Leonardo da Galafura

O Miradouro de São Leonardo de Galafura fica situado no concelho da Régua perto de Covelinhas, freguesia de Galafura. Do alto dos seus 640 metros de altura tem uma vista privilegiada sobre o rio Douro e a paisagem envolvente. Junto ao Miradouro existe uma capela onde todos os anos, no penúltimo fim de semana de Agosto decorrem as festividades locais que reúne muitos visitantes.

Miradouro de São Leonardo da Galafura
Miradouro de São Leonardo da Galafura

Pode encontrar também um parque de merendas, com bancos de pedra e sombra onde pode desfrutar de uma merenda com esta maravilhosa paisagem como pano de fundo. Encontra também aqui um marco geodésico pois este o local mais alto das redondezas.

 

5 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here